Um Rastro de Sangue, Destruição e Impunidade

Salve Soberania !

Que todas as torcidas organizadas tem pessoas de bem e pessoas más, de má índole, é ponto pacífico e nisto estamos de acordo certo ? Não vamos generalizar e dizer que torcida organizada é formada 100% por bandidos porque não é.

É fácil perceber que parte desta gente não quer saber de futebol, o desejo deles é dar espaço ao seu lado sombrio, transparecer a sua violência reprimida, seu ódio e frustração pelas suas vidas carregadas de sonhos desfeitos, de portas fechadas na cara. Tentam esquecer suas poucas possibilidades de mudar uma vida fadada ao fracasso.

Me lembro dos filmes de western que eu assistia antigamente, o famoso bang-bang. Em um destes filmes, um bandido riscava com uma faca o couro da cela do seu cavalo a cada assassinato que cometia. Carregava orgulhoso aquelas riscas, como um militar carrega as divisas da sua farda. Quanto mais riscos, claro, mais era temido.

Entre esta gente é a mesma coisa. Eles dizem:-“Mano, o maluco ali quebrou a cabeça de um otário da torcida x, o cara é firmeza, tá ligado ?”. Assim, mesmo sem farda, as divisas são as histórias de maldade e desrespeito a vida que carregam.

Uma destas torcidas lida com esta cultura de bandidagem de modo mais intenso. Tem orgulho de ser do mal. Parece que há prazer em serem criminosos. Não a toa, uma das facções que representa esse pessoal tem nome de setor de um presídio…

Começaram o ano mostrando o que viria pela frente. Barbarizaram a apuração do carnaval paulistano, invadindo a área de apuração, ameaçando os apuradores. Não satisfeitos, ainda colocaram fogo nos carros alegóricos de outras escolas de samba, simplesmente porque tiveram desempenho pífio.

Depois veio o campeonato paulista.

No clássico em Santos, em um local que recebe os ônibus das torcidas rivais do time da cidade –  perto do estádio Ulrico Mursa (da Portuguesa Santista) e próximo a Vila Belmiro – entre as avenidas Pinheiro Machado e Bernardino de Campos, desceram dos seus ônibus munidos de barras de ferro, paus e pedras. Agrediram torcedores do time rival, quebraram vidros de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais que tiveram que fechar as portas às pressas, temeresos de ter seu ganha pão depredado por marginais. Tudo isto a poucos metros de um hospital chamado Beneficência Portuguesa. Tal detalhe ilustra bem o desprezo que estes caras tem pela vida alheia.

Repare, em outros clássicos entre os demais clubes da elite do futebol paulista em 2012, não foram registradas ocorrências graves como os que ocorreram quando esta torcida em especial esteve presente. Logo, é possível detectar onde está o problema mais grave.

Mas ainda faltava morrer alguém, afinal ser temido é preciso. E a oportunidade veio no clássico contra o Palmeiras.

Eu encontrei no blog do Mauro Cézar Pereira, jornalista da ESPN, o relato de um morador sobre o que presenciou. Leia e veja que as armas e o modo de agir foi o mesmo, idêntico ao que aconteceu em Santos:

“Moro em uma travessa da Avenida Inajar de Souza e fui à feira livre de domingo. Eram 10h10 quando avistei cerca de 100 membros da Mancha Verde caminhando pela Inajar (…) Vinham dois carros da PM e quando os policiais viram a quantidade de palmeirenses, fizeram a volta e passaram a acompanhar os torcedores.

Logo depois, dois ônibus da Gaviões da Fiel chegaram ao local, pararam e desceram dois elementos mascarados e com camisetas amarelas parando o trânsito. Eles atravessaram os ônibus na avenida e desceram atirando rojões. Então os torcedores se confrontaram. Os PMs chamaram reforço policial, mas até chegar, a coisa foi feia, próximo a um Pet Shop e a um grande o posto de combustíveis. Paus, pedras, barras de ferros e rojões.

(…) Eu pelo menos não vi palmeirenses com paus e pedras. (…) O comércio fechou as portas e vi um elemento machucado buscando abrigo em um posto. Ele estava muito machucado e deve estar em estado grave em algum pronto socorro. Depois conversei com funcionários do posto de combustíveis e clientes que viram tudo de perto, apavorados. Eles ouviram os que batiam gritando: “É pra matar! É pra matar”.

A torcida do Palmeiras disse que sofreu emboscada. O morador disse que não viu palmeirenses armados. Perceberam onde está o problema ? Pois é, todo mundo sabe, menos a polícia que diz que as mortes estão sendo investigadas…

Por quê ninguém vai preso ?

Quem é que protege estes marginais ?

Será que isso acaba quando morrer o filho de um desembargador ou alguém importante ?

***(*) ******(*)

Anúncios

17 Respostas to “Um Rastro de Sangue, Destruição e Impunidade”

  1. Guedes Says:

    Lina, vou discordar.
    As organizadas são formadas quase na totalidade por bandidos.
    E se não for, no mínimo aquele provérbio popular deve ser aplicado: diga-me com quem andas e eu direi quem és.
    Se uma pessoa sabe que onde convive tem bandido, ou sai deste meio ou se adapta a ele.
    Quanto a torcida travesti, esta sim é formada de bandidos, e precisa, deve ser banida rapidamente.

    Lina: Cara, eu participei de uma organizada do São Paulo no fim dos anos 90, começo dos 2000. Nem todo mundo que está lá é bandido, acredite. Mas entre essas pessoas tem os perturbados, os recalcados. Tem gente que vai e se associa na maior inocência, apenas por querer acompanhar o time nos jogos. A torcida é apenas um retrato da sociedade e a reflete. Faça você a sua reflexão e não generalize. Tem gente que acompanha o clube do coração por amor, tem gente que segue por ódio, é essa gente que tem que ser banida, expulsa, presa, ou extinta da face da terra. Abraços

    • Renato Soares Says:

      Quase todos bandidos, e quem não é, acaba se tornando por osmose.

      Lina: Pode ser que influencie, mas apenas os fracos de caráter.

  2. Alemão Says:

    Você mesmo já definiu o porque não há solução pra isso.
    Ainda não morreu o filho de algum bacana.

    Lina: Pois é…

    • José Roberto Says:

      Mas filho de bacana já matou e nada aconteceu, lembra do lutador michel serdan? seu filho foi presidente da mancha, num jogo de garotos de 12 anos se não me falha a memória por ter seu filho substituido no intervalo do jogo deu uma tremenda surra no treinador das categorias de base do parmera.

      Lembra quando quebraram o braço do Luxemburgo?
      O psicopata da Mancha Verde
      O treinador V(W)anderlei(y) Luxemburgo foi realmente agredido por bandidos da Mancha Verde.
      As primeiras notícias é que se tratava apenas de tentativa e que ele havia conseguido escapar.
      Mas na verdade a situação foi ainda pior e Luxa terminou o episódio com o cotovelo fraturado.
      Os bandidos foram comandados pelo delinqüente Paulo Serdan, que dias antes ligou para a sede do clube ameaçando a integridade do treinador.
      É de impressionar, após tantos atos de selvageria, que um anormal como Serdan continue em liberdade.
      Pior do que isso é a covardia dos dirigentes palmeirenses que todos os dias lhe beijam as mãos.
      Meses atrás conversei com uma profissional que realizava pesquisas sobre psicopatas.
      Ela me disse que durante muito tempo conversou com pessoas, mas que nenhum se enquadrava nessa doença.
      Até que entrevistou Paulo Serdan.
      Disse ter ficado assustada, segundo ela, havia encontrado seu objeto de pesquisa.
      Frio, maldoso e sem remorsos.
      Essa foi a definição que ela me deu sobre ele.
      Disse ainda que ele não poderia conviver em sociedade, porque lamentavelmente apresentava traços de inteligência, o que o tornava ainda mais perigoso.
      Serdan não age como gente de bem, e merece ser tratado da maneira mais adequada ao seu perfil.
      Com algemas e solitária.

      Lina: Verdade, bem lembrado.

      • José Roberto Says:

        Mais de um psicopata filho de rico.

        Blog do Boleiro

        Postado por Luciano Borges em 01/10/2007 20:13

        Presidente de honra da Mancha manda técnico para o hospital
        Por Luciano Borges

        O técnico Márcio Vicente, que dirige as equipes sub-14 e sub-15 do Palmeiras, sofreu fraturas no rosto e em três costelas em conseqüência de uma agressão ocorrida no último sábado à tarde, no centro de treinamento Rei Pelé, em Santos. O agressor: Paulo Serdan, presidente de honra da torcida uniformizada Mancha Alviverde (ex-Mancha Verde) e sócio do clube.

        Segundo testemunhas, Serdan atacou Márcio pelas costas quando ele acompanhava uma
        sessão de alongamento dos meninos do time sub-14, depois de uma partida contra o Santos, pelo Campeonato Paulista. O Palmeiras perdeu o jogo por 3 a 0 e o filho de Serdan, o lateral-esquerdo Caíque, tinha sido substituído no intervalo. Foi a primeira derrota da equipe no torneio. O Palmeiras acumulava nove vitórias e dois empates, e é líder do seu grupo.

        As testemunhas dizem que Serdan desceu da arquibancada do CT, entrou no campo e desferiu um murro no rosto do treinador. Quando ele estava no chão, o pai do jogador ainda desferiu três chutes na região do tórax, provocando as fraturas nas costelas.

        O diretor que acompanhava o time, de nome Wilson Carlos Gonçalves, foi chamado pelo médico do time porque estava do outro lado do campo. Ao ver o treinador caído no chão, ele ainda pediu ajuda dos santistas, que não tinham sequer uma ambulância para levar Márcio ao hospital. “Tivemos que levar o técnico sozinhos. O Santos não tinha nem ambulância nem seguranças para evitar a agressão”, disse Gonçalves.

        O técnico seguiu de carro até a Santa Casa, onde tirou radigrafia e, lá no hospital, não foi constatada nenhuma fratura. As fraturas só foram apontadas por uma ressonância feita em São Paulo nesta segunda. Márcio Vicente não quis prestar queixa contra Paulo Serdan, e também se recusa a falar com a imprensa. Ele tem uma reunião marcada para esta terça-feira na Academia da Barra Funda, e será, novamente, perguntado se quer ou não apresentar queixa na polícia. Segundo o vice-presidente de futebol do clube, Gilberto Cipullo, o ato de Serdan não foi considerado como da torcida uniformizada que ele fundou. Mas, em entrevista à Rádio Jovem Pan, o dirigente disse que o clube deve abrir sindicância contra o sócio que agrediu o treinador.

        De acordo com Cipullo, o filho de Serdan não sofrerá nenhuma punição pelos atos do pai. “Ele, ao final da temporada, vai passar por avaliação como todos os outros. Aí decidiremos se ele continua ou não no time”, disse o dirigente.

        Lina: Essa ai é outra torcida que tem que passar por um pente fino. Tá cheio de vagabundo ali.

      • José Roberto Says:

        Nós reclamamos das autoridades, da polícia, do MP, mas veja onde é o berço e onde começa a impunidade, claro tudo isso tem um porque, essa corja é usada pelos dirigentes para fazerem o jogo sujo em pressões contra conselheiros que são contrários aos que estão no comando do clube.
        COPIEI A ÚLTIMA PARTE DA PUBLICAÇÃO ANTERIOR REPARE O QUE FALOU O CIPULLO QUE ESTÁ ENVOLVIDO EM FALCATRUAS NO CLUBE EM RELAÇÃO A COMISSÃO EM TRANSAÇÕES DE JOGADORES NA SUA ÚLTIMA PASSAGEM PELA DIRETORIA.
        VEJA;
        Segundo o vice-presidente de futebol do clube, Gilberto Cipullo, o ato de Serdan não foi considerado como da torcida uniformizada que ele fundou. Mas, em entrevista à Rádio Jovem Pan, o dirigente disse que o clube deve abrir sindicância contra o sócio que agrediu o treinador.
        Teve punição para o agressor?
        CLARO QUE NÃO.

        Lina: E dificilmente terá. É isso que os jornalistas tem que procurar descobrir. Por quê defendem essa gente ?

      • José Roberto Says:

        Corrigindo.
        Onde se lê; dirigentes para fazerem o jogo.
        Entenda fazer.

  3. Franklin Says:

    Enquanto estiverem se degladiando entre si, FODAM-SE.
    Se quem deveria se preocupar com isso está pouco ligando, por quê eu vou queimar a minha pestana ?
    Eu não vou mais a estádio de futebol, e sinceramente não pretendo ir mais.

    Lina: Concordo com a primeira parte. Não deixe de ir ao Morumbi por causa de marginais. Se for assim, você naum vai poder ir nem ao banco, porque onde vc acha que ficam mais de olho ? Vá aos jogos ao menos quando não for clássico, o seu grito faz diferença Franklin e você sabe disso.

    • Renato Soares Says:

      Em outras palavras. Que se matem, até acabar.

      Lina: Os vagabundos de ambos os lados poderiam se matar mesmo, naum fariam falta.

  4. Marcos Tri Says:

    Simples Lina.
    Fecha todas as sedes de todas as torcidas.
    Depois cadastra e expulsa dos estadios.
    Delimita uma área próxima as arenas em dias de jogos, pra passar por ali, o cidadão tem que mostrar o ingresso e a identidade, se houver registro de ocorrência, prende e solta ao final do jogo.
    Instrumentos pra acabar com esses bostas não faltam.
    Falta organizar e prevenir.
    Abraço

    Lina: Boa idéia.

    • Renato Soares Says:

      Já fazem isso quando é reta final dos campeonatos.
      Não resolve.
      Precisa prender, fazer sofrer na cadeia.

      Lina: Precisa fazer o tempo todo.

    • José Roberto Says:

      O mais simples e mais barato é punir com cadeia, condenação e cumprimento da pena pelo delito.
      Enquanto houver impunidade matar é um prêmio dá stato de machão, fudidão etc…

      Lina: Exatamente.

  5. Radar Soberano Says:

    Lina: Foda._X_

  6. O Rei da América Says:

    Lininha, tu tá preocupado com esses vagabundos ?
    Em breve todos vão morrer.
    Quanto a nós, vamos ser campeões !

    PS. Enquanto as bichas se matam, a gente cata as mulé.
    hehehehehehehehehehe

    Lina: KKKKKKKKKK, FDP.

  7. José Roberto Says:

    Morreram André e Guilherme.
    Mas não há problema algum.
    A Mancha Verde ainda tem 15 covas esperando por mais mortes. E elas virão. Com a cumplicidade de Dilma, Alckmin e Kassab.

    Chorando, Gildair Alves Lezo avisou.

    No enterro do seu querido filho André nada que lembrasse a Mancha Verde.
    Negou todos os pedidos de faixa, bandeira do Palmeiras em cima do caixão.
    Nem o filho usaria nenhum adereço da torcida ou do clube que amava.
    A mãe, evangélica, o vestiu com um terno.
    E apesar do ferimento a bala na cabeça fez questão do caixão aberto.
    Para todos pudessem ver as consequências do tiro que tomou na cabeça.
    Gildair não teve forças para fazer os filhos gêmeos Tiago e André abandonarem a Mancha Verde.
    Além deles, havia Lucas, gêmeo de André.
    Como mãe ela sabia das brigas, dos confrontos com a polícia.
    Teve a ilusão que ficando perto dos filhos os protegeria.
    E se tornou uma participante de várias atividades sociais da torcida.
    Principalmente distribuição de comida a desvalidos sem teto em São Paulo.
    Mas a angústia sempre foi companheira da mãe dos palmeirenses.
    O pai, militar, entendia a paixão dos filhos.
    Só que não se dava conta de quanto tudo estava fugindo de controle.
    Nem no ano passado, quando Lucas levou um tiro na perna em Presidente Prudente.
    Foi em uma briga também com a torcida corintiana.
    Apesar do susto, o garoto conseguiu se recuperar.
    E voltou para a Mancha.
    Ganhou o cargo de vice presidente.
    Como se fosse uma medalha por bravura.
    Sua voz era ouvida em várias decisões.
    Torcedores dizem que ele e os irmãos Tiago e André não só sabiam da briga do domingo.
    Como foram os mais ativos no preparativo para o confronto na Inajar de Souza.
    Embora oficialmente a torcida garanta que tenha sido surpreendida pela Gaviões da Fiel…
    Não é isso que muitos palmeirenses alegam.
    E o selvagem confronto entre os 400 torcedores aconteceu.
    Além das tradicionais barras de ferro, cano, facas, alguns levaram revolveres.
    Os gêmeos Lenzi eram conhecidos e visados pelos corintianos.
    As primeiras investigações da Polícia garantem que André não morreu por acaso.
    A sua morte seria um prêmio para os Gaviões.
    Gildair rezava todos os dias, pedia pelos filhos.
    Não sabia que eles estavam jurados.
    Até que chegou o domingo.
    E na Inajar de Souza, avenida movimentada da Zona Norte de São Paulo, veio o confronto.
    Policiais que estavam acompanhando a torcida do Palmeiras ao Pacaembu se afastaram.
    Não tinham como enfrentar a raiva, a loucura das duas organizadas.
    E assistiram a troca de golpes de barras de ferro nas cabeças dos menos afortunados…
    Os rojões apontados para os rostos dos rivais.
    Tijolos quebrados na testa dos torcedores.
    Facadas.
    E o tiro na cabeça de André.
    A situação tomou uma proporção absurda.
    A ponto de a Mancha Verde ter comprado 16 jazigos no cemitério Jaraguá.
    Estão lá, reservados aos membros da torcida.
    A mensagem é clara.
    Podem morrer que a organizada garante o seu enterro.
    Como pagou pelo de André.
    E Guilherme Vinícius Jovanelli Moreira também terá o seu repouso eterno garantido.
    O garoto de 19 anos da Mancha Verde acabou de ter a morte decretada.
    Ele não suportou os golpes de barra de ferro que tomou na cabeça.
    A violência do golpes causaram profundo traumatismo craniano.
    Racharam sua cabeça.
    Para a Mancha Verde só restam agora 15 covas.
    Tiago Alves Lezo foi preso hoje.
    Com ele foi encontrado um revólver que portava na briga.
    Bastou a polícia se interessar e descobriu sua influência nos conflitos da Mancha.
    Dois membros da Gaviões da Fiel também estão presos.
    São suspeitos de terem dado o tiro que matou André.
    A Polícia invadiu as sedes da Gaviões e da Mancha.
    Levaram computadores.
    Estão atrás do que todos sabiam há anos.
    Que as facções combinavam brigas pela Internet.
    Os policiais vasculham as sedes em busca dos arsenais dos torcedores.
    Das barras de ferro, rojões, socos ingleses, facas e revólveres.
    Enquanto isso, ninguém mais se lembra da dor de dona Gildair.
    Enterrou um filho.
    E passa pela vergonha de ter o outro preso.
    Por imbecis brigas entre torcedores.
    Mais uma família destroçada.
    Por nada.
    Mas vale lembrar para qualquer outra mãe desesperada.
    Outra que tenha um filho na Mancha Verde.
    Pelo menos com o velório e com o enterro não há o que se preocupar.
    A torcida garante.
    Mesmo com a morte de André e Guilherme tudo está sob controle.
    Não há porque ter medo.
    Ainda restam 15 covas para no cemitério Jaraguá…
    Esta é a São Paulo de Geraldo Alckmin…
    De Gilberto Kassab…
    O Brasil de Dilma Rousseff…
    Todos cúmplices nessas mortes…
    Seus braços cruzados diante de uma legislação frouxa ajudaram a matar André e Guilherme.
    E os muitos que ainda virão.
    Para desespero de várias donas Gildair espalhadas pelo País.
    Pobres donas de casas…
    Que ficam o coração na mão quando chegam as quartas-feiras e os domingos.
    Quando seus filhos colocam a camisa da organizada e saem de casa.
    Sem a menor certeza que de que vão voltar…

    Lina: Isso naum tem cabimento.

  8. Marcelo Abdul Says:

    Olá Lina. Infelizmente mais uma vez esses fascínoras provocaram mais duas mortes. É inacreditável a incapacidade da justiça brasileira e da polícia alckminana nesses casos. Briga no Sansão domingo retrasado e ninguém foi detido. Morte em Campinas e ninguém foi preso. Duas mortes no último domingo e NENHUM RESPONSÁVEL FOI PARA A DELEGACIA.

    Tem é que cair de pau nesses bandidos sem dó nem piedade. Tem que parar com essa hipocrisia de dizer que é “mais uma briga de torcida organizada”. Isso foi um homicídio triplamente qualificado. Está no código penal brasileiro. Resta a polícia pegar esses assassinos e julgá-los severamente.

    Quanto as torcidas organizadas concordo que nem todos são bandidos, mas deve-se enquadrá-los e eles devem sim responder civil e criminalmente por esses atos de selvageria. Indenização para as famílias das vítimas é um bom começo. Expulsar eles das sedes que são terrenos da prefeitura também é outra medida que deve ser realizada já que esses vermes não cumprem a sua função social.

    A torcida responsável pela barbarie de domingo passado tem um currículo conhecido. Emboscou jogadores do próprio clube na Imigrantes e torcedores do Vasco na marginal Tiête. Já incendiou o setor amarelo do Morumbi e no último carnaval queimou carros alegóricos e promoveu o terror.

    No entanto não vemos nenhum responsável preso. Inacreditável. Não que eu ache que as outras torcidas organizadas tenham frades, mas a justiça tem que ser feita para todos. Esse Paulo Castilho é um desastre. Bem pior que o promotor anterior que se elegeu deputado na custa dos cadáveres dos torcedores mortos e que efetivamente não fez nada para mudar isso. Só jogou serpentina e brilhantina e as mortes continuaram.

    Lina: Foram presos 2 caras da Mancha Verde, ou seja, os responsáveis pelo morte dos palmeirenses estão soltos. É uma piada…

  9. Dois Toques | Blog do Lina Says:

    […] já tinha dado a minha opinião sobre esta gente neste post no começo do ano passado. Eles tem uma lista extensa de desprezo a vida, de comportamento […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: