Rapidinhas do Lina

Sulamericana – Meu Deus, quantos gols nós perdemos em Santiago ! Imagina se isso fosse jogo de Libertadores ? Agora a Universidad Católica virá fechadinha, esperando pra jogar nos contra-ataques. Se eles fizerem um, vão fechar mais ainda na esperança de levar o jogo para os pênaltis. Haja coração no Morumbi na quarta-feira.

Reposição – Uma coisa ficou muito clara neste jogo contra a Universidad. O São Paulo teve dois momentos no jogo: um com o Lucas e outro sem. É nítida a diferença de performance do time. No ano que vem, o São Paulo vai ter que trazer alguém a altura. O problema é, quem ? Montillo ?  Pelo menos foi o que disse o Lanche no domingo…

Ganso – Mesmo feliz por ver o jogador desde o início do jogo em Campinas, ele esteve apagadão, deu até sono. O próprio Ney Franco disse que ele está bem abaixo do resto do time em relação a preparo físico e ritmo de jogo. Em todo caso, ele foi contratado mesmo pra jogar em 2013, na Libertadores e vai arregaçar, tenho certeza. Mas  mesmo não estando em plena forma, quase ele faz um golaço por cobertura no Moisés Lucarelli, imagina quando a fera estiver no auge…

Roger – Isso não vai acontecer, mas o Roger ainda joga muita bola. Pra um time que precisa de um centro-avante matador pra ser substituto do Fabuloso em suas possíveis convocações e ausências, e com a iminente saída do WJ, por quê não pensar neste jogador ? Eu gosto muito do futebol dele e ao que parece a Ponte vai dispensá-lo ao final da temporada, como ele revelou ao repórter de campo da Jovem Pan em entrevista pós-jogo.

Dá até pena – O quê esperar de um time que perde para o último colocado jogando dentro de casa ? Foi o que aconteceu com o bi-rebaixado da turiassú domingo no Pacaembú. Imagina então no ano que vem quando tiver o Asa de Arapiraca pela frente. Vai ser engraçado…

Mano fora – Quanto tempo o tal de Mano Menezes ficou na seleção ? Dois anos, não sei ao certo. Depois de todo este tempo, convocando jogadores de qualidade duvidosa e pior, convocando jogadores de clubes em momentos importantes ( em véspera de clássicos por exemplo ), ele só conseguiu arrumar o time agora. Ou seja, demorou pra cumprir a função a qual era bem pago pra fazer. O Marin tomou a decisão correta, menos para a crônica esportiva. Para eles o Marin perdeu a copa do mundo de 2014. Navegue por ai e veja o ufanismo às avessas dos jornaleiros advinhos. Será que o quê o tal de Mano fez, o Scolari não faz mais rápido e melhor ? Ou o Tite ? Ou mesmo o Muricy ? Dá um tempo vai.

Só falta um – Houve um tempo em que eu amei a seleção brasileira. Era um nó na garganta quando ouvia o hino, me alegrava saber que jogadores do São Paulo eram chamados pra defender o time da camisa amarela. Com o passar do tempo isso mudou. O amor virou indiferença, a indiferença virou revolta e depois asco. O São Paulo foi muito perseguido pelo nefasto. Agora, as coisas estão mais tranquilas, o nefasto fugiu, saiu o Mano e ao que tudo indica, o último resquício daquele tempo de trevas deve anunciar sua saída esta semana. Eu já não tenho asco, já não ignoro mais a camisa amarela e confesso, estou louco pra vesti-la outra vez, é só embrulhar o lixo e jogar fora pra gente ser feliz.

Entram Raí e Milton Cruz – Saem os travecos entram os tricolores. Pelo menos o ar na CBF vai ficar digamos, mais respirável. Brincadeiras a parte, não acho uma boa idéia colocar tanta gente ligada ao São Paulo por lá. Isto é, caso o que vem sendo ventilado na imprensa aconteça realmente. Vão falar o São Paulo vai ser beneficiado e etc. Como se o Tricolor precisasse de ajuda de alguém pra conseguir seus objetivos: estádio, patrocínio e etc. Em todo caso, se preparem, porque o chororô vai ser gigante.

Caixa Econômica Federal – O jornalista marrom escreveu bobagem de novo neste domingo na Folha de São Paulo. Imaginem, comparou BMG ( banco privado ) com CEF ( banco público ). Disse que o poder de comunicação que o time dele tem, os outros não têm. Oras, por quê então apelou para o padrinho ? O time com tanta visibilidade não foi capaz de arrumar sozinho um patrocínio pra camisa, precisou de ajuda, detalhe, é o atual campeão da libertadores e vai para o Japão em dezembro, o que por si só já atrairia investidores, mas nem assim… É por isso que eu falo que aquilo ali não passa de marketing, não passa de mentira, não passa de balela. É fraude, farsa. Idiotas são os que engolem e não criticam estas bobagens que jornalistas torcedores escrevem por ai.

Caixa Econômica Federal 2 – Mas o pior não é isso. Quem tem dívidas com o FISCO, não pode receber dinheiro público. O clube da marginal estaria apto a receber o patrocínio ? Segundo o jornalista José Cruz, de todos os times consultados sobre uma suposta “ficha suja”, o São Paulo FC foi o único que retornou com a certidão negativa, ou seja, provou que tem o nome limpo. Os “outros clubes” segundo ele diz no texto, que no caso é o clubinho da marginal, não respondeu. Então o que temos aqui é o seguinte, além de imoral ( dinheiro público novamente investido em um clube privado ), é ilegal. E assim caminha este grande acampamento que chamam de país.

Incentivo fiscal – Neste mesmo post do José Cruz, ele diz que o São Paulo recebeu dinheiro público, R$ 26 milhões. É bom esclarecer uma coisa. Incentivo fiscal passa longe de injeção de dinheiro público. O incentivo fiscal é uma lei. Ponto. Funciona da seguinte maneira. O clube interessado em captar recursos, apresenta o seu projeto a iniciativa privada. Os empresários então interessados em patrocinar o projeto, receberão desconto nas suas obrigações conforme a lei de incentivo. O dinheiro que entra no cofre dos clubes é privado e não público. Existe uma diferença gigante entre os dois casos. Além do que, vários clubes já receberam dinheiro desta forma. Não é ilegal e nem imoral, portanto não cabe a comparação.

***(*) ******(*)

Anúncios

11 Respostas to “Rapidinhas do Lina”

  1. Marcelo Abdul Says:

    O que o sapo Cururu fez com a seleção nesses últimos anos foi imperdoável. Ele praticamente transformou a seleção em um feudo nojento e político. Também me tornei indiferente a seleção (olha que isso pra mim foi muito difícil.). Mas parece que as coisas vão melhorar.

    Acho nojento que jornalistas renomados justifiquem o patrocínio público para times de futebol com outros exemplos como o Juca Kfouri e José Cruz. Na verdade todos estão errados. O futebol é privado. Deveria seguir as leis do mercado. Patrocínio estatal só coloca as coisas em pé de desigualdade e camufla a incompetência do cartolas.

    Por quantos anos a Petrobrás financiou a ingerência dos cartolas flamenguistas? E a Eletrobrás que apesar de injetar milhões no Vasco vê o clube atrasar salário de seus funcionários por causa da incompetência do Roberto Biribinha?

    Investimento privado dá certo sim. No passado a Parmalat foi a principal responsável pelo Palmeiras sair da fila de títulos. Ela que tinha a grana e ela que mandava. Foi só ela sair para nós testemunharmos a imensa incompetência de Mustafá Contursi e o Palmeiras afundar duas vezes.

    O Fluminense hoje só é campeão por causa da grana da Unimed. Saiu da terceira divisão ( de uma maneira excusa é verdade) mas ganhou dois títulos brasileiros em 3 anos e chegou a final das duas maiores competições da América do Sul.

    Patrocínio estatal dá margem a ingerência. Ninguém sabe quem financia e pra onde vai o dinheiro, pois ele chega na mão de muitos intermediários. É tudo ilusório. Quando o Lulismo secar vai acabar a farra do time estatal. O Dínamo Corinthians. Pois é camarada. Ops…companheiro.

    Lina: Estas ajudas ao clube da marginal estão deixando até os travestis envergonhados. Eles já não sabem mais o que fazer pra defender. Por isso que sai estas bobagens de BMG e CEF, visibilidade e etc. Quero ver o Brasil na copa, mas isso apenas se os lixos forem jogados na rua. Caso contrário, já tenho a minha seleSão.

    • Alemão Says:

      Dinheiro público em clube de futebol jamais.
      Querem copiar o modelo da Espanha, país falido no Brasil.

  2. Franklin Says:

    Lina, o Roger teve duas oportunidades no São Paulo e desperdiçou. Não merece voltar não.
    Estranho esta capa do Lance com o Montillo pra 7. Não tem nada a ver, o Montillo é meia e tem ao meu ver características bem diferentes das que o Lucas têm.
    Acho que é capa pra vender jornal, nada mais.

    Lina: Pode crer, o Roger vacilou. Quanto ao Montillo também estranhei, já que no Cruzeiro ele é meia armador…

  3. Henrique Soberano Says:

    Os travecos não podem receber o patrocínio, devem para o INSS.

    Para receber patrocínio da Caixa, Corinthians usa Parque São Jorge como penhora
    Rodrigo Mattos
    Do UOL, em São Paulo

    Comentários 127

    Penhoras sobre o Parque São Jorge são os trunfos do Corinthians para evitar execuções fiscais e receber em dia pelo contrato de patrocínio com a Caixa Econômica Federal. Uma parte da sede do clube já está apresentada como garantia em ações na Justiça Federal de cobranças de órgãos do governo.
    LEIA MAIS

    Participação no Mundial pesou para Caixa fechar o patrocínio com Corinthians
    Cartolas corintianos protagonizam gafes e discursos inusitados ao apresentar patrocínio
    Corinthians confirma que receberá R$ 30 milhões por ano da Caixa e R$ 1 milhão já em 2012
    Corinthians e Caixa negam influência do governo e de Lula no patrocínio ao clube

    Explica-se: para receber recursos federais, empresas ou entidades têm que estar com as dívidas com a União regularizadas. Com a situação normalizada, obtêm CNDs (Certidões Negativas de Débitos), imprescindíveis, por exemplo, para ganhar o patrocínio do banco federal.

    O Corinthians conseguiu esses documentos no meio deste ano. Mas ainda correm na Justiça Federal pelo menos sete execuções fiscais contra o clube. Três desses processos são novos, iniciados em 2012, e totalizam R$ 20 milhões em cobranças por contribuições previdenciárias ao INSS.

    Quando concluídos, podem acarretar na perda da CND e consequentemente na interrupção do pagamento do patrocínio estatal ao clube alvinegro.

    Mas o clube já traçou uma estratégia para rebater isso: apresentará o Parque São Jorge como garantia de quitação do débito enquanto as ações estiverem em curso. A sede do clube já está penhorada em um processo de R$ 40 milhões, mas seu valor ultrapassa R$ 200 milhões, segundo avaliação do clube.

    “Temos uma folga grande de bens para apresentar à penhora. Se sofrermos a execução, é só apresentar o bem, assim mantemos a certidão negativa enquanto há discussão sobre o débito. Se o clube perder a ação em definitivo, paga a dívida”, explicou o advogado do clube Luiz Felipe Santoro.

    Ver em tamanho maior
    Qual é a camisa mais bonita da história do Corinthians?

    Foto 3 de 23 – Uniforme do Corinthians em 1937, com detalhes em preto na manga e na gola Reprodução Arquivo

    A Caixa Econômica só fechou com o Corinthians após se certificar de que o clube tinha todas as certidões negativas. O clube tem um passivo fiscal registrado em balanço de cerca de R$ 50 milhões.

    “Fazemos o que está previsto pela lei; analisamos (a situação do Corinthians) em relação aos tributos federais”, explicou o diretor de marketing da Caixa, Clauir dos Santos.

    Ele explicou também que outros 20 clubes tentaram negociar patrocínio com a Caixa. Não foi possível, porém, fechar acordo com a maioria deles, exatamente pela falta de regularização fiscal. Ou seja, os clubes tinham dívidas ativas com o governo federal que os impedia de assinar o contrato e de receber o dinheiro.

    Clubes como Flamengo, com a Petrobras, e Vasco, com a Eletrobras, ficaram meses sem receber seus patrocínios por falta da CND.

    http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/11/21/para-receber-patrocinio-da-caixa-corinthians-usa-parque-sao-jorge-como-penhora.htm

    Lina: É brincadeira…

    • Marcos Tri Says:

      Como diz o ditado.
      Quem tem padrinho não morre pagão.

    • Alemão Says:

      Como é que vão dar dinheiro pra estes caras se eles não pagam nem o INSS ?
      Ainda que tenham colocado a fazendinha como garantia, eles ainda são devedores !
      Puta vergonha de ser brasileiro.
      Vão dar dinheiro público logo pra quem não merece e arrota grandeza na mídia.

  4. Henrique Soberano Says:

    Por patrocínio, Corinthians negociou dívida com governo, mas ações judiciais ameaçam repasses
    Gustavo Franceschini, Rodrigo Mattos e Vinícius Segalla
    Do UOL, em São Paulo

    Comentários 99

    O contrato de patrocínio com a Caixa Econômica Federal só foi possível porque o Corinthians conseguiu regularizar a sua situação fiscal no meio do ano. Mas ainda há ações fiscais em curso na Justiça Federal com cobranças à equipe alvinegra que podem gerar problemas para a parceria no futuro. A dívida do clube com órgãos de governo federal gira em torno de R$ 50 milhões pelo registro no balanço financeiro da agremiação.

    Para receber dinheiro de estatais, empresas ou entidades esportivas têm que obter uma CND (Certidão Negativa de Débito), documento que prova que estão sem dívidas pendentes com órgãos federais. Ou seja, o Corinthians só obteve a certidão negativa porque seus débitos estão negociados e parcelados, ou com garantias apresentadas para seu pagamento. O Vasco, no caso da Eletrobras, e o Flamengo, com a Petrobras, já ficaram com seus pagamentos de patrocínio retidos por não terem esse certificado.

    O time do Parque São Jorge, que fechou contrato entre R$ 30 milhões e R$ 35 milhões com o banco federal, não tinha essa documentação até o meio deste ano porque entrou fora do prazo na Timemania, programa do governo federal para parcelar as dívidas com a União das equipes de futebol. Pelo programa, os clubes recebem parte dos valores arrecadados pela loteria Timemania, e devem utilizar o dinheiro para quitar débitos com o governo.

    O balanço do Corinthians do final de 2011 registrava recebimento de dinheiro da loteria, mas ainda não tinha fechado todo o parcelamento dos tributos.

    “Fizemos uma ação para regularizar isso. O objetivo não era o contrato de patrocínio que nem existia na época. A intenção era fazer apresentar um projeto para a Lei de Incentivo ao Esporte”, explicou o advogado do clube Luiz Felipe Santoro, que explicou que um escritório de tributaristas cuida da questão.

    O programa apresentado pelo clube para o governo federal é para viabilizar o CT (centro de treinamento) da divisão de base do Corinthians. O projeto já foi oficializado e será analisado em breve por uma comissão do Ministério do Esporte.

    Outra providência foi tentar resolver as execuções fiscais que sofre na Justiça Federal. “Foram apresentados bens à penhora”, explicou Santoro, sem saber precisar quais bens foram apresentados.

    Ver em tamanho maior
    Qual é a camisa mais bonita da história do Corinthians?

    Foto 20 de 23 – Camisa do Corinthians em comemoração ao centenário do clube; branco e dourado é inovação Divulgação

    Na Justiça Federal, constam sete execuções fiscais contra o Corinthians em curso – há outras diversas suspensas ou já terminadas. Algumas delas estão perto de serem suspensas. Mas há três processos recentes que podem ser particularmente problemáticos para o clube.

    São ações de execução por dívidas relativas a cobranças de contribuição previdenciárias, todas iniciadas neste ano contra o Corinthians pela Procuradoria de Fazenda. O total do valor cobrado é de R$ 20,2 milhões.

    Uma das ações foi iniciada na 9ª Vara Federal com cobrança em um valor de R$ 9,4 milhões. As outras execuções são por conta do mesmo tipo de débito e têm valores de R$ 6,6 milhões e R$ 4,2 milhões.

    Havia uma pressão sobre o departamento de marketing do Corinthians para que fosse fechado um patrocínio master para sua camisa. O clube demorou mais de um semestre para substituir a Hypermarcas, e isso só foi possível por meio de uma estatal. Corinthians e Caixa Econômica darão mais detalhes do patrocínio nesta terça-feira.

    Por enquanto, a Caixa informa que, desde julho deste ano, passou a patrocinar clubes de futebol, entrando, assim, em um mercado em que alguns de seus concorrentes já atuam, como Bradesco (Penarol-AM), Itaú (seleção brasileira) e Santander (Neymar). “A Caixa patrocina o Figueirense Futebol Clube, que está na série A, e mais 2 times da série B (Avaí Futebol Clube e Clube Atlético Paranaense)”, informou o banco, acrescentando que seu orçamento em 2012 para patrocínios esportivos supera R$ 100 milhões.

    O UOL Esporte pediu à Caixa, empresa 100% pública, que disponibilizasse à reportagem os contratos firmados com os quatro clubes de futebol que patrocina. A assessoria de comunicação do banco, porém, informou que “não conseguiria disponibilizar os contratos”.

    http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/11/20/com-divida-de-r-50-mi-corinthians-regularizou-situacao-fiscal-antes-de-fechar-com-a-caixa.htm

    Lina: Transparência zero.

  5. Henrique Soberano Says:

    Aqui a opinião do Juca Kfouri em 2008 sobre outros patrocínios estatais… Bem diferente do que fala agora.

    11.12.2008 – 16:10
    Vasco Eletrobrás

    Juca Kfouri

    Tinha a impressão de que o excelente contrato do Vasco com a Eletrobrás se inscrevia entre aqueles que as estatais fazem para concorrer com a iniciativa privada, ou seja, que era bom para ambos os lados dada a força da marca cruzmaltina e até disse isso ontem, no CBN EC.

    Mas a Eletrobrás hoje nada mais é do que um banco de fomento, pois não opera nada.

    Quem faz a geração são Furnas, Eletronorte, Eletrosul e Chesf.

    A distribuição é feita pelas distribuidoras.

    A Eletrobrás hoje só administra mesmo na ponta as falidas Cepisa, Cemar e Ceam.

    Em suma, não há nada que justifique tecnicamente um patrocínio ao futebol.

    Nada.

    Seria o mesmo que o BNDES patrocinar algum time.

    A Petrobras no Flamengo ainda se justifica, pois a empresa tem operações na ponta.

    No caso do Vasco, é politicagem pura.

    E com nosso dinheiro.

    http://blogdojuca.uol.com.br/2008/12/vasco-eletrobras/

    Lina: O caso da CEF é parecido com o da Petrobrás. Ele é contra o casa da Eletrobrás, que não vende nada, só administra.

    • Luiz Ferreira Says:

      A Petrobrás é uma empresa de capital misto.
      Não pode ser comparada a Caixa Econômica Federal que é 100% estatal.
      Nenhum dos casos acima é parecido com o que estamos falando.

      Lina: Não é mas, não por isso. O problema do patrocínio diz mais respeito a legalidade e moralidade do negócio e menos ao tipo de capital das empresas em questão.

  6. Marcos Tri Says:

    Lina, se você refletir, vai ver que o Palmeiras tem tudo pra cair pra série C em 2014.
    Eles vão ter que montar 2 times, um para o brasileiro e outro pra Libertadores.
    Com quê dinheiro ?

  7. Everaldo Says:

    Acabei de ler que o Lula quer ser governador de São Paulo.
    A resposta o povo vai dar nas urnas, ainda mais o povo paulista.
    Povo paulista, porque o paulistano já se mostrou um bunda mole.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: