Archive for maio \29\UTC 2013

São Paulo 5×1 Vasco

29/05/2013

O Tricolor manteve o embalo após bater a Ponte Preta, por 2 a 0, na rodada de abertura do Campeonato Brasileiro. Na noite desta quarta-feira (29), o São Paulo goleou o Vasco, por 5 a 1, em duelo válido pela segunda rodada da competição, com atuação de gala do atacante Luis Fabiano.

O camisa 9 balançou as redes duas vezes, no Morumbi, e foi o grande destaque da equipe contra os cariocas. Aloísio, Carleto e Luan (contra), finalizaram a bela exibição do time, que agora soma seis pontos no Brasileirão.

Com o retorno do goleiro Rogério Ceni, recuperado de um trauma no pé direito e que não atuava há dois jogos (nos triunfos sobre Londrina e Ponte Preta), o técnico Ney Franco escalou a equipe são-paulina com Rogério Ceni; Douglas, Lúcio, Paulo Miranda e Carleto; Denilson, Rodrigo Caio e Roni; Silvinho, Luis Fabiano e Osvaldo.

Sem poder contar com Jadson, que está na Seleção Brasileira para a disputa da Copa das Confederações, e Paulo Henrique Ganso, com uma contratura na coxa esquerda, o treinador apostou no jovem Roni, recém-contratado do Mogi Mirim, que havia feito a sua estreia diante do Londrina.

TRICOLOR PRESSIONA

Com a equipe bem aberta e explorando as jogadas pelas laterais, o São Paulo criou as melhores jogadas do primeiro tempo e, por pouco, não abriu o placar antes do intervalo. Diante de um adversário bem compactado, as oportunidades de gol só surgiram nos minutos finais da primeira etapa.

Aos 33 minutos, Osvaldo avançou pela esquerda e cruzou. A bola pegou efeito e surpreendeu o goleiro do Vasco, Michel Alves, que se esticou todo para espalmar. No minuto seguinte, foi a vez de Luis Fabiano invadir a área e parar nas mãos do arqueiro carioca.

Melhor no jogo, o Tricolor continuou criando as melhores jogadas e acuando os vascaínos no campo de defesa. Aos 39, Osvaldo bateu colocado, mas a bola passou rente a trave. Depois, aos 45, Douglas levou perigo ao carimbar o travessão cruzmaltino após chute da entada da área. E mesmo insistindo, a equipe são-paulina foi para o vestiário do Morumbi sem balançar as redes.

GOLEADA FABULOSA

Na volta para o segundo tempo, sentindo que o São Paulo poderia render ainda mais, Ney Franco promoveu as entradas de Maicon e Aloísio, nas vagas de Roni e Silvinho, respectivamente. E a posta do comandante logo mostrou resultado. Atrás da vitória, o Tricolor armou uma verdadeira blitz para cima do Vasco.

Logo aos 6 minutos, Aloísio bateu cruzado, acertou o pé da trave e mostrou que o gol era questão de tempo. Assim, as redes logo balançaram no Morumbi. Aos 15 minutos, Luis Fabiano recebeu de Aloísio, tocou com categoria na saída do goleiro Michel Alves e abriu o marcador na capital paulista.

Brigador, Aloísio continuou empurrando o Tricolor ao campo de ataque e, assim, acabou premiado com um belo gol, aos 23 minutos. O camisa 19 recebeu cruzamento de Lúcio, ajeitou a bola e acertou um belo chute colocado.

Mesmo em vantagem no placar, o São Paulo manteve a pressão e tratou de golear o adversário. O lateral-esquerdo Carleto, aos 27, usou a perna direita para anotar o terceiro gol da equipe e fazer a festa da torcida tricolor.

E para garantir a noite de gala do São Paulo, o atacante Luis Fabiano contou com a sorte para marcar o quatro gol e tirar mais um grito de gol da garganta do torcedor. Aos 29, o Fabuloso bateu rasteiro, a bola tocou na trave e voltou nas costas do goleiro vascaíno, que nada pôde fazer.  Os visitantes ainda anotaram o tento de honra, aos 37 minutos, com Dakson, mas não conseguiram impedir a festa da torcida são-paulina nas arquibancadas, que ainda viu o quinto gol com Luan, aos 39, contra.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 5 X 1 VASCO

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 29 de maio de 2013 (quarta-feira)
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Márcio Chagas da Silva (RS)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Nadine Bastos (SC)
Cartões amarelos: Denilson (São Paulo); Fellipe Bastos (Vasco)
Público: 8.079 pagantes
Renda: R$ 204.060,00

Gols: SÃO PAULO: Luis Fabiano, aos 15 e aos 29 minutos do segundo tempo; Aloísio, aos 23 minutos do segundo tempo; Carleto, aos 27 minutos do segundo tempo; e Luan (contra), aos 37 minutos do segundo tempo
VASCO: Dakson, aos 39 minutos do segundo tempo

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Lúcio, Paulo Miranda e Carleto; Rodrigo Caio, Denilson (Wellington) e Roni (Maicon); Silvinho (Aloísio), Osvaldo e Luis Fabiano Técnico: Ney Franco

VASCO: Michel Alves, Nei, Luan, Renato Silva e Yotun; Sandro Silva, Fellipe Bastos (Pedro Ken), Wendel (Dakson) e Alisson; Eder Luis e Tenório (Edmilson) Técnico: Paulo Autuori

Via Gazeta Esportiva

Gols

Relacionados

Ceni quer equipe com ‘espírito de Aloísio’

Ney Franco vê Tricolor na briga pelo título

Após noite de gala, Luis Fabiano afirma: ‘vivo de gols’

***(*) ******(*)

Ponte Preta 0x2 São Paulo

26/05/2013

O Tricolor começou o Campeonato Brasileiro 2013 com o pé-direito e como o técnico Ney Franco queria. Na tarde deste domingo (26), no Estádio Moisés Lucarelli, o São Paulo venceu a Ponte Preta por 2 a 0, com gols de Lúcio e Jadson, e somou os primeiros três pontos na competição nacional.

Durante a semana, no Centro de Formação de Atletas Laudo Natel, em Cotia, o treinador são-paulino afirmou que seria fundamental abrir a participação da equipe no Brasileirão com um triunfo. E com a bola rolando, em Campinas, os jogadores assimilaram as palavras do comandante e trataram de garantir a vitória.

No esquema tático 4-3-3, o Tricolor pôde contar com o retorno do atacante Osvaldo, recuperado de um trauma no quadril, e começou o jogo com Denis; Douglas, Lúcio, Edson Silva e Carleto; Denilson, Rodrigo Caio e Jadson; Silvinho, Luis Fabiano e Osvaldo.

TRICOLOR ABRE VANTAGEM

Mesmo atuando longe do Morumbi, o São Paulo pressionou os anfitriões e criou as melhores jogadas desde os primeiros lances do jogo. Com apenas 40 segundos, Carleto arriscou da entrada da área e levou perigo. Pela esquerda, o Tricolor criava as melhores jogadas e encurralava a equipe pontepretana.

Dessa forma, as redes logo balançaram no interior paulista. Aos 8 minutos, Lúcio aproveitou cobrança de escanteio, testou firme e abriu o placar no Moisés Lucarelli. Empurrado por sua torcida, o rival até investia contra a defesa são-paulina, mas parava nas mãos do goleiro Denis.

Com Silvinho bem aberto pela direita e Osvaldo pela esquerda, o São Paulo construía as melhores jogadas na partida e, assim, conseguiu ampliar a vantagem. Aos 42 minutos, o camisa 22 foi derrubado na grande área e o árbitro assinalou pênalti. Jadson converteu com categoria e anotou o segundo gol do jogo antes do intervalo.

EQUIPE SEGURA O RESULTADO

No segundo tempo, satisfeita com o resultado longe de seus domínios, a equipe são-paulina administrou a vantagem e sobe conter os ataques da Ponte Preta. Em tarde inspirada, Denis praticou boas defesas e garantiu que o Tricolor não sofresse gols na cidade campineira.

Aos 13 minutos, Edson Silva recebeu o segundo cartão amarelo e acabou expulso. Com apenas dez homens em campo, o São Paulo se fechou no campo defensivo e se segurou como pôde. Ainda assim, criou boas jogadas e, por pouco, não conquistou uma vitória mais elástica.

Nas bolas paradas, a equipe ainda criou boas oportunidades, mas as redes não balançaram novamente no Estádio Moisés Lucarelli e o duelo terminou 2 a 0. Na próxima rodada do Brasileirão, embalado pelo triunfo contra a Ponte Preta, o Tricolor receberá o Vasco no Morumbi, no dia 29.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
PONTE PRETA 0 X 2 SÃO PAULO

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data: 26 de maio de 2013, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Vinícius Furlan (SP)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon e Daniel Paulo Ziolli (ambos de SP)
Cartões amarelos: Rildo e William (Ponte). Lúcio, Paulo Miranda, Wellington e Rodrigo Caio (São Paulo)
Cartão vermelho: Edson Silva (São Paulo)
GOLS: SÃO PAULO: Lúcio, aos 8, e Jadson, aos 44 minutos do primeiro tempo

PONTE PRETA: Edson Bastos; Cicinho, Cleber, Diego Sacoman e Uendel (Rodrigo Biro); Baraka (Alemão), Magal, Chiquinho e Ramírez; Rildo (Éverton Santos) e William Técnico: Guto Ferreira

SÃO PAULO: Denis; Douglas, Lúcio, Edson Silva e Carleto; Rodrigo Caio, Denilson e Jadson; Silvinho (Paulo Miranda), Osvaldo (Wellington) e Luis Fabiano (Aloísio) Técnico: Ney Franco

Via Gazeta Esportiva

Gols

Relacionados

Bastidores de Ponte Preta x São Paulo

Paulo Miranda valoriza dupla da zaga com Lúcio

Visitante indigesto

Luis Fabiano afirma: “quero um título e não vou desistir”

***(*) ******(*)

Londrina 1×2 São Paulo

22/05/2013

O Tricolor bateu o Londrina, por 2 a 1, na noite desta quarta-feira (22), no Estádio do Café, e mostrou que está pronto para a estreia do Campeonato Brasileiro 2013. No amistoso, que marcou a entrega das faixas ao anfitrião, campeão do interior paranaense, o técnico Ney Franco pôde testar os novos contratados e os jovens promovidos da base.

Com gols de Luis Fabiano e Roni, Neílson descontou, o São Paulo bateu o adversário e, agora, medirá forças contra a Ponte Preta no próximo domingo (26), no estádio Moisés Lucarelli, na rodada de abertura da competição nacional.

Antes de a bola rolar no Café, o meia Jadson foi homenageado e recebeu uma placa. Natural de Londrina, ele é o orgulho dos habitantes da cidade por ter sido convocado pelo técnico da Seleção Brasileira, Luiz Felipe Scolari, para a disputa da Copa das Confederações.

FABULOSO ABRE O PLACAR

Com a bola rolando, sem poder contar com o goleiro Rogério Ceni (dores no pé direito), o zagueiro Rafael Toloi (lesão na coxa esquerda), o atacante Osvaldo (que sofreu uma pancada no quadril) e o meia Paulo Henrique Ganso (com uma lesão na coxa esquerda), o treinador tricolor escalou o time com Denis; Douglas, Lúcio, Edson Silva e Carleto; Denilson, Rodrigo Caio, Maicon e Jadson; Silvinho e Luis Fabiano.

Logo no começo do jogo, o Fabuloso tentou de letra e, por pouco, não abriu o placar. O Londrina respondeu com uma bola no trave, em chute de Bruno, mas foi a equipe são-paulina quem tirou o zero do marcador.

Aos 18 minutos, o camisa 9 aproveitou cruzamento de Carleto, pela esquerda, e testou firme para bater o goleiro Danilo. Após o tento são-paulino, o duelo esfriou, apesar de ambas as torcidas empurrarem as equipes, e as redes não balançaram novamente até o intervalo.

CHANCE PARA OS NOVATOS

Em vantagem no placar, Ney Franco aproveitou o segundo tempo do amistoso para testar os recém-contratados Mateus Caramelo e Roni, que vieram do Mogi Mirim, os jovens Diego, Allan, Lucas Evangelista e Régis, formados na base do clube, e o lateral-esquerdo Juan, reintegrado ao grupo.

Melhor no jogo após as alterações, o São Paulo logo ampliou o marcador. Aos 11 minutos, o meia-atacante Roni acertou um belo chute e anotou o segundo gol do duelo. Três minutos depois os anfitriões descontaram, com Neílson, mas a vitória ficou com a equipe tricolor, que soube administrar o resultado até o apito final e contou com uma grande defesa de Léo impedindo o empate.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
LONDRINA 1 x 2 SÃO PAULO

Local: Estádio do Café, em Londrina (PR)
Data: 22 de maio de 2013 (quarta-feira)
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Paulo Roberto Alves Júnior
Assistentes: Aristides Pereira Silva Júnior e Diego Schitkovski
Cartões amarelos: Douglas (São Paulo); Dirceu (Londrina)

Gols: LONDRINA: Neílson, aos 14 minutos do segundo tempo
SÃO PAULO: Luis Fabiano, aos 18 minutos do primeiro tempo, e Roni, aos dez minutos do segundo tempo

LONDRINA: Danilo; Maicon, Gilvan, Dirceu e Wendell, Diego Roque (Sílvio), Bruno (Serginho Paulista), Germano e Andé Lima (Murilo); Wéverton (Baiano) e Neílson (Alexandre Oliveira) Técnico: Claudio Tencati

SÃO PAULO: Denis (Léo); Douglas (Caramelo), Lúcio (Paulo Miranda), Edson Silva (Rhodolfo) e Carleto (Juan); Rodrigo Caio (Wellington), Denilson (Allan), Jadson (Roni) e Maicon (Lucas Evangelista); Silvinho (Regis)(Diego) e Luis Fabiano (Aloísio) Técnico: Ney Franco

Via Gazeta Esportiva

Gols

Relacionados

Ney Franco elogia postura da equipe no amistoso

Homenageado, Jadson vibra com retorno ao Estádio do Café

Estreante pé-quente

Silvinho celebra parceria com Luis Fabiano

Bastidores de Londrina 1 x 2 São Paulo

***(*) ******(*)

Quem Ri Por Último…

15/05/2013

Riquelme

Veja o golaço de Riquelme contra o time do governo.

***(*) ******(*)

Três Toques

10/05/2013

Danette chocolateDanette Brasil – Escrever sobre a palhaçada que a empresa que fabrica este produto fez no Facebook, é fazer exatamente o que eles querem: colocar sua marca em evidência às custas da queda do gigante. Não ia mencionar, mas não consegui deixar pra lá.

Até entenderia a brincadeira se a empresa que fez gracinha fosse parte do contexto, se patrocinasse por exemplo o time mineiro, se desse nome ao estádio de BH, se estivesse envolvido com o jogo.

Não está.

Portanto, além do mal gosto, a tentativa de embarcar no sucesso do maior jogo do ano até aqui foi ridícula e ficou claro a pobreza de espírito do marqueteiro torcedor.  Mais tarde a imagem acima foi retirada e a seguinte retratação foi publicada: “Pedimos desculpas a todos que se sentiram ofendidos com um post equivocado publicado hoje aqui na página da marca. Respeitamos as reações e reforçamos que o conteúdo não reflete nossos valores e atitudes.

Só que agora é tarde. Eu não pretendo consumir mais nenhum produto da marca Danone e sugiro que o amigo que lê isto reflita e faça o mesmo. Não se brinca com 20 milhões de pessoas. Na hora de escolher o que você for levar pra sua casa, lembre-se disso.

Lista de dispensa – Segundo um jornalista da ESPN no twitter, estes jogadores estão sendo dispensados por várias razões:  Cañete, Wallyson e Cortez não estavam se empenhando em treinamentos. Fabrício sempre machucado, teve péssimo custo-benefício, mal jogou. Neste quesisto o Cañete poderia ser incluído, já que ficou mais de um ano se tratando de lesão. Wallyson também foi citado no Diário de São Paulo. Segundo a coluna o jogador é considerado indolente pela diretoria. Em relação aos casos de João Filipe, Luiz Eduardo e Henrique Miranda não descobri porque fazem parte da lista. Os dois últimos devem ser apenas emprestados. Ainda fazem parte dos planos do clube.

Caras de pau – Depois de tudo que falou do São Paulo, o sr. Renê Simões diz que vai mostrar a lista de dispensa Tricolor para o Paulo Autuori ver se alguma coisa serve lá em São Januário. Só falta o São Paulo fazer negócio. Pior foi ver o tal de Brunoro sugerir em tom de galhofa ( só pode ), uma possível troca entre Valdívia e Luis Fabiano. Amigos, se isso acontecer é melhor nós esquecermos o futebol, porque neste caso estariamos entrando na fase um da nossa palestrização rumo ao fundo do poço. O Luis Fabiano tem que ficar.

***(*) ******(*)

Juvenal Abre o Jogo: Jogadores Que Não Rendem, Inveja da Base Sãopaulina e Arapuca Mineira

09/05/2013

***(*) ******(*)

Atlético Mineiro 4×1 São Paulo

09/05/2013

O São Paulo está fora da Libertadores da América 2013. Na noite desta quarta-feira (8), o Tricolor perdeu para o Atlético-MG, no Independência, por 4 a 1, e se despediu da competição continental. Os gols do anfitrião foram marcados pelos atacantes Jô (3) e Diego Tardelli. Luis Fabiano descontou.

Com a rolando, o Atlético-MG criou as melhores jogadas desde os primeiros minutos. Empurrados por sua torcida, os donos da casa pressionaram a equipe são-paulina e logo abriram o placar com Jô, aos 17. O Tricolor reagiu, chegou no ataque, mas parou no goleiro Victor e o resultado não foi mais alterado até o intervalo.

Na volta para o segundo tempo, os mineiros mantiveram a mesma postura e, novamente com Jô, ampliou para 2 a 0. Aos 19 minutos, Diego Tardelli anotou o terceiro e Jô, aos 24, anotou mais um. Sentindo que a equipe não reagia, Ney Franco apostou nas entradas de Ademilson, Maicon e Silvinho, porém, mesmo após as alterações, o São Paulo não conseguiu acuar o adversário.

O Fabuloso até anotou um gol, aos 31 minutos, após rebote do goleiro Victor, mas não conseguiu impedir a derrota são-paulina. Já o atacante Silvinho, recém-contratado, entrou no decorrer do jogo e fez a sua estreia pelo clube.

Contra os mineiros, no duelo válido pelas oitavas de final da Libertadores, o Tricolor não pôde contar com o atacante Osvaldo. No clássico contra o Corinthians, o camisa 17 sofreu um trauma no quadril e não conseguiu encarar o Atlético. No lugar do jogador, Douglas foi o escolhido e formou dupla de ataque com Luis Fabiano, que retornou ao time após quatro jogos de suspensão impostos pela Conmebol.

Para ficar com a vaga, a missão da equipe são-paulina não era fácil. Após perder no Morumbi, na ida, por 2 a 1, o Tricolor precisava derrubar uma invencibilidade de 32 jogos do Atlético-MG na Arena Independência.

Com o fim da participação da equipe no torneio, o técnico Ney Franco terá tempo para trabalhar até o início da disputa do Campeonato Brasileiro, no próximo dia 26, contra a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 4 X 1 SÃO PAULO

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 8 de maio de 2013, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Roberto Silveira (URU)
Assistentes: Carlos Pastorino (URU) e Gabriel Popovits (URU)
Cartões amarelos: Leandro Donizete, Diego Tardelli e Ronaldinho Gaúcho (Atlético-MG); Denilson, Jadson e Maicon (São Paulo)
Cartões vermelhos: Rosinei (Atlético-MG); Carleto (São Paulo)

Gols: ATLÉTICO-MG: Jô, aos 18 do primeiro, aos 17 e aos 24 minutos do segundo tempo; Diego Tardelli, aos 19 minutos do segundo tempo
SÃO PAULO: Luis Fabiano, aos 30 minutos do segundo tempo

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Réver, Gilberto Silva e Richarlyson; Pierre, Leandro Donizete (Josué), Ronaldinho e Tardelli (Rosinei); Bernard (Luan) e Jô Técnico: Cuca

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Paulo Miranda (Silvinho), Rafael Toloi, Edson Silva e Carleto; Wellington, Denilson (Ademilson), Jadson (Maicon) e Ganso; Douglas e Luis Fabiano Técnico: Ney Franco

Via Gazeta Esportiva

Melhores Momentos

Relacionados

Bastidores de Atlético-MG x São Paulo

Tempo para entrosar

Após revés, Ney Franco definirá programação para início do Brasileirão

Abalado, Denilson espera repetir feito de 2012

***(*) ******(*)

1977 – São Paulo Campeão Brasileiro

08/05/2013

1977 Vamos fazer de novoComeçado o jogo, o que se via era um Atlético nervoso, esbarrando na implacável marcação são-paulina enquanto  o São Paulo, sempre nos contra-ataques, levava perigo à meta adversária. As melhores chances do primeiro tempo foram do São Paulo , com Viana cabeceando e obrigando João Leite a fazer grande defesa e com Getúlio cobrando uma perigosa falta em que a bola passou raspando na trave.

No segundo tempo, os dois times têm chances melhores: chute de Paulo Isidoro que culmina em boa defesa de Waldir Perez; Viana disparando na trave atleticana. Assim foi até o fim do tempo regulamentar; o Atlético tentando jogar e o São Paulo não deixando jogar.

Na prorrogação o quadro não se alterou. O empate em 0x0 estava de bom tamanho para nós.

Logo no comecinho do tempo-extra, Chicão cabeceia, a bola vence João Leite, mas encontra Márcio, que, em cima da linha salva os mineiros. Faltando 4 minutos para o encerramento da prorrogação, depois de dividir com Neca, o atleticano Ângelo vai ao solo. Pensando que o adversário estava praticando antijogo, Chicão vai lá e dá um pisão no seu tornozelo, mas bem de leve, mostrando àqueles moleques desmamados do adversário que aquele era um jogo para homens.

Foi o suficiente para Chicão, nos dias subsequentes, ser tratado como vilão em Belo Horizonte, principalmente pelos torcedores e dirigentes atleticanos.

Pura demagogia.

Pouco mais de um ano depois, advinha quem o Atlético contratou junto ao São Paulo ? Sim, Chicão ! E para o lugar de quem ? Sim, de Ângelo !E a sua contratação foi cantada em prosa e verso pelos mesmo atleticanos que outrora o chamaram de covarde.

Termina a prorrogação. Vêm os penaltis. Apesar da superioridade são-paulina, fartamente demonstrada no decorrer do jogo, não conseguimos transformá-la em gols.

Na primeira cobrança, o nosso lateral Getúlio, que foi muito bem nos 120 minutos, desperdiça e joga nas mãos de João Leite. Ziza cobra e converte, 1×0 para eles. Peres marca o seu:1×1. Alves também converte, 2×1.É a vez de Chicão. Ele vai para marca, mas escorrega e a bola vai tranquila na direção de João Leite. O título está praticamente perdido, até que Waldir Peres entra em ação.

Quando Joãozinho Paulista se dirige para sua cobrança, Waldir o provoca, mexe com ele, que acabou chutando por cima. Antenor empata para o São Paulo, 2×2. Agora é Cerezo, e novamente Waldir caminha, diz que Toninho está nervoso demais. Cerezo chuta para fora. Bezerra bate e converte, 3×2.

Falta um penalti para o fim da primeira série , cobrança que caberia ao zagueiro Márcio , o mesmo Márcio que salvou um gol certo de Chicão na prorrogação. Waldir vai até ele , passa a mão em seu traseiro, diz que vai errar… e não é que isso acontece mesmo ? Márcio isola a bola, o São Paulo conquista o seu primeiro título nacional, provando, uma vez mais que para vencer uma decisão é necessário um time de homens, não de meninos.

A taça de 77 fica em boas mãos, em muito boas mãos.

Tantos favoritos e o caneco vai para o Morumbi. Definitivamente, estes especialistas não entendem nada.

Trecho do livro: São Paulo, Dentre os Grandes és o Primeiro – Conrado Giacomini, páginas 158 a 161

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG (2) 0 X 0 (3) SÃO PAULO

Campeonato Brasileiro (1977)
Final – Partida Única
Data: 05/03/1978
Local: Estádio Governador Magalhães Pinto – Mineirão (Belo Horizonte/MG)
Público: 102.974
Renda: CR$ 6.857.080,00
Arbitragem: Arnaldo David Cezar Coelho (ARB).
Pênaltis: Ziza e Alves (CAM); Peres, Antenor e Bezerra (SPFC).

Atlético Mineiro
João Leite; Alves, Márcio, Vantuir e Valdemir; Toninho Cerezo, Ângelo e Marcelo (Paulo Isidoro); Serginho, Caio Cambalhota (Joãozinho Paulista) e Ziza. Técnico: Barbatana

São Paulo FC
Waldir Peres; Getúlio, Tecão, Bezerra e Antenor; Chicão, Teodoro (Peres) e Darío Pereyra; Zé Sérgio, Mirandinha e Viana (Neca). Técnico: Rubens Minelli

Via Baú do São Paulo

Partida Completa e penaltis

.

***(*) ******(*)

Nós vamos conseguir. De novo.

São Paulo 0 (3)x(4) 0 Time do Governo – A Arbitragem, Novamente.

05/05/2013

Vale perguntar. Existe adiantadinha ou adiantadona ?

Não, isso não existe. O que existe é a regra que diz que o goleiro deve estar com os “DOIS” pés em cima da linha de gol até que o cobrador da penalidade toque na bola.

O juiz mandou voltar a cobrança do Pato mas não fez o mesmo na cobrança do Luis Fabiano.

Em ambos os casos os goleiros se adiantaram.

Qual o criterio

Mas não foi apenas isto, tem mais.

Em um mesmo lance, o Romarinho pisou na perna e nas costas do Wellington quando este estava caído no chão. Lance pra vermelho direto, ficou no amarelo.

Romarinho pisa na perna de Wellington e nas suas costas

O Sheik intencionalmente acertou o rosto do Wellington aos 29′ do segundo-tempo e ainda deu uma entrada criminosa – por cima da bola – no Paulo Miranda três minutos depois aos 32′. Para o juiz ele mereceu apenas um amarelo referente ao primeiro lance e depois decidiu não expulsar pela entrada no lateral Tricolor, que foi muito mais violenta.

Emerson acerta rosto Wellington e da entrada forte em Paulo Miranda

Assista.

Tem dúvidas que isto é perseguição de bastidores por conta do caso Madonnão de 2008 ? Há quem diga que não.

Mas a própria diretoria admite que teme arbitragens como foi revelado aqui.

O que me deixa curioso é saber que o erro sempre nos prejudica, enquanto sempre ajuda o outro.

Sempre o mesmo, mesmo quando não é contra o São Paulo.

Até quando ?

***(*) ******(*)

Atualizado 06.05 às 11h55Assista aqui o impedimento inexistente marcado no Luis Fabiano que estava em posição legal e ainda a entrada desleal do Emerson no Denilson aos 42′ do primeiro-tempo. 

São Paulo 0 (3)x(4) 0 Time do Governo

05/05/2013

Nos pênaltis, o São Paulo acabou eliminado pelo Corinthians na semifinal do Campeonato Paulista. Após empate sem gols durante o tempo regulamentar, o rival levou a melhor nas cobranças de pênalti e venceu por 4 a 3.

Durante os 90 minutos, a equipe são-paulina pressionou o adversário e procurou o gol desde os primeiros minutos. Porém, encontrou um rival disposto a levar o duelo para as penalidades. Dessa forma, as redes não balançaram e o duelo ficou no 0 a 0.

DONO DO JOGO

Com Luis Fabiano na referência do ataque, o São Paulo criou as melhores jogadas e acuou o Corinthians no campo de defesa. Pressionado, o rival pouco atacou no primeiro tempo e o goleiro Rogério Ceni quase não trabalhou.

Melhor durante toda a primeira etapa, o Tricolor sofreu uma baixa logo aos 11 minutos de jogo. Lesionado, após um choque acidental com a defesa adversária, o atacante Osvaldo deixou o gramado do Morumbi e deu lugar ao lateral-direito Douglas, que completou o sistema ofensivo da equipe ao lado de Luis Fabiano.

Com a bola rolando, as principais oportunidades de gol goram do São Paulo. Aos oito minutos, o Fabuloso fintou o marcador e arriscou de fora da área. O chute saiu forte e o goleiro Cássio teve que espalmar para evitar que o zero saísse do placar.

Empurrados pela torcida, os comandados do técnico Ney Franco criaram uma oportunidade atrás da outra. Denilson, de fora da área, e novamente Luis Fabiano, após belo passe de Paulo Henrique Ganso, passaram perto de anotar o primeiro jogo do confronto. No entanto, o chute do volante passou rente a trave enquanto que o do camisa 9 parou no sistema defensivo rival.

Aos 36 minutos, Luis Fabiano até balançou as redes. Porém, a arbitragem assinalou impedimento do centroavante, que anotaria o seu 13º gol na temporada. Dessa forma, as equipes foram para o vestiário no zero a zero.

TRICOLOR X RETRANCA

Na volta para a segunda etapa, o Tricolor manteve a mesma postura do primeiro tempo. Superior, o São Paulo manteve a pressão e sufocou o Corinthians. Aos 20 minutos, Paulo Miranda aproveitou cobrança de falta Jadson e testou com perigo. Cássio se esticou todo e mandou para escanteio.

Buscando a tabela, Ganso e Jadson trocaram inúmeros passes e tentaram furar o bloqueio do Corinthians. Bem aberto pela direita, Douglas, na velocidade, também investia contra o adversário, mas esbarrava na retranca corintiana.

Apesar das tentativas da equipe são-paulina, que sofreu com as duras faltas cometidas pelos atletas do Corinthians, o placar não foi alterado durante os 90 minutos e a decisão para uma vaga na final do Campeonato Paulista foi para os pênaltis.

Nas cobranças, Rogério Ceni, Toloi e Jadson converteram, mas PH Ganso e Luis Fabiano não. Alessandro também perdeu para o rival, chutando na trave, mas os visitantes venceram por 4 a 3.

REAPRESENTAÇÃO

O Tricolor volta a treinar na próxima segunda-feira à tarde, no CT da Barra Funda, visando o confronto com o Atlético-MG. A equipe enfrenta os mineiros na quarta-feira (08), às 22h, pelo jogo decisivo das oitavas de final da Libertadores.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 0 (3) X (4) 0 CORINTHIANS

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 5 de maio de 2013, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Antônio Rogério Batista do Prado
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho e Ricardo Pavanelli Lanutto
Assistentes adicionais: Vinícius Furlan e Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral
Público: 29.475 pessoas
Renda: R$ 973.500,00
Cartões amarelos: Rafael Toloi (São Paulo); Romarinho, Emerson, Alessandro (Corinthians)

Pênaltis: SÃO PAULO: Rogério Ceni, Rafael Toloi e Jadson converteram; Ganso e Luis Fabiano desperdiçaram
CORINTHIANS: Douglas, Romarinho, Fábio Santos e Alexandre Pato converteram; Alessandro desperdiçou

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rafael Toloi, Edson Silva e Carleto; Wellington, Denilson, Jadson e Ganso; Osvaldo (Douglas) e Luis Fabiano Técnico: Ney Franco

CORINTHIANS: Cássio; Alessandro, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Emerson (Douglas), Romarinho e Danilo; Guerrero (Alexandre Pato) Técnico: Tite

Via Gazeta Esportiva

Gols

Relacionados

Bastidores de São Paulo x time do governo

São-paulinos prontos para nova batalha

São Paulo aguarda recuperação de Osvaldo

***(*) ******(*)

Roubar no Paulistinha ? Fala Sério Travesti…

05/05/2013

Vai tentando Travesti

***(*) ******(*)