Archive for the ‘TV Lixo’ Category

O Jornalismo Esportivo em Seu Esplendor

25/04/2014

Via Creio em São Paulo

***(*) ******(*)

Anúncios

Dois Toques

25/04/2014

Da lonjura do Itaquerão – É longe de tudo amigo. Queiram ou não, esta é uma verdade inquestionável, é fato ! O Aidar falou a verdade. JJ já tinha dito que pra chegar em Itaquera, precisaria chamar o corpo de bombeiros. Putz, mas pra quê falar ? Atiçar as redações gambás, ávidos por venda de jornais e aquela sede contida de vingança pelas declarações dos Tricolores. Torcedores enrustidos, com pose de profissionais: não enganam mais ninguém. Mas como o argumento é inquestionável e não há réplica que destrua “o fato”, o próprio time.gov tratou de lançar vídeos para mostrar ao mundo do futebol que o Morumbi seria tão longe quanto o Itaquerão, ou talvez mais. Pra isso foram a praça da Sé, centro de São Paulo, marco zero da cidade pra medir distâncias… Vai ser ridículo assim lá em Itaquera ! Ops, Itaquera não, melhor ir pra fazendinha, porque o Itaquerão é da BRL Trust e Odebrecht, pelo menos até pagarem a última prestação do carnezinho. Agora me responda: a Angela Merkel vai ficar hospedada na praça da Sé ? Tem algum hotel ali pra receber chefes de estado ? Em que hotel vai ficar por exemplo o Michel Platini ? O Beckenbauer ? O Blatter vai dormir onde ? No Hilton ? Em algum Blue Tree ? E se algum destes VVIPs precisarem de atendimento médico ? O Albert Einstein fica mais perto do Morumbi ou do Itaquerão ? E o Hospital das Clínicas ? E o INCOR ? Sabe onde fica o Hilton ? No CENU, na Avenida das Nações Unidas perto da Berrini, Zona Sul, região que hoje é mais importante que a avenida Paulista. O que tem em Itaquera ? Nada além de especulação imobiliária e um progresso prometido que nunca chegou, se é que vai chegar um dia. Da próxima vez, por favor, façam vídeos honestos.

Fala mesmo Aidar ! – Eu preciso saber qual a regra do jogo, porque eu ando meio perdido por aqui. Chamar de panetone pode, mas dizer Itaquerão é maldade ? Chamar de bichacom anuência de um juiz e de bambi tá valendo, mas falar que o Kaká é a cara do São Paulo por ser alfabetizado e com todos os dentes na boca é preconceito ? O presidente do São Paulo jamais mencionou o time.gov ! Serviu a carapuça ? Falar que o Morumbi tem que ser implodido é engraçado, mas dizer que o Itaquerão é longe é elitismo ? Quando alguém do São Paulo fala, os reaças são chamados para entrar em ação e quando falam os turbinados pelo estado, todos batem palma ? É isso ? Senhores jornaleiros, não se enganem, o mundo mudou. Vocês não manipulam mais ninguém ! Não adianta torcer ai na sua redação e escrever seus textos tendenciosos, porque ninguém vai dar atenção se você não for honesto com a profissão que você escolheu. A internet nos libertou dos grilhões da mídia. Acordem ! Vejam o exemplo da Globo com audiência em queda livre ! Nos respeitem pra sobreviver. Já passou da hora…

***(*) ******(*)

Ética versus Falta de Educação

19/04/2014

Salve Soberania.

Não deveria, mas eu ainda me surpreendo.

Mudou o presidente, mas o tratamento reservado ao nosso clube continua o mesmo. Se vislumbrarem um pequeno traço de vantagem política ao São Paulo FC nos bastidores, os hipócritas esquecidos (?) clamarão pela ética.

Museu pelé e fasci-me-rir receberam títulos brasileiros à granel há poucos anos atrás, não importando se entre estas conquistas , estão torneios onde foram disputados QUATRO jogos até chegar ao título. O campeonato brasileiro atual tem 38 rodadas e um clube para ter o direito de levantar a taça, tem que cruzar o país de norte a sul. Não importa. A CBF ratificou.

Vale pra eles, pra nós não vale: vide o Roberto Gomes Pedrosa vencido pelo São Paulo FC em 1956. Não ratificaram, não pedimos, pouco importa. Não faremos dossiês por asteriscos. Eles não cabem na nossa história.

O museu pelé contratou o Gabigol quando este era menor de 16 anos e o levou para o litoral. Não levantamos a voz por ética, afinal, deram casa e arrumaram emprego para o pai do menino, além de um robusto salário. Como não tinha contrato, ele foi ser feliz. Sem gritarias.

Vale pra eles, pra nós não vale: a base do São Paulo FC esteve próxima a um boicote nacional, porque clubes mal estruturados perderam seus atletas menores de 16 anos para Cotia. Pais preocupados com o futuro dos seus filhos procuram nosso CT de base, interessados em levar seus projetos de craque para a formação Tricolor. Não é pra menos: oferecem escola, reforço, médicos, dentistas e tratamento psicológico, além dos fundamentos do futebol.

Flalido e time.gov alinhados com globo e CBF em 2011, destruiram o C13 e por isso recebem o dobro em cotas de TV em comparação ao que recebe o São Paulo FC. Pagamento pelos préstimos ao monopólio do futebol na TV. Antes deste episódio, as cotas eram praticamente iguais entre os três maiores clubes do país. Rebaixaram o Tricolor e nenhum jornalista levantou a voz para reclamar sobre esta diferença de tratamento. Você leu/viu algum falar a respeito ? Chegaram a tratar um cidadão semi-analfabeto como cartola exemplar, não importando como ele levou seu clube a alçar vôos mais altos, nacional e internacionalmente.

Vale pra eles, pra nós não vale: o lusitano Flávio Gomes e o santista Fábio Sormani entrevistaram na FOX Sports por telefone o novo presidente Tricolor: Carlos Miguel Aidar. O assunto era o trabalho do novo presidente como advogado para a CBF no caso rebaixamento da Portuguesa.

Para eles faltou ética ao presidente porque o São Paulo pode supostamente ser beneficiado no campeonato brasileiro por estar alinhado a entidade. Se esquecendo (?) de todos os casos citados acima e principalmente a relação espúria entre time.gov, cbf e globo. Trataram expertise profissional de forma desonrosa, como se advogar fosse tão rasteiro quanto se prestar a rachar entidades esportivas pelo toma-lá, dá-cá das vantagens prometidas e bem conhecidas de bastidores.

O Fábio Sormani, mais exaltado depois de tomar uma invertida do Aidar: -“Você acha errado, eu não acho”, disse que o presidente deveria pensar na sua consciência e no seu escritório de advocacia.

Mas isso não vale pra ninguém.

Porque uma pessoa pode até não gostar de uma instituição e lutar contra ela, mas não pode transformar uma discussão institucional em algo pessoal.

Isto é extrapolar o jornalismo, está em um patamar muito abaixo de qualquer discussão sobre ética.

É falta de educação.

***(*) ******(*)

Bola da Vez com Juvenal Juvêncio

17/04/2014

***(*) ******(*)

São Paulo FC 0x0 Santos – Os Erros de Arbitragem

24/02/2014

Salve Soberania.

Péssima arbitragem do Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP) e dos assistentes Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos de SP) no clássico de ontem.

No primeiro-tempo em pelo menos três oportunidades marcaram impedimento contra o São Paulo, mas o Luis Fabiano estava em posição legal nestes lances.

Eu peguei apenas um deles pra ilustrar como a reclamação santista não procede.

Luis Fabiano recebe passe de Pabón em posição legal, na sequência do lance sofre penalti do goleiro Aranha. Há dois jogadores do São Paulo em impedimento, mas nenhum deles participa do lance. Como o bandeirinha já havia assinalado o impedimento, mesmo estando equivocado, o lance do penalti não foi marcado.

Vídeo

O lance da reclamação do time do litoral não faz sentido. O assistente levantou a bandeira na hora em que o Damião dá a casquinha para o Rildo que estava em posição irregular segundo o tira-teima do Sportv. Na continuação da jogada o Paulo Miranda faz penalti no Rildo, mas o lance já estava parado uma vez que foi assinalado pelo bandeira, como ocorreu no lance de impedimento do Fabuloso relatado acima. Ou seja, pediram pra marcar pra eles, mas não falaram nada quando foi para o time da casa, claro.

Vídeo

O outro lance em que os santistas reclamam, foi o toque do Paulo Miranda em disputa dentro da área Tricolor, achei penalti, porque ele dá um toque proposital na bola com a intenção de dominá-la.

Em compensação, o jogador Neto ao fazer falta no Ademílson perto da grande área do time do litoral no segundo-tempo, merecia amarelo e deveria ter sido expulso, pois já tinha sido advertido com amarelo em lance anterior.

***(*) ******(*)

O Beijo Que Pirou o Bando de Loucas

13/02/2014

***(*) ******(*)

Dois Toques

02/02/2014

Meu time – Infelizmente como já tinha revelado nosso próprio treinador: ainda não somos um time. Um meio de campo que tem Wellington, Maicon e Ganso não pode ir muito longe. O time da série b é medíocre, fez o gol e se fechou, esperando o contra-ataque. Só que não havia ataque do lado de cá, porque o meio de campo Tricolor não criava. Luis Ricardo e Ademilson apagados, Ganso jogou mal. E Osvaldo deixou a desejar. Você pode não gostar, mas o Douglas hoje é melhor que o Luis Ricardo. O Rodrigo Caio não pode ser melhor que o Roger Carvalho, me desculpem, mas acho fraco demais. Fez um penalti infantil hoje. Não sei o que foi aquilo, parecia um golpe de capoeira em slow motion. Acho o Rhodolfo muito melhor que ele. Assim como acho o Souza melhor que todos os nossos volantes. E o Pabon vai ser titular neste time porque ele é melhor que o Ademilson. Se chegasse o Rafael Sóbis o time melhoraria bem no ataque. Gostei da entrada do Ewandro. Moleque novo mas tem personalidade. Meu time com todos os reforços é este: Rogério Ceni, Douglas, Antônio Carlos e/ou Breno, Edson Silva e/ou Roger Carvalho, Pereira. Souza, Maicon e/ou Jadson e Ganso. Osvaldo, Luis Fabiano e Pabon.

O reforço da impunidade – Não bastou incendiar carros alegóricos no carnaval de 2011. Não foi suficiente rasgar as cédulas com os votos dos jurados naquele ano. Não bastou matar torcedores adversários, como o que ocorreu com o palmeirense na Inajar de Souza em 2012. Nada fizeram quando o aeroporto de Cumbica foi depredado no embarque do time turbinado com dinheiro estatal para o mundial de clubes. Assim como houve quem se indignasse, imaginem, com a prisão na Bolívia dos 12 bons meninos que estavam direta ou indiretamente, envolvidos na primeira morte na história da Libertadores no decorrer de uma partida em 2013. Não, ninguém foi preso quando retornaram, ninguém foi punido. Ao contrário, foram defendidos. Os torcedores do time do governo receberam assistência federal, enquanto lá estavam. Foram enviados para socorrê-los: o embaixador do Brasil na Bolívia, advogados locais pagos com dinheiro dos nossos impostos, políticos e até o ministério da justiça deu apoio aos “cidadãos brasileiros” presos em território estrangeiro. Quando retornaram, a TV do monopólio deu grande atenção ao seu desembarque e mostraram como suas famílias estavam emocionadas com o retorno de pessoas tão especiais para a nossa sociedade. Se você contar isso para um estrangeiro, ele ri com sarcasmo e pergunta se é verdade. Mas esta vergonha dentre tantas outras não é nada. O pior está por vir. Estão criando monstros, parafraseando Renê Simões. Existe uma ciência chamada ciência comportamental. Um dos seus maiores ícones é o psicólogo BF Skinner, ex-professor da conceituada universidade de Harvard nos EUA. Dentro da ciência que ele estudou, ele inventou uma técnica chamada “condicionamento operante”, que era nada mais nada menos, que premiar o bom comportamento dos animais que ele estudava com um reforço. Um exemplo simples pode ser visto quando um cachorro adestrado recebe um biscoito do seu adestrador ao acertar o truque que a ele foi ordenado. Existe vários vídeos de Skinner no You Tube, o mais famoso se refere aos experimentos que ele fazia com pombos. Percebem onde isto está chegando ? Um torcedor mata, apedreja, agride jogadores do seu time, põe fogo em carros alegóricos e nada acontece. Não vão parar de cometer crimes e cometerão ainda piores, enquanto seu comportamento for reforçado com impunidade. E isto não é profecia, é ciência. Tomara que não tenha rodada no meio da semana.

***(*) ******(*)

Águas de Junho

10/12/2013

Demais.

***(*) ******(*)

Brazilian Football Revolution

06/12/2013

Durante a copa do mundo 2014, na sede mais próxima de você…

copa e o caralho

***(*) ******(*)

Criciuma 1×0 São Paulo FC

01/12/2013

Sem grandes pretensões no Campeonato Brasileiro de 2013, o São Paulo acabou derrotado pelo Criciúma na tarde deste domingo (1º de dezembro), por 1 a 0, em duelo válido pela penúltima rodada. O gol solitário da partida, logo no primeiro minuto de jogo, foi anotado por Wellington Paulista, de pênalti. No lance que originou a penalidade, porém, Sueliton recebeu impedido e foi derrubado na grande área.

Com o resultado em Santa Catarina, neste final de semana, o Tricolor se manteve na nona colocação, com 50 pontos. Já o Tigre, que lutava para se distanciar as últimas colocações, assumiu o 15º lugar, com 46 pontos. Na próximo domingo (8), na  rodada de encerramento do torneio, a equipe são-paulina se despedirá da competição contra o Coritiba.

Para o duelo contra os catarinenses, neste final de semana, o técnico Muricy Ramalho fez algumas alterações na equipe e adotou o esquema tático 4-3-3. Osvaldo, Welliton e Luis Fabiano foram os escolhidos para o setor ofensivo, enquanto Lucas Evangelista apareceu na lateral esquerda. Assim, o time começou o jogo com Rogério Ceni; Douglas, Rodrigo Caio, Antonio Carlos e Lucas Evangelista; Wellington, Maicon e Paulo Ganso; Welliton, Osvaldo e Luis Fabiano.

Denilson (indisposição digestiva), Paulo Miranda (suspenso pelo terceiro cartão amarelo), Jadson (aprimora a forma física após sofrer contratura muscular na coxa direita), Fabrício (contratura muscular na panturrilha esquerda), Mateus Caramelo (se recupera após sofrer trauma na face), Roger Carvalho (aprimorando a forma física) e Carleto (recuperação de cirurgia no joelho direito) sequer viajaram para Criciúma.

E quando a bola rolou, as mudanças do treinador são-paulino não tiveram tempo de surtir efeito.  Logo aos 25 segundos de jogo, Sueliton, impedido, foi derrubado na grande área: pênalti. Wellington Paulista bateu e abriu o placar no Estádio Heriberto Hülse. O gol dos anfitriões, logo no início da partida, deu mais tranquilidade aos donos da casa. Em vantagem, os catarinenses trataram de administrar o resultado.

Dessa forma, o São Paulo só conseguiu assustar aos nove minutos. Após cobrança de falta, Ganso ficou com a sobra e mandou por cima do gol de Galatto. O Criciúma, com todos os jogadores atrás da linha central, dificultava a vida do Tricolor e impedia que os paulistas chegassem ao ataque. Quando o Tigre descia, buscando os atacantes Lins e Wellington Paulista,  Rogério Ceni aparecia bem e praticava boas defesas.

Sem espaço, o time são-paulino só conseguiu chegar ao ataque novamente aos 31 minutos. A trama começou com Ganso, que deu belo passe para Osvaldo. O camisa 17 invadiu a área e tocou para Luis Fabiano, que foi de encontro à bola e finalizou assustando o arqueiro adversário. Pouco depois, aos 39, Maicon enfiou para Douglas, que cruzou rasteiro para Welliton. De letra, o atacante finalizou com estilo e deu trabalho ao sistema defensivo rival.

Precisando vencer para fugir das últimas colocações na competição nacional, o Criciúma se fechava atrás e, assim, o São Paulo só conseguia tocar apenas de um lado para outro. E, apesar de insistir, o Tricolor não conseguiu empatar no primeiro tempo e as equipes foram para o intervalo com os catarinenses em vantagem: 1 a 0.

Na volta para a segunda etapa, o time são-paulino manteve a mesma formação, mas partiu para cima do adversário. Procurando o gol de empate, os paulistas buscavam as jogadas pelas pontas, com Osvaldo, Douglas e Lucas Evangelista, e acionavam o Fabuloso. Aos 10, o camisa 9 arrumou espaço dentro da área do Criciúma e chutou entre as pernas de Ewerton Páscoa. Galatto, bem colocado, fez a defesa e impediu o gol de empate.

Para dar mais força ao time, Muricy fez duas alterações: João Schmidt e Aloísio nos lugares de Ganso e Welliton, respectivamente. Aos 24, Lucas Evangelista colocou a bola no segundo pau, e Douglas chegou finalizando. O lateral não pegou em cheio o goleiro catarinense defendeu. Ademilson ainda herdou a vaga de Osvaldo, mas nem mesmo a entrada do jovem atacante foi capaz de abrir um espaço na defesa e arrancar o gol de empate. Desse modo, o placar não foi alterado novamente e o Criciúma conquistou a vitória.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
CRICIÚMA 1 X 0 SÃO PAULO

Local: Heriberto Hulse, em Criciúma (SC)
Data: 1º de dezembro de 2013 (domingo)
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (Fifa-AL)
Assistentes: Márcio Eustáquio (Fifa-MG) e Katiuscia Berger (Fifa-ES)
Cartões amarelos: Elton, Galatto e Fábio Ferreira (Criciúma); Maicon e Wellington (São Paulo)

Gol: CRICIÚMA: Wellington Paulista (de pênalti), a um minuto do primeiro tempo

CRICIÚMA: Galatto; Sueliton, Ewerton Páscoa, Fábio Ferreira e Marlon; Serginho, João Vitor (Matheus Ferraz), Elton e Ricardinho; Lins (Fabinho) e Wellington Paulista Técnico: Argel Fucks

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Antonio Carlos, Rodrigo Caio e Lucas Evangelista; Wellington, Maicon e Ganso (João Schmidt); Osvaldo (Ademilson), Welliton (Aloísio) e Luis Fabiano Técnico: Muricy Ramalho

Via Gazeta Esportiva

Melhores Momentos

Relacionados

Suspensões de Wellington e Maicon abrem disputa na equipe

Bastidores de Criciúma x São Paulo

Muricy: “Não vamos entrar em campo para cumprir tabela”

Ganso: “Aqui, você sempre tem que ganhar títulos”

Atletas ficam na bronca com a arbitragem

Em Criciúma, Muricy festeja aniversário com o elenco

***(*) ******(*)

Atlético-PR 3×0 São Paulo FC

10/11/2013

O Tricolor não conseguiu bater o vice-líder do Campeonato Brasileiro de 2013. Na tarde deste domingo (10), na Vila Capanema, o São Paulo acabou derrotado pelo Atlético-PR por 3 a 0. Os gols do confronto, válido pela 33ª rodada, foram marcados por Marcelo, Luiz Alberto e Éderson. Com o resultado, os paulistas se mantiveram na 8ª colocação, com 46 pontos.

Na próxima rodada, agendada para quarta-feira (13), o Tricolor enfrentará o Flamengo. A partida, que não poderá ser disputada no Morumbi, será no Estádio Novelli Junior, em Itu. Nesta segunda-feira (11), os jogadores se reapresentarão normalmente no Centro de Treinamento da Barra Funda e já trabalharão de olho nos cariocas.

Para o confronto em Curitiba, que contou com o retorno de Ganso, o técnico Muricy Ramalho escalou o seu time com Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rodrigo Caio, Antonio Carlos e Reinaldo; Denilson, Maicon, Douglas e Paulo Henrique Ganso; Ademilson e Aloísio.

Com a bola rolando, o gramado ruim do Estádio Durival de Britto atrapalhou a equipe são-paulina. Maicon e Ganso, com a missão de armar o Tricolor, tiveram dificuldades para trocar passes. Ainda assim, o São Paulo foi mais eficiente no fundamento e ficou mais tempo com a bola no pé. No entanto, empurrado por sua torcida, os donos da casa conseguiram balançar as redes.

Ademilson e Douglas passaram perto de abrir o placar no Paraná, mas foi o Atlético que largou na frente. Aos 12 minutos, Marcelo recebeu na grande área e inaugurou o marcador. O tento dos paranaenses não intimidou os comandados de Muricy, que apesar das dificuldades continuaram buscando o gol. Aos, 16, Reinaldo escapou pela esquerda e cruzou rasteiro. Na pequena área, Aloísio girou sobre a marcação e chutou rente a trave esquerda.

E quando os visitantes levavam mais perigo, os anfitriões ampliaram. Luiz Alberto, após cobrança de escanteio aos 26, testou e anotou o segundo gol do jogo: 2 a 0. A resposta do Tricolor veio aos 37 minutos, com Maicon, mas o chute do camisa 18 parou nas mãos do goleiro Weverton, que praticou boa defesa e garantiu a vantagem do Atlético na primeira etapa.

Na volta para o segundo tempo, para tentar mudar o panorama da partida e dar mais ofensividade ao time, Muricy promoveu a entrada de Osvaldo no lugar de Denilson. Dessa forma, Douglas foi deslocado para a lateral direita, Paulo Miranda para a zaga e Rodrigo Caio foi para o meio.

A alteração do treinador deu mais opções ao sistema ofensivo do Tricolor, que rondou a área do adversário e apostou na velocidade de Osvaldo. Porém, assim como nos primeiros 45 minutos, o Atlético conseguiu ser mais eficiente nas finalizações. Aos 12, Éderson marcou o terceiro gol do confronto e esfriou a reação são-paulina.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO- PR 3 X 0 SÃO PAULO

Estádio: Estádio Durival Britto e Silva, em Curitiba (PR)
Data: 10 de novembro de 2013, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Público: 12.754 pagantes
Renda: R$ 223.960,00
Árbitro: Paulo Godoy Bezerra (SC)
Assistentes: Márcio Eustáquio (Fifa-MG) e Nadine Schramm (SC)
Cartões amarelos: Everton, Ederson e Manoel (Atlético-PR); Paulo Miranda (São Paulo)

Gols: ATLÉTICO-PR: Marcelo, aos 12, e Luiz Alberto, aos 26 minutos do primeiro tempo; Ederson, aos 12 minutos do segundo tempo

ATLÉTICO-PR: Weverton; Léo, Manoel, Luiz Alberto e Juninho; Bruno Silva (Deivid), João Paulo, Everton e Paulo Baier; Marcelo (Dellatorre) e Ederson (Ciro) Técnico: Vagner Mancini

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rodrigo Caio, Antônio Carlos e Reinaldo; Denilson (Osvaldo), Maicon (Wellington), Douglas e Ganso; Ademilson e Aloísio (Welliton) Técnico: Muricy Ramalho

Via Gazeta Esportiva

Melhores Momentos

Relacionados

Bastidores de Atlético-PR x São Paulo

Muricy: “Achamos que dava para jogar, mas era impossível”

Rogério quer resposta positiva antes da Sul-Americana

Jogadores criticam gramado do Estádio Durival Britto

***(*) ******(*)