Rapidinhas do Lina

As mentiras da TV do monopólio – Quem não acredita que existe gente disposta a tumultuar o ambiente do São Paulo FC, deveria repensar. Não se trata nem de teorias conspiratórias, mas de fatos. O Milton Cruz em entrevista ao SPFC.net desmente matéria veiculada no site da TV do monopólio. Faz sentido divulgar lista de dispensas faltando 13 rodadas para o fim do brasileirão ? A quem interessa inventar uma lista a esta altura do campeonato ? Certamente não interessa ao São Paulo FC.

Teclados de aluguel – Como o momento é de criar factóides – afinal o clubinho queridinho da mídia, o campeão mundial empurrado está numa draga desgraçada – um dos maiores representantes deste tipo de imprensa está vomitando inverdades em seu blog hospedado no site da TV do dízimo. O cara fala em aliciamento e coloca uma foto do Lucas, como se o jogador tivesse sido retirado a força do clube do governo. O Lucas já esclareceu o que aconteceu. Ele e o seu pai que decidiram sair de lá porque não receberam as condições básicas de estrutura, apoio e dignidade para o desenvolvimento do jovem talento. Assista o próprio jogador contando o que aconteceu, negando estas mentiras e tire suas próprias conclusões.

AliciamentoFinalmente o jurídico do Tricolor resolveu se posicionar. É duro ler os comentários a respeito deste assunto quando matérias são veiculadas nos sites de esporte por ai. Um cara da ESPN chegou a dizer que o São Paulo deveria “provar” que não tem culpa das levianas acusações do bloco da inveja. Como se o ônus da prova estivesse a cargo do acusado e não do acusador. Até o conceito jurídico da questão querem mudar.

Aliciamento 2 – Existe um acordo de cavalheiros nas categorias de base que é a de não contratar nenhum jogador que queira mudar de clube, caso um jogador resolva deixar o lugar onde está legalmente. Tudo isto seria perfeito se quem inventou o acordo cumprisse suas obrigações conforme a legislação vigente, mas não cumprem e querem evitar a debandada dos seus atletas exigindo que se cumpra um acordo do qual o São Paulo não é signatário, não faz parte e nunca deu sua palavra. Em resumo: os caras não pagam salários, não têm estrutura e mínimas condições para revelar jogadores. Não cumprem sua parte e ficam de birrinha porque o São Paulo recebe os caras e cuida deles. Enquanto isto os teclados de aluguel, corruptos que são, atiram pedras em quem cuida e exaltam os que pouco se importam. E viva o cartel do descaso !

Aliciamento 3 – O amigo já ouviu falar de um jogador chamado Willian Arão ? Não ? Este jogador revelado na base do São Paulo, foi contratado pelo clube do governo. Devo dizer que foi aliciado ? E o meia-atacante Sérgio Soller, jóia de Cotia contratado pelo Santos com 16 anos ? Foi aliciado ? E o Oscar, que foi contratado pelo Internacional à revelia de um contrato vigente ( incrível mas este clube faz parte da lista dos que querem boicotar o São Paulo na base, é pra rir ), aliciado ? E o lateral-esquerdo Diogo que chegou a ser especulado nos travecos ? Aliciado ? Lucas Piazon chegou a treinar no clube do governo e teve que voltar. Aliciado ? E os cavalos de tróia que foram enviados para Cotia ? Esqueceram ? Cadê a mídia pra falar sobre isto ?

Bom Senso FC – Um dos objetivos do movimento criado pelos jogadores é excluir das competições da CBF, toda e qualquer agremiação que não pague os salários dos seus jogadores ( de qualquer categoria ) em dia. O chamado “fair play financeiro”. A maioria dos clubes envolvidos em um possível boicote a Copa São Paulo de Futebol Junior está na lista. Coincidência ?

Arrogante pra quêm ? – A imprensinha costuma dizer que o M1TO é arrogante. Não é isto o que se vê nas partidas em que ele joga. Antes e ao final dos jogos, a TV mostra a maioria dos jogadores dos times rivais se dirigirem a ele para cumprimentá-lo e pra pedir sua camisa. Em quem devemos acreditar ? No que eles escrevem ou nas imagens vistas na TV ?

Arrogante pra quêm 2 ? – Pra deixar bem claro pra todos como o mítico goleiro Tricolor é querido e respeitado em seu meio, é ele quem fala em nome dos jogadores envolvidos no Bom Senso FC. O porta voz da boleirada. Isso deve significar alguma coisa não ?

Concentração antecipadaTá todo mundo de castigo nos lados do Morumbi. Depois da palhaçada que aconteceu na Favila das Privadas, com Ganso e Wellington andando em campo, com Osvaldo parecendo pesar 150 kgs, com Douglas e Edson Silva indignos de vestir o manto, acho pouco antecipar concentração. Antecipar concentração não faz jogador criar vergonha na cara, não faz jogador ganhar talento, concentração não faz milagre. Nós estaremos a um passo de depender de um milagre se estes caras continuarem desonrando nossa história como têm feito.

E se cair ? – Se cair, um dia vai se levantar. Esteja onde você estiver, você nunca estará sozinho. “Eu vou lá com você. É tudo que eu posso fazer.”

***(*) ******(*)

12 Respostas to “Rapidinhas do Lina”

  1. Everaldo Says:

    Estes clubes não tem moral pra falar do São Paulo.
    O São Paulo não pratica nada ilegal. Com certeza estes babacas invejosos de outros clubes detonariam o tricolor na justiça com provas de um suposto mal comportamento se as tivessem.
    Mas é óbvio que não tem, então fica esta palhaçada na mídia.

    Lina: Deveriam ir pra justiça se acham que têm razão, concordo com vc. Mimimi na mídia é coisa de incompetente.

  2. Guedes Says:

    Lina, você já olhou a tabela ?
    Não podia ter perdido estes 3 jogos seguidos.
    Complicou demais.
    Não sei não cara, não vou nem dizer o que eu acho.
    Abraço

    Lina: Acabei de olhar, já que vc chamou a atenção. Têm umas babas no meio das pedreiras.

  3. Barman Says:

    Aqui, a merda toda foi revelada.

    Bingo!!!!! Descobriram os verdadeiros problemas do São Paulo. Vamos ver como o time vai se comportar no importantíssimo jogo contra o Vitória de Ney Franco
    De Vitor Birner

    No começo do ano, boa parte da opinião pública dizia que o São Paulo não jogava bem por causa da ausência de Lucas ou de algum atleta capaz de fazer a função executada por ele antes de ser negociado com o Paris Saint German.

    Rapidamente, a mesma juntou ao pacote de reclamações a opção de Ney Franco pelo 4-2-3-1, esquema usado pelo time em suas melhores apresentações nessa temporada e na anterior.

    Os desafetos do técnico no CT da Barra Funda aproveitaram e iniciaram a campanha para derrubá-lo. Pareciam mais concentrados nisso do que nos resultados obtidos pelo time.

    Transformaram a insatisfação em guerra pessoal.

    E começaram a sair do CT as notícias parcialmente verdadeiras, que minaram a imagem e o trabalho de Ney Franco, tal qual a da insatisfação geral no elenco com o técnico.

    Ele perdeu a paciência com essas pessoas e decidiu culpá-las publicamente pelos fracassos da equipe: disse que não passa, chuta, faz gol…

    A direção, vivendo momento de grande impopularidade por conta da falta de títulos importantes desde 2008 e demissões de funcionários renomados com história no São Paulo, notou o racha e percebeu que precisava fazer algo.

    Ou demitia Ney Franco, que era a decisão populista, ou mexia com os insatisfeitos, que era a medida tecnicamente necessária e multiplicava a impopularidade vezes mil.

    Ficou com a primeira possibilidade e contratou Paulo Autuori, o preferido entre todos os técnicos em atividade, dos desafetos do atual treinador do Vitória.

    Os resultados não melhoraram logo de cara e nem os opositores de Ney Franco ficaram completamente satisfeitos.

    Adalberto Batista, que cumpriu o papel dele ao apoiar o treinador e foi o único dirigente com coragem para mexer no vespeiro das vaidades e luta por território no ambiente que deveria ser de harmonia, deu um passo em falso ao discordar publicamente de Rogério Ceni.

    O goleiro, sem dúvida um dos maiores ídolos da história são-paulina, atleta que faz jus à alcunha de ‘mito’, fundamental dentro e também, ressalto, fora de campo em conquistas importantíssimas do time, havia falado do tal “legado zero”.

    Nesse caso, discordei do camisa 01.

    A opinião pública, novamente estimulada pelas notícias nascidas do CT da Barra Funda, ficou radicalmente contra o diretor.

    Acreditou na história verdadeira da incompetência dele ao fazer o tal do ‘meio de campo entre os atletas e a direção’, mas menosprezou algo fundamental:

    Milton Cruz, coordenador técnico que não indica bons jogadores faz anos, inclusive antes de Adalberto assumir a direção do futebol, e nem participou, por opção dele mesmo, dos treinamentos no período de Ney Franco, tinha que cumprir o papel que cobravam de Adalberto.

    Um adendo:

    Se Marco Aurélio Cunha estivesse na gerência do futebol, a chance de os problemas acontecerem seria bem menor.

    Infelizmente para o São Paulo, hoje as brigas pessoais colocam de lados opostos as pessoas mais capazes.

    De qualquer forma, lá estava Autuori, de quem Milton gosta muito.

    Obviamente, o coordenador técnico opinou nas escalações, realmente tentou ajudar o treinador que acabara de voltar, apesar de ter, na prática, atrapalhado.

    Autuori escutou, tentou mexer na forma de o time atuar mesmo sem ter tempo de treinar as alterações, e falhou.

    Esse erro provavelmente nem foi os maior dele na minúscula passagem pelo clube.

    A crença que sua compreensão, paciência e parceria com o elenco gerariam comprometimento dos boleiros, acabou sendo o mais destrutivo.

    O plano teria funcionado se tivesse bastante tempo, coisa que a tabela de classificação no Brasileirão não fornecia.

    A questão não era, como obviamente não é, a insatisfação de todos os atletas com seu antecessor.

    A campanha anti Ney Franco gerou danos difíceis de serem resolvidos.

    Assustou alguns jogadores e minou a relação de confiança, respeito e união entre eles.

    Traduzindo, o ambiente estava contaminado, doente.

    Sem dúvida, com Autuori as brigas e o diz que diz pelas alamedas do CT acabaram.

    Só que isso não bastou para transformar o local de preparação da equipe.

    Ney Franco saiu, Autuori chegou, e tanto a desconfiança quanto o incômodo da parte do elenco que não tinha nada contra o técnico campeão da última Copa Sul-Americana, ficaram lá.

    Alguns jogadores têm medo de falar o que pensam. Desabafam apenas com quem confiam bastante e pedem as mesmas sigilo absoluto.

    Temem a reação de alguns colegas de clube, situação compreensível, pois viram eles derrubarem um treinador, além do diretor de futebol conhecido como o homem de confiança do presidente.

    A última cartada da direção, que paga salários em dia, bichos gordos e diminuiu o preço dos ingressos para aumentar o apoio do torcedor nos jogos, foi a contratação de Muricy Ramalho.

    Colei, no próximo parágrafo, o trecho da matéria do UOL Esporte sobre a reunião de ontem do técnico com o elenco. Tem a conclusão do atual treinador do São Paulo a respeito do que se passa.

    Muricy falou sobre a impressão negativa geral que tem sobre o atual elenco. A avaliação do técnico é que não há companheirismo no dia a dia e que será preciso clima mais amistoso e sem disputas internas para que o São Paulo fuja do rebaixamento

    Bingo!!!!!

    Finalmente descobriram e tornaram públicos os verdadeiros problemas do time.

    Quem lê o blog faz tempo e crê no que eu escrevo, já sabia.

    Responsabilidade

    Muricy disse, após a derrota contra o Santos, que sentiu vergonha da postura dos atletas e se surpreendeu com a diferença de comportamento deles em relação ao confronto diante do Grêmio.

    Colocou a responsabilidade nos jogadores, tal qual Ney Franco fez.

    Dessa vez a torcida, por acreditar na competência de Muricy ao invés de crer na campanha realizada com o plantio de notícias parciais e interessadas na mídia, não criticará o treinador.

    Muricy está agindo como deve.

    A responsabilidade é dos atletas, sejam os desafetos de Ney Franco ou os que nada têm com isso.

    Obviedade

    É claro que a direção do São Paulo, quando permitiu o crescimento da confusão e não tomou as medidas necessárias, teve grande responsabilidade pela crise.

    Ela tinha autoridade para evitar tudo.

    Agora, precisa lidar com a crise e respaldar integralmente o treinador.

    Fundamental

    O confronto diante do Vitória é muito importante.

    Depois dele, o São Paulo viajará à Belo Horizonte para encarar o forte Cruzeiro e receberá o Corinthians no Morumbi.

    Como está atrás do Vasco, precisa ganhar.

    Não pode permitir que o adversário abra vantagem matematicamente impossível de ser tirada numa rodada.

    Isso aumentará enorme pressão com a qual os atletas precisam lidar.

    É claro que a cobrança pública de Muricy, a briga pessoal de alguns com Ney Franco e a própria situação do time no campeonato brasileiro devem fazer o São Paulo, individualmente bem melhor que o adversário, correr muito no sábado.

    Se nem diante disso tudo a equipe for guerreira de maneira exemplar, até eu, que aposto na permanência do São Paulo na elite do futebol do país, pensarei em mudarei de opinião.

  4. Baú do São Paulo Says:

    Grande Lina!
    Um singelo afago nesses tempos de angústias e incertezas.
    http://baudosaopaulo.blogspot.com.br/2013/10/frase-e-se-cair.html
    Juntos com o SPFC, até o fim!
    Saudações Tricolores!

    Lina: Valew camarada ! NOI_X_

  5. Fausto Says:

    Sempre acompanho o blog, mas nunca posto nada.Mas dessa vez tive que postar!
    “Se cair, um dia vai se levantar. Esteja onde você estiver, você nunca estará sozinho. “Eu vou lá com você. É tudo que eu posso fazer.”
    Quase chorei lendo isso, pena estarmos nessa situação num ano em que tudo parecia ser diferente, mas enquanto tivermos chances não desisto. E hj contra o Vitória vou estar lá mas uma vez “É tudo oque posso fazer”

    Lina: Sei como é isso. Tbm estou triste. Mas vamos em frente. Abraços.

  6. Marcos Says:

    O Sâo Paulo quando perdeu o Oscar: o clube é sujo.
    Agora o Sâo Paulo contrata os jogadores que se oferecem: o clube é sujo.
    Se der cestas básicas é sujo, se não der é sujo. Entendeu ?
    É melhor nem dar bola e seguir em frente.
    Chupa os pequenos. Porque é isto o que estes clubes são, pequenos.

    Lina: Entendi.

  7. Marcelo Abdul Says:

    Fala Lina. Este texto do Gabriel Fuhrmann resume muito bem o que eu penso sobre esse tal “boicote”. É uma hipocrisia sem tamanho. Todos os clubes aliciam. Para mim esse lance de “acordo de cavalheiros” feito na porta dos fundos é uma tremenda roubada. O que vale é a lei de mercado. O garoto que não tem contrato vai onde quer. Se os clubes querem mudar isso que todos eles se unam e elaborem uma lei para impedir a farra dos empresários. Eu disse empresários? Ah tá. Agora entendi o tal boicote.

    http://gabrielfuh.com.br/2013/10/02/boicote-da-hipocrisia/comment-page-1/#comment-1268

    Lina: Valew Abdul, vou ler. Abraço

  8. Jorge Tri-Hexa Says:

    Foi só o São Paulo melhorar na tabela que surgiu o papo da base.
    Eu não leio mais nada da imprensa esportiva, fico com os sites especializados do São Paulo.
    Chega.

  9. Renato Soares Says:

    Lina, a grande verdade é que o futebol brasileiro é formado por clubes dirigidos por incompetentes.
    A gestão do São Paulo atualmente deixa a desejar no futebol profissional, mas não deixa a desejar nas categorias de base, ao contrário, a base do tricolor é excelente ou pelo menos bem acima da média.
    Por isto a ciumeira.
    Mas foi bom você listar os que já nos tiraram.
    O São Paulo quando foi prejudicado, recorreu a justiça, por que eles não fazem o mesmo ?
    Medo de passar vergonha ?
    Fica a pergunta.
    Abraços

    Lina: Uma vez eu escrevi aqui algo assim: o São Paulo é uma ilha, cercado de incompetentes por todos os lados. Concordo com vc, ir pro pau ninguém quer, sabem que vão perder, então ficam com esta coisa asquerosa na mídia, dando matéria com informações inverídicas pra jornaleiros…

    • Marcelo Abdul Says:

      Não tem como ir para o pau. Se não me engano um atleta da base só pode assinar o primeiro contrato aos 16 anos. Então não tem como um clube ir para a justiça. Por isso esse lance de “acordo de cavalheiros” Mas como foi dito, se um clube não paga salário e nem tem água no vestiário o que o garoto faz? Fica passando fome ou vai para um clube melhor? Que tal os times adotarem o tal “fair play financeiro”? Acho que eles não querem né? Alguns desses clubes que ameaçam o boicote não pagam ninguém. Se tivesse esse fair play só teriam uns 8 clubes disputando o brasileiro.

  10. luchetta Says:

    Volta Lina. Hehe.
    Tava fazendo falta. Manda ver nuns posts com mais frequência.
    A espn, na minha opinião, é a pior de todas: os caras posam de imparciais, acima do bem e do mal, mas são iguais ou até pior que os outros. Puta hipocrisia. Sei não, mas a mãe de cueca ganhou muito espaço e a consequência é essa porcaria.
    O tal do Mauro César é um mal amado. No caso do time fujão ele já havia dito que a função dele não é investigar. Mesmo assim, havia 2 versões, ele preferiu acreditar na menos verídica.
    O PVC, mesmo sendo um péssimo comentarista de jogo, era o único que eu reputava como jornalista. De uns tempos para cá virou mais um fofoqueiro. Novamente: acredito que seja influencia da mãe de cueca.
    Bom, para não ser injusto, o RR (não sei o nome do apresentador do BB2), aquele gordinho mineiro e o Alê, são bons. O resto…
    Abraço,

    Lina: Demorei um pouco pra abrir o olho, mas despertei. A ESPN é uma bosta, tão ruim quanto a Band ou a Gazeta; Infelizmente. Vou escrever mais, abraços !

  11. Rapidinhas do Lina | Blog do Lina Says:

    […] promessa em carta enviada a entidade. Mas já fizeram a mesma coisa com o São Paulo diversas vezes como já falamos antes. O Gabibol, atacante do santos, era jogador do São Paulo e foi levado para a Vila Belmiro antes de […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: