Só Quem Nunca Caiu Pode Tirar Sarro dos Verdes

Salve Soberania !

Caiu o guarani da turiassú.

Já estava certo que isto iria acontecer mas ontem, dia 18.11.2012, confirmou-se matematicamente o que todos já esperavam. Um clube mal administrado, com problemas políticos internos graves e uma gestão em relação ao futebol quase amadora, levaram o clube da Lapa ao seu segundo rebaixamento em 10 anos.

Mas o clube verde não é o único que caiu em São Paulo como todos sabemos. O que talvez muitos não saibam, é que o clubinho da marginal que já caiu uma vez de fato em 2007, se aproveitou da bagunça que sempre reinou no futebol brasileiro para se livrar do rebaixamento em 2000 e com medo de cair no campeonato paulista de 1987, agiu nos bastidores – coisa corriqueira na sua história – para mudar o regulamento com o campeonato em andamento.

Com este passado nada exemplar,  esta gente tem a cara de pau de tirar sarro do clube verde, como se tivessem “envergadura moral” para isso. Não têm, como será comprovado nas linhas a seguir.

Campeonato Paulista de 1987 – Virada de mesa: só pra garantir.

O regulamento do campeonato paulista de 1987 previa que “na primeira fase, todos enfrentavam todos, em dois turnos, com pontos corridos. Depois, os quatro primeiros colocados jogavam as semifinais (primeiro contra quarto, segundo contra terceiro) e as finais, em dois jogos. Caso a mesma equipe vença os dois turnos será declarada campeã.“ Em relação ao rebaixamento, cairiam as quatro últimas equipes na classificação.

A seis jogos do fim da primeira fase, o time da marginal tinha campanha pífia com 8 pontos em 13 jogos disputados.

No dia que antecedia o clássico contra o São Paulo, o então presidente do clube da marginal, sr. Vicente Mateus, é assunto de uma matéria publicada no jornal Folha de São Paulo em que dizia: “Corinthians não cai, mesmo ficando nos últimos lugares.” Imagem acima.

O primeiro-turno termina com o time da marginal em último lugar na tabela de classificação: 14 pontos em 19 jogos disputados. O regulamento então é alterado, deixando apenas os dois últimos colocados na tabela de classificação condenados ao descenso.

O clube da marginal se recupera no segundo-turno e se classifica para as finais do campeonato que foi vencido pelo São Paulo.

Taça João Havelange 2000 – Rebaixado moralmente.

Segundo os jornais da época, este torneio natimorto foi a solução encontrada pelo clube dos 13 para resolver uma situação emergencial: o Gama teve vaga na elite do futebol brasileiro assegurada pela justiça. Para incluir o time do distrito federal, o campeonato daquele ano foi organizado em módulos. Como era a casa da mãe Joana, o torneio não previa rebaixamento,  de qualquer forma vale conferir a tabela de classificação ao final do campeonato.

O timinho da marginal teve outra campanha pífia, conseguindo 16 pontos no campeonato, terminando em penúltimo lugar. Pior colocado que o Gama, pivô da bagunça que o futebol havia se transformado naquele ano, com 22 pontos.

Campeonato brasileiro de 2007 – Rebaixado de fato e de direito.

Em 2007 o campeonato brasileiro já vivia seus melhores dias. Se não era perfeito, ao menos não existia módulos. A partir de 2003 começou a ser disputado no sistema de  pontos corridos, desde então o regulamento prevê o rebaixamento dos quatro últimos classificados na tabela.

Neste torneio, o timinho da marginal conquistou míseros 44 pontos em 38 jogos.

Bem “caído”.

Sendo assim senhores curicanos, quem pode tirar uma com a porcada é o Tricolor, vocês baixem já a bola e vão consolar seus rivais.

***(*) ******(*)

Anúncios

21 Respostas to “Só Quem Nunca Caiu Pode Tirar Sarro dos Verdes”

  1. Felipe 6-3-3 Says:

    Um rebaixamento, uma virada de mesa e um penúltimo lugar ?
    Cala a boca gambá !
    kkkkkkkkkkkk

    • Helder Says:

      Virar a mesa é coisa tipicamente galinácea:

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Esc%C3%A2ndalo_Ivens_Mendes

      No dia 7 de Maio de 1997, o Jornal Nacional da TV Globo divulgou gravações de telefonemas que desvendariam um esquema de corrupção dentro da CBF, supostamente envolvendo venda de resultados de jogos de futebol e financiamento de campanhas políticas. O pivô do escândalo foi Ivens Mendes, que era desde 1988 presidente da CONAF (Comissão Nacional de Arbitragem de Futebol), órgão encarregado de escalar árbitros para as competições de futebol organizadas pela CBF.
      Numa das gravações, uma voz, identificada como a de Mendes, pedia 25 mil reais, supostamente ao presidente do Atlético/PR, Mario Celso Petraglia, e ainda insinuava que o seu clube poderia ser beneficiado pela arbitragem no jogo contra o Vasco pela Copa do Brasil. A partida foi realizada no dia 3 de Abril de 1997, em Curitiba, e o Atlético/PR ganhou por 3 a 1, tendo o árbitro Oscar Roberto de Godói expulsado o atacante Edmundo, do Vasco.
      Em outra gravação, a mesma voz pedia ajuda financeira ao presidente do Corinthians, Alberto Dualib, o qual teria inclusive mencionado “um, zero, zero” (cem mil reais) como valor a ser pago.

      O STJD (Supremo Tribunal de Justiça Desportiva) baniu Ivens Mendes do futebol. Os dirigentes Mário Celso Petraglia (Atlético/PR) e Alberto Dualib (Corinthians) foram impedidos de representar seus clubes perante a CBF, mas a decisão não afetou a participação dos mesmos nas respectivas diretorias. O Atlético/PR foi formalmente “suspenso por um ano”, mas não deixou de participar de nenhuma competição em função disso. Apenas começou o Campeonato Brasileiro de 1997 com 5 pontos negativos, como punição por sua participação no escândalo.
      A CBF usou o episódio como pretexto para cancelar o rebaixamento de Fluminense e Bragantino, que haviam sido os últimos colocados no Campeonato Brasileiro de 1996 e deveriam disputar a Série B em 1997. Sem rebaixados, o Brasileirão de 1997 teve 26 clubes, dois a mais que nos anos anteriores.
      Ivens Mendes morreu alguns anos depois do escândalo.

      • Renato Soares Says:

        O futebol brasileiro é uma sujeira, sempre foi.
        Hoje em dia as coisas ficaram um pouco mais discretas, mas o campeonato brasileiro de 2005, de 2010 e de 2011, mostram bem que estamos longe de ter um esporte dito confiável.

  2. Tri-Mundial Says:

    Virada de mesa é ?
    E estas bichas ainda ficam falando do São Paulo em 1990.

  3. Hexa Único Says:

    Então pera aí.
    Além daquela sujeirada toda de 77, 98, 2005, 2009,2010,2011 e 2012, ainda tem virada de mesa e tri-rebaixamento ?
    Nem a máfia tem um currículo tão recheado de “bons serviços”.
    Só me resta dar os parabéns.

  4. Joao Luis Says:

    Sei nao, mas se eu fosse sao paulino nao incluiria “rebaixamento moral” na lista de fracassos dos outros, ainda mais depois de todo o malabarismo que vocês fazem pra negar o rebaixamento de 1990…

    Se na teoria o regulamento de 1990 dizia que nao havia rebaixamento, na pratica os últimos colocados disputariam o campeonato seguinte separados da elite. Ou alguém considera que o Malutron nao disputou a terceira divisão em 2000, apenas porque disputou os mata-matas no mesmo ano?

    O rebaixamento moral existiu, e isso se prova pela repercussão da imprensa e da torcida (comprovada no relato de torcedores ilustres, que na epoca encararam, sim, como rebaixamento).

    Melhor tomar cuidado na hora de expandir o conceito de rebaixamento, ainda mais depois de tanto esforço pra relativizar o de vocês…

    Lina: http://blogdoabdul.wordpress.com/2012/11/14/nero-e-o-futebol/ , http://blogdoabdul.wordpress.com/2010/03/02/republicacao-a-maior-farsa-do-futebol-paulista-em-todos-os-tempos/ . Divirta-se.

    • Finorio Says:

      Tinha certeza que iriam aparecer travecos por aqui.
      É batata.

    • Henrique Soberano Says:

      Que malabarismo cara pálida ?
      Eram 24 participantes, o São Paulo acabou o campeonato em 15º na fase classificatória em um torneio que não previa rebaixamento.
      Vai pro inferno traveco !

    • Joao Luis Says:

      Valeu, mas ja sei de cor essa conversa, e conheço inclusive esse material.

      Que por sinal nao contradiz o que eu falei. Um time que termina o campeonato numa posição que o faz disputar um grupo inferior no ano seguinte – por mais que o regulamento esdrúxulo permita que ele volte no mesmo ano – é, no mínimo, um rebaixado moral.

      Se for pra forcar a barra pra procurar fracasso na historia dos outros, tem que ser coerente com a historia do próprio time…

      Lina: Rebaixado moral em um campeonato que não previa rebaixamento e no qual o clube terminou na frente de outros NOVE TIMES ?!?! Caiam 10 ???? Difícil de entender…

      • Helder Says:

        Siga chupando traveco, parte 2.

      • Franklin Says:

        Na teoria do traveco ai, pro São Paulo ter caido teriam que cair 10.
        Ai é dose pra aturar.

      • Marcelo Abdul Says:

        Caro João Luís, que bom que você conheçe o material. Isso significa apenas que você é um torcedor fanático que distorce os fatos só para colocar em prática a sua teoria absurda. Temos como exemplo o tópico do próprio Lina que em nenhum momento disse que o Corinthians foi rebaixado em 1987 e 2000, apenas uma espécie de “rebaixamento moral”. Em nenhum momento ele questionou as regras daquele torneio como você e trocentos outros torcedores rivais fazem, insistindo numa tese mirabolante de que o São Paulo caiu em 1990; Ok, cara pálida, me explique como isso aconteceu. Tem alguma regra OFICIAL do campeonato que define isso? Existe algum artigo das regras oficiais do campeonato paulista de 1990 que falam em rebaixamento ou descenso? Se existir em alguma realidade alternativa por favor nos informe. “Grupo” não é “Divisão”. Grupo é divisão de equipes. Divisão é separação de módulos técnicos. Explique como um time que ficou em décimo quinto num universo de 24 times poderia ser rebaixado. Vexame pela campanha? pode ser. Mas não havia descenso naquele torneio. A regra é clara.

      • João Luís Says:

        Marcelo, leia novamente o que eu escrevi. Não estou distorcendo ou questionando regulamento algum.

        Apenas disse que a lógica obriga a classificar o caso do São Paulo em 1990 nessa mesma espécie de “rebaixamento moral”, na qual vocês incluíram 1987 e 2000.

        E sem querer entrar no mérito, apenas uma correção: o regulamento não usou a palavra rebaixamento ou “Divisão”, como você apontou, então ótimo, oficialmente não caiu. Mas a forma de criação dos “grupos” foi técnica sim. Decidida em campo e no campeonato anterior.

        Se realmente existe essa categoria de rebaixamento moral, acho que esse caso se aplica muito mais do que em 2000 (que também não previa rebaixamento, e nenhum outro reflexo para o campeonato seguinte) ou 1987 que, sinceramente, nem merece comentários.

    • Helder Says:

      Siga chupando traveco, parte 1.

  5. Franklin Says:

    Lina, olha esta. A Caixa vai patrocinar os travecos.
    É muita cara de pau, toma no cú.

    http://esporte.uol.com.br/futebol/campeonatos/brasileiro/serie-a/ultimas-noticias/2012/11/19/corinthians-recebera-da-caixa-entre-r-30-milhoes-e-r-35-milhoes.htm

    • Barman Says:

      O negócio é escrachado.
      Pode ver, quando a coisa aperta, chama o padrinho que ele resolve.
      Quem você acha que manda na Caixa Econômica “Federal” ?

  6. Barman Says:

    Que linda história de vida.
    Isto sim é que é um clube de verdade.
    Aos rivais resta apenas a inveja.

  7. Helder Says:

    Depois do “Meus estádio, Minha vida”, agora temos o “Bolsa Gambá” pago pela Caixa…

    A toda-poderosa adora mamar no Povo, hein?! Nenhuma entidade privada se arrisca, é muita falta de credibilidade.

  8. Time do Governo Já Superou Campanha Negativa do Íbis | Blog do Lina Says:

    […] Mas o que o referido espaço não mencionou, omitiu, imagino que tenha esquecido ou não pesquisou com o devido cuidado ( como é de praxe ), é que o seu time superou a marca do time pernambucano na taça João Havelange em 2000. Naquele torneio, o time da marginal terminou em 28o. lugar, a frente apenas do Santa Cruz que termin… […]

  9. Diogo Says:

    Reportagem da Folha, antes da competição iniciar, já dizia que não havia rebaixamento em 1990.

    Por que o São Paulo foi rebaixado se o regulamento dizia que não havia rebaixamento? Como seria possível fazer uma zona de rebaixamento com 10 times em um campeonato com 24 equipes? Então seria a única vez na histórica que uma competição quebraria o próprio regulamento com um Z-10.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: