Funcionário do Guarani Ganhou Carro de Luxo Para Revelar Marmelada Pró-Palmeiras em 68

O Palmeiras escapou matematicamente do rebaixamento no Campeonato Paulista de 1968 graças a um empate com o Guarani em Campinas, em partida com circunstâncias nebulosas. Parte afetada diretamente pelo resultado em questão, o Comercial de Ribeirão Preto conseguiu evitar o seu descenso provando o acerto prévio entre os dois alviverdes, em atuação nos bastidores que contou até com um suborno usando um carro de luxo Simca Chambord.

Presidente do Comercial à época, o advogado José Fernando de Ataíde contou à reportagem do UOL Esporte que deu um carro deste modelo para um funcionário do Guarani em troca de documentos que atestassem a entrega de resultado ao Palmeiras, ou pelo menos que identificassem o “compromisso” de que apenas reservas bugrinos fossem mandados a campo.

“Eu estudei em Campinas e sempre tive muitos contatos por lá. Cheguei a fazer estágio em uma delegacia da cidade. Portanto, conhecia bem as pessoas. Me passaram o contato de um funcionário do Guarani que talvez pudesse me ajudar. A pessoa pediu inicialmente 50 milhões [de cruzeiros]. Depois pediu um carro igual ao meu. Na época, tinha um Simca Chambord azul claro. Mandei buscar em Ribeirão Preto”, relata José Fernando de Ataíde, hoje com 75 anos, sem identificar o interlocutor em questão.

Os documentos que provam o acerto entre Palmeiras e Guarani antes do jogo decisivo de 1968 foram publicados na revista dos 100 anos do Comercial, lançada em 2011, com edição do jornalista Luiz Eduardo Arruda Rebouças. Os papéis, no entanto, hoje estão com o ex-presidente Ataíde. A história era conhecida, mas a novidade é a papelada que assegurava o acordo.

Naquele ano, o Palmeiras havia priorizado a disputa da Libertadores e acabou tendo de jogar uma série de partidas seguidas, anteriormente adiadas, no Paulista. Foi então que o Guarani escalou um time reserva e com um jogador em situação irregular, de maneira que, se a equipe do interior vencesse, o rival da capital poderia buscar na Justiça esportiva os pontos perdidos.

O Palmeiras entrava na penúltima rodada com chances remotas de rebaixamento, em situação amenizada pela vitória sobre o América de Rio Preto na partida anterior. Neste cenário, um empate asseguraria matematicamente a permanência na elite.

“Na época os times podiam escalar até dois jogadores amadores por vez. Neste dia o Guarani escalou três”, conta o jornalista Luiz Eduardo Arruda Rebouças, responsável pela pesquisa histórica a respeito desta partida.

Mas a brecha para manobra no tapetão acabou não precisando ser utilizada, pois o placar de 1 a 1 no Brinco de Ouro, no dia 29 de junho de 1968, um sábado à tarde, assegurou o Palmeiras na divisão de cima do Paulista.

Prejudicado pelo empate em Campinas, o Comercial acabou destinado ao rebaixamento. Mas, inicialmente, o clube de Ribeirão Preto foi à Justiça esportiva contra a Portuguesa Santista, protestando contra escalação irregular de um jogador, e não reclamando de qualquer problema na partida entre palmeirenses e bugrinos.

“Perdemos de 8 a 1 na Federação Paulista, de 9 a 0 na antiga CBD [Confederação Brasileira de Desportos] e de 9 a 0 no pleno da mesma entidade. Somente no CND [Conselho Nacional de Desporto] conseguimos a vitória por 11 a 0. Foi só neste último julgamento que conseguimos anexar os documentos do jogo do Palmeiras”, descreve o ex-presidente do Comercial, responsável pela “compra” da papelada.

Assim, o Comercial conseguiu anular seu rebaixamento e ainda fez a Federação Paulista suspender o descenso no Estadual por alguns anos. Tudo graças ao suborno do Simca Chambord e à ingenuidade dos dirigentes da época, que firmaram compromisso de favorecimento registrado em cartório.

“Temos toda a autenticidade e o reconhecimento destes documentos. Temos a prova do acerto entre os dois clubes. Um caso inédito no Brasil de entrega de jogo comprovada”, afirma o jornalista Luiz Eduardo Arruda Rebouças.

Via Uol Esporte

Relacionados

Um pouco mais sobre um tal Guarani x Palmeiras em 1968

***(*) ******(*)

Anúncios

16 Respostas to “Funcionário do Guarani Ganhou Carro de Luxo Para Revelar Marmelada Pró-Palmeiras em 68”

  1. Guedes Says:

    Mais uma da porcada;
    Tsc, tsc, tsc.

    Lina: Tem outras…

  2. Felipe 6-3-3 Says:

    Já tinha lido esta Lina. Engraçado é que não teve nenhuma declaração oficial dos caras a respeito do tema, muito estranho.

    Lina: Tem documento, vão falar o quê ?

    • Edu Tricolor Says:

      Falar o quê ?
      Tem documentos e registro em cartório.

      Lina: Pois é.

    • Renato Soares Says:

      Roubalheira registrada em cartório é a primeira vez que acontece na história da humanidade.
      Apesar de muito estúpido, serve pra provar o que todo mundo já sabia.
      É um clube de passado obscuro.

      Lina: Coisa de gente inteligente. KKKKKKKKK

  3. Edu Tricolor Says:

    Priorizaram a disputa a Libertadores e não ganharam nem uma coisa nem outra.
    Sempre foi assim, sempre fazendo pose.

    Lina: A velha empáfia.

  4. Tri-Mundial Says:

    Registraram maracutaia em cartório.
    hahahahahahahaha

    Lina: KKKKKKKKKKKKKKKK

  5. eu ja sabia Says:

    piada pronta

  6. A Verdade Says:

    Muito ja se discutiu a fantasia de que o São Paulo teria tentado “roubar” o Parque Antarctica…
    Já se falou muita coisa, mas não ninguem escrevia algo de concreto sobre o tema. A ferida foi aberta em outro tópico então achei por bem abrir este…
    Primeiro precisamos saber o contexto histórico da época, começando a demonstrar como o Palmeiras era dirigido naquela época:
    “Era, porém, bastante significativo que o Palestra Italia só tivesse botado um preto no time depois de Pearl Harbour.
    Nao podia haver duvida que o Brasil, mais dia menos dia, ia entrar na guerra contra as potências do Eixo, uma delas a Itália. E o que explica a pressa da contrataçãoo de Og Moreira, preto de cabelo esticado, ja careca.
    Antes ninguem reparara nos times sempre brancos do Palestra. Talvez porque nao eram tao brancos. Ou eram brancos à maneira brasileira. E um pouco, quem sabe, à italiana, com os descendentes dos seus ‘Otelos’ e suas ‘Desdêmonas’.
    Pearl Harbour, assim, apressava o abrasileiramento do Palestra, ainda muito italiano. Fazendo, inclusive, questão de ser italiano. Como se isto o enobrecesse.
    Era a vaidade de raça que tornara possível o fascismo, o retorno a Roma, dona do mundo. E que justificava a invasão da Abissinia pela superioridade da raça branca sobre a negra.
    Os italianos do Palestra, quase todos enobrecidos no Brasil peto trabalho, tinham a fraqueza, bem forte nos novos ricos, pelos títulos de nobreza. Aqui a fonte de tais títulos tinha secado com a proclamação da República. Restavam as comendas. Como italianos, ou filhos de italianos, os palestrinos preferiam as da Italia. Dadas pelo Papa ou pelo Duce. Podiam, inclusive, ser condes.
    Daí a subserviência que demonstravam muitos deles, avidos de servir a Itália, ou ao fascismo, que Ihes podia retribuir com honrarias. Mesmo quando o serviço que deles se esperava fosse um desserviço ao Palestra.
    Pretendesse um clube brasileiro um jogador do Parque Antartica: todos os italianos do Palestra se ofendiam. Todos, italianos e brasileiros. Mais, porém, os italianos e filhos de italianos que, pela dupla nacionalidade, italianos eram. Ou se sentiam. Por orgulho de raça e de dinheiro.
    Bastava, contudo, um cIube italiano namorar um jogador do Palestra, para que, pelo menos os mais importantes italianos do clube do Parque Antárctica, mesmo os ja de comenda ao peito, se considerassem honrados. Como se um conde legítimo lhes pedisse a filha em casamento.
    Tudo isto, depois de Pearl Harbour, colocava o Palestra Itália numa delicada.
    O que passara despercebido até então, o racismo emigrado do clube do Parque Antartica, se não corrigido a tempo, apareceria como uma mancha capaz de deixar uma pecha de quinta-colunismo, não ao clube, mas aos que o dirigiam.
    (Filho, Mario – O negro no futebol brasileiro – 4ª edição – Rio de Janeiro – Editora Mauad, 2003 – p.231 e 232)
    Primeiramente minha tese:
    Então…. o que deve ter acontecido…
    Na época da guerra, era normal os guetos de fascistas/nazistas serem confiscados pelo Estado, ja que o Brasil declarou guerra ao Eixo e Getulio Vargas baixou uma série de leis restringindo os direitos das agremiações estrangeiras, ameaçando de fechamento quem as descumprissem.
    Como demonstrado, o Palmeiras era um enclave de fascistas, rascistas e entreguistas seguidores de Mussolini…
    Então, como todas instituições germânicas/italianas/japonesas da época estavam sujeitas à expropriação…
    Logo, para se livrarem disso mudaram o nome para Palmeiras e contrataram jogadores negros…para abrasileirar o clube e escapar da ocupação estatal…
    Da mesma forma, aqui em SP o Germânia virou Pinheiros, em BH o Palestra virou Cruzeiro…
    Agora colocar a culpa disso no SPFC é um exercício de imaginação muito grande…
    Mas como minha tese não vale nada…vejamos o que diz este artigo acadêmico…tese de doutorado
    Pesquisa do historiador Alfredo Oscar Salun aponta que na época da entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial, em agosto de 1942, Corinthians e Palmeiras foram forçados a expulsar cerca de 150 sócios de origem estrangeira, inclusive alguns de seus dirigentes. Os dois clubes estavam entre as entidades atingidas pela legislação repressora do Estado Novo, especialmente de 1941 até 1945, quando aumentou o rigor na vigilância da polícia política aos grupos estrangeiros e seus descendentes.
    Equipes mais populares da época, Palestra Itália (antigo nome do Palmeiras) e Corinthians atraíam grande número de torcedores de origem imigrante, muitos dos quais operários, caracterizando-os como times populares. “Quando o Brasil declarou guerra à Itália, Alemanha e Japão, a vigilância aos estrangeiros pela Delegacia de Ordem Política e Social (DEOPS) aumentou, devido a suspeitas de espionagem”, conta Salun.
    “No Palestra Itália, predominavam os italianos, e no Corinthians havia também italianos, além de espanhóis, alemães e até árabes”, explica o historiador, que pesquisou os efeitos das medidas de nacionalização para sua tese de doutorado no Núcleo de Estudos de História Oral (NEHO) na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.
    Após a entrada do Brasil na guerra, o Conselho Nacional de Desportos (CND) baixou uma série de regulamentações para o esporte, em acordo com o projeto nacionalista do regime do Estado Novo (1937-1945). “Os clubes de futebol foram atingidos, tendo que expulsar dirigentes e associados estrangeiros, principalmente os ligados aos países do Eixo, rotulados como ‘Súditos do Eixo’.”
    Vigilância
    A desobediência às normas de nacionalização poderia levar ao fechamento dos clubes. “No caso do Palestra Itália, isso gerou RUMORES NÃO CONFIRMADOS de que dirigentes do São Paulo manobravam nos bastidores para tomar seu patrimônio”, relata Alfredo Salun. “Os boatos e a mudança de nome para Palmeiras, em 1942, tornaram o episódio marcante na história do clube e dos seus torcedores, ao contrário dos fatos ocorridos no Corinthians.”
    A aplicação das leis levou a destituição do presidente do Corinthians Manuel Correncher, espanhol de nascimento. “O clube conquistou vários títulos na gestão de Correncher, considerado uma figura folclórica, comparada a de Vicente Matheus”, conta Salun. “A presidência foi assumida por Mario de Almeida, interventor indicado pelo CND, que ocupou o cargo por alguns meses, até o clube escolher um novo presidente.”
    Em um clube é uma história conhecida e celebrada e no outro, silenciada e apagada”, destaca o historiador. Nesse aspecto, o pesquisador desenvolve um trabalho em História Oral, com torcedores, jogadores e dirigentes. “Esses clubes não foram os únicos na capital paulista que foram alvos da repressão, mas tinham maior torcida e prestígio.”
    Reuniões de diretoria dos dois clubes só eram feitas com autorização da DEOPS e a presença de um agente do órgão. “Os clubes também precisavam de permissão oficial para jogos fora de São Paulo, especialmente no litoral, devido a importância estratégica das regiões costeiras na Segunda Guerra Mundial.”
    Após as expulsões, Corinthians e Palmeiras realizaram uma “campanha de nacionalização” para atrair novos sócios, nascidos no Brasil. “A imprensa da época viu essa iniciativa como uma prova de patriotismo”, diz Salun. “Os estrangeiros expulsos começaram a retornar aos clubes após 1945, como reflexo do final da Guerra, de medidas liberalizantes adotadas pelo governo de Getúlio Vargas e o fim da perseguição à ‘quinta-coluna’, espiões e os ‘Súditos do Eixo’.”
    http://www.usp.br/agen/repgs/2007/pags/002.htm
    O PALMEIRAS É UM CLUBE SUJO DE ESQUEMAS MAFIOSOS, E QUE TEVE A MÁCULA DO FACISMO E DO RACISMO EM SUA HISTÓRIA.
    De corrupção e lavagem de dinheiro já existente no futebol Brasileiro…
    E ainda tem um monte de palestrinos aqui dando uma de “defensor da ética e dos bons costumes”…deviam ter minimo de discernimento em comentar sobre ‘SUJEIRA”
    pra vcs, o famoso esquema PALMEIRAS / PARMALAT…pela voz vinda de fonte file e digna…kkkkkkkkkk
    Esquema Palmeiras:
    http://www.terra.com.br/istoedinheiro/349/economia/pop_parma.htm
    O Gianni em questão era Gianni Grisendi, que presidiu a Parmalat nos anos 90 e deixou a empresa para se tornar acionista da Tecnosistemi e presidente da própria TIM, antes de se envolver em mais uma confusão com tempero italiano: a da Bombril. Hoje, com seus bens bloqueados, Grisendi está sendo investigado por fraude, lavagem de dinheiro e evasão de divisas num processo que corre na 42ª Vara Cível de São Paulo. Muitos outros personagens do diário, porém, conectavam-se à empresa indiretamente. Eram jogadores de futebol. Stefano, que presidiu a equipe do Parma, listou a venda de dois atletas de um time que foi patrocinado pela Parmalat: o Palmeiras. Eram o atacante colombiano Asprilla e o lateral-esquerdo Júnior. Mencionou também o contrato publicitário de Ronaldinho, que teria ganho R$ 5,5 milhões para atuar na campanha publicitária dos mamíferos, que vestia crianças como animais de pelúcia. E citou ainda a renovação de contrato do meia Alex, hoje no Cruzeiro, que ganhava R$ 390 mil por ano e pedia R$ 2,5 milhões. Tamanho interesse pelo futebol se explica. Os procuradores italianos estão convictos de que as transações com jogadores eram um meio de desviar dinheiro. Como o valor dos passes não correspondia à realidade, suspeita-se que parte retornava às contas dos Tanzi em paraísos fiscais.
    Mais em : http://www.terra.com.br/istoedinheiro/349/economia/349_diario_secreto_parmalat.htm#ancora
    dando que se recebe
    Um gavião travestido de periquito resolveu sobrevoar as alamedas do Parque Antártica para saborear com exclusividade alguns segredos do arqui-rival Palmeiras. Após bater asas ao longo de uma manhã festiva no terreno do inimigo, descobriu que o governador de São Paulo, José Serra, merece pelo menos uma placa ao lado do busto do divino Ademir da Guia.
    Coração verde apaixonado, Serra foi o grande responsável pelo acordo de patrocínio da Fiat, apesar do oba-oba da diretoria comandada com mão de gelatina por Afonso della Monica, sob as bênçãos da mídia caolha, que se contenta com a palavra oficial.
    O governador paulista aproveitou a viagem do presidente da Fiat ao país para persuadi-lo a aplicar uma pequena parte do rico dinheirinho da montadora na bola palmeirense. Em princípio, o poderoso chefão da Fiat queria apenas conversar com o presidente Lula sobre investimentos de R$ 5 bilhões no Brasil. Futebol, para ele, só o da Juventus, de Turim. E olhe lá!
    Entre os argumentos usados pelo mandachuva da Fiat para colocar o Palmeiras para escanteio, uma primária lição de marketing: o risco de perder uma bela fatia do mercado ao colocar o logotipo da empresa apenas no enxoval verde, o que poderia revoltar os torcedores dos outros grandes de São Paulo. Para evitar tal rejeição em Minas, por exemplo, a Fiat abriu o cofre para Cruzeiro e Atlético/MG; na Bahia, o mesmo já aconteceu com a dupla Ba-Vi.
    Serra não jogou a toalha. E propôs em troca do patrocínio um inesquecível presente de Papai Noel: impostos mais baixos e facilidades de pai para filho numa futura fábrica da montadora em São Paulo. Com tantas benesses, o presidente da Fiat não resistiu, sob pena de perder o emprego na volta à Velha Bota. Ganharia muito em troca de pouco. Topou investir R$ 9 milhões – e não R$ 12 milhões como foi cantado em prosa e verso pela diretoria do Palmeiras. O resto é conversa fiada para p**co dormir feliz.
    Coluna Completa
    http://espnbrasil.terra.com.br/colunistas/materia.aspx?Colunista=
    *Palmeiras 2 x 1 Inter – 2 jogadores do Inter expulsos. 1 com 20 minutos.
    *Palmeiras 1 x 0 Atletico – PR – Gol extremamente mal anulado do Atletico. Ah, jogador expulso.
    *Palmeiras 5 x 2 Cruzeiro – Jogador do Cruzeiro expulso no meio do primeiro tempo.
    *Palmeiras 2 x 0 Nautico – Penalti roubado qndo o jogo estava duro e jogador expulso por cotovelada no Kleber, q não era pra estar em campo por cotovelada no primeiro tempo.
    Mas não precisa ser no Palestra. Basta ser em sp:
    Palmeiras 1 x 1 Portuguesa – 2 penaltis nao marcados pra Portuguesa. Nao expulsao do Martinez.
    Logico q vai ter palmeirense falando q as expulsoes eram merecidas.
    Porem, além de nesse meio terem penaltis absurdos a favor e contra e gols anulados, temos q alertar para o seguinte:
    Há injustiça qndo o critério só é severo para um lado. Falta acontece todo jogo, mas rigor só no Palestra Italia.
    VOCÊ SABIA ?
    1. Que o Palestra Itália foi fundado por parte da colônia italiana que desprezava o Brasil e os brasileiros? (e vestiram camisa de nossa seleção?!)
    2. Que por separatismo tinha seus estatutos escritos em italiano e só aceitavam jogadores de origem italiana? (mas que cinismo, e entravam com a bandeira brasileira na mão!)
    3. Que foi o clube mais racista do Brasil e só aceitou o primeiro negro em suas fileiras em 1959, Djalma Santos, 45 anos depois da fundação?
    4. Que por suas inclinações fascistas espernearam o quanto puderam para trocar de nome, pois achavam humilhante se rebaixar a ter um nome abrasileirado?
    5. Que o Parque Antártica era um parque de lazer para a população paulistana, mas o Palestra \\\”convenceu\\\” a Cia. Antártica a \\\”vender-lhes\\\” o espaço?
    6. Que a partir da terceira prestação pararam de pagar, e foram salvos pelo conde Matarazzo?
    7. Que o referido conde lavava seu dinheiro na obra do estádio e deixava seus operários na penúria? (já naquele tempo, que salafra!)
    8. Que depois de injetar dinheiro sujo no Parque as indústrias Matarazzo faliram e deixaram os empregados na rua da amargura?
    9. Que grande parte dos títulos do Palestra foi conquistada subornando jogadores adversários, deixando sempre um dirigente de plantão no Ponto Chic para assediar os boleiros que o freqüentavam? (Algo a ver com a máfia italiana?)
    10. Que a tal final de 42 foi apitada por um juiz que atuava pela primeira vez em um clássico e depois desse jogo jamais apitaria outro? (Por que será? Coincidência, talvez?)
    11. Que o jogador sãopaulino Waldemar de Britto estava na gaveta do Palmeiras naquela final e o jogador Luizinho, que já tinha jogado no Palestra e conhecia as tramóias daquele clube, percebeu o esquema com juiz e seu companheiro e por isso recusou-se a seguir a partida?
    12. Que nas finais contra o São Paulo em 43 e 46, sabendo que estavam perdendo a hegemonia para o novo clube, contaram com a benevolência dos juizes para bater à vontade em Sastre e Renganeschi, mas mesmo assim esse último, com a costela quebrada, fez o gol do bicampeonato sãopaulino?
    13. Que em 1950, para barrar de qualquer maneira o tricampeonato do São Paulo, tramaram e foram descaradamente beneficiados na final por um juiz ingles que, horas depois, foi visto se esbaldando no baile de carnaval do Palmeiras? (quanta ética, quanta lisura, e têm a cara de pau de achar que são campeões do século!!)
    14. Que o Palmeiras, em 1968, ia cair para a segunda divisão não fosse um acerto com o Guarani que escalou Dante e Flamarion, dois jogadores sem condições legais e, com a perda dos pontos, salvou o atualmente neo-bugre? (Se ligaram tanto ao Guarani que resolveram se apequenar para se igualar ao verdinho campineiro)
    15. Que em 1978 o presidente Bruno Saccomani \\\”sacou money\\\” do Palmeiras, saqueou o quanto pôde, quebrando o clube que até hoje não se recuperou? (Caramba, se não fosse a Parmalat seriam 30 anos de fila? Per Bacco!!)
    16. Que a fila atual de 8 anos do Palmeiras, bem como a anterior de 17 anos, não foram as únicas, pois de 1951 a 1959 o Palmeiras não ganhou nada e esteve para cair em 57? (Então o gosto pela segunda divisão é namoro antigo?)
    17. Que a queda para segundona em 2002 não foi a única, e que em 1980 o Palmeiras tambem caiu, e em 1981 teve que disputar uma tal taça de Prata, eufemismo para segunda divisão?
    18. Que pela história de fracassos nos últimos 30 anos, que nem a Parmalat conseguiu aliviar, a torcida do Palmeiras encolheu e, há muito tempo, não consegue públicos maiores que 20.000 pessoas, isso no Parque, pois em outros estádios, em clássicos, é sempre minoria absoluta?
    19. Que a saída da Parmalat deixou o Palmeiras na mesma petição de miséria em que se econtrava no final dos anos 70? Que as perspectivas futuras são nulas e os esforços para arrecadar trocados, como essa cesta de atletas, são retumbantes fracassos? (Será que ninguem acredita mais n oclube, não tem mais nenhum conde para lavar dinheiro?)
    20. PALMEIRAS, CLUBE SUJO, QUE TEM COM MARCA NA SUA HISTÓRIA, A MÁCULA DO RACISMO E DO FACISMO.

  7. A Verdade Says:

    SE Palmeiras – Uma pitadinha histórica

    1914: Fundada em 1914 por um grupo de dissidentes corintianos, a Società Sportiva Palestra Italia já inicia suas atividades com uma mácula das maiores: ser uma costela do Sport Club Corinthians Paulista. Um clube que além de não ter a identidade brasileira, não possui, sequer, uma identidade própria.

    1915-1917: Sem identidade própria, o clube resolve copiar o símbolo do atual Votorantim Futebol Clube, localizado em cidade homônima. Passam a usar, dessa forma, a Cruz de Savóia como escudo oficial. Mantendo sua tradição bastarda, no entanto, tal símbolo é trocado pelas letras P e I poucos anos depois.

    Anos 20: O clube adquire uma área de 150 mil metros quadrados pertencentes à Companhia Antárctica Paulista, incluindo o Estádio Parque Antárctica. Nessa época, fortes rumores de ligação do Palestra Itália com o Regime Fascista do ditador Mussolini, na Itália, começam a pipocar pelo país, afinal, o recém-fundado clube não teria verba suficiente para tal aquisição.

    Anos 40: Apesar de ter alguns êxitos na década, não consegue manter sua performance dos dez anos anteriores e é obrigado a assistir o domínio do clube mais novo da cidade: o São Paulo Futebol Clube e seu Rolo Compressor. A situação melhorava, mas o clube não conseguia se sustentar como clube grande.

    1942: Atormentado pelas pressões exercidas pelo São Paulo Futebol Clube, que ameaçava tomar seu Estádio, o clube sofre a maior aniquilação moral já vista na história do futebol: é obrigado a mudar de nome, a subtrair a cor vermelha de sua bandeira, e a trocar, novamente, seu escudo.

    1942: O clube passa a chamar-se Palestra de São Paulo. Pouco tempo depois, após novas pressões do Tricolor, que não queria um outro time na cidade com nome parecido ao seu, o Palestra passa a ter um terceiro nome: Sociedade Esportiva Palmeiras, em homenagem à Associação Atlética das Palmeiras, um dos clubes que deu origem ao São Paulo FC. Dessa vez eles conseguiram agradar à exigente direção são-paulina, que passou a deixar os palestrinos em paz.

    1974: Após ser Campeão Brasileiro de 1973, o Palmeiras se classifica para a disputa da Taça Libertadores de América. Na fase de grupos é sapecado por todos e acaba sofrendo desclassificação após derrota para o São Paulo Futebol Clube. Seria a primeira de quatro eliminações na competição sulamericana. O Palmeiras já demonstrava vários sinais de que viria a ser um time repleto de pipocadas históricas.

    1977-1992: Palmeiras entra em sua maior seca. Com times pífios atrás de times pífios, o clube fica até 1993, ou seja, 16 anos, na fila de conquistas. Nesse período, nada de relevante nos campos pode ser falado sobre o clube, a não ser algumas passagens parcas que vêm a seguir.

    1978: O Palmeiras chega à final do Campeonato Brasileiro contra o Guarani. Jogando em São Paulo e em Campinas, o alviverde da Rua Turiassu coleciona dois insucessos pelo placar mínimo de 1 a 0 e entrega, pela primeira vez na história, o título de Campeão Brasileiro a um clube do interior do país. Consagração dos campineiros, situação vexatória para os clubes considerados grandes do país.

    1985: Última rodada da fase de pontos corridos. Palmeiras enfrenta o já eliminado XV de Novembro, de Jaú, em pleno Palestra Itália. Um derrota de 3 a 2 enterra o sonho dos palestrinos de avançarem à semifinal do Campeonato. A fila continuaria por mais algum tempo…

    1986: A Sociedade Esportiva Palmeiras conseguiu, enfim, chegar à final do Campeonato Paulista. O adversário era a Internacional de Limeira. Nélson Tadini Duque, presidente à época, após dura pressão feita sobre os dirigentes da FPF, consegue tirar um dos jogos da cidade de Limeira, levando a disputa do título exclusivamente para a cidade de São Paulo, no Estádio do Morumbi. Após um empate em 0 a 0 no primeiro jogo, a Inter encaçapa 2 gols a 1 no Palmeiras no 2º jogo e garante o título de Campeão Paulista. Era a primeira vez na história que um clube do Interior atingiu tal feito. Um orgulho para os limeirenses, um vexame dos maiores para os paulistanos.

    1990: Revoltada a eliminação do Campeonato Paulista de 1990 pela Ferroviária de Araraquara, em pleno Pacaembu, a torcida do Palmeiras protagoniza um dos maiores shows de horrores da história do futebol paulista: invade a sala de troféus do Palestra Itália e quebra boa parte das taças que o clube havia conquistado em sua história. Vexame atrás de vexame!

    1992: Chega ao Palmeiras uma empresa de laticínios, a Parmalat, que viria a participar ativamente da administração do clube na forma de co-gestora. A empresa passou a injetar grandes quantidades de dinheiro no time, formando-se, assim, boas equipes. O clube voltou a ganhar títulos, mas suspeita de lavagem de dinheiro, e, por fim, o escândalo que levou a empresa a pedir concordata pelo “sumiço” de US$ 8,7 bilhões, acabaram por macular, mais uma vez, a história do Palmeiras.

    1993: A final do Campeonato Paulista de 1993 representa a saída da fila após 16 anos. Arbitragem tendenciosa por parte do árbitro José Aparecido de Oliveira e do auxiliar(?!) José Roberto Godoy, que não expulsaram, por exemplo, o jogador Edmundo após entrada criminosa no corintiano Paulo Sérgio, causa polêmica até hoje. Seria o famoso “Esquema Parmalat”?

    2001: Após a saída da Parmalat, em 2000, o Palmeiras volta a mostrar incompetência administrativa e apequenamento do clube ao entrar em uma nova fila, desta vez, culminando com o rebaixamento da equipe no Campeonato Brasileiro de 2002, além de mais outras tantas passagens vexatórias para os lados da Rua Turiassú.

    2002: Eliminação da Copa do Brasil pelo desconhecido time do ASA de Arapiraca, da Paraíba, e rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2002 levam o Palmeiras ao fundo do poço. Um clube já acostumado a inúmeros insucessos esportivos, desta vez, havia alcançado sua mais desastrosa temporada.

    2006: O desejo por títulos leva dirigentes do Palmeiras a enviarem pedido de homologação à FIFA do título da Copa Rio de 1951 como sendo Mundial de Clubes. Em 2007, um funcionário da FIFA repassa ao clube um fax com a confirmação da conquista como sendo um título de ordem mundial. Os palmeirenses comemoram a conquista com 56 anos de atraso. Dias depois, a entidade volta atrás e demite o funcionário. O clube da Rua Turiassu vira, mais uma vez, motivo de chacota por parte dos rivais.

  8. A Verdade Says:

    MSi – apenas um espirro perto do Maior Esquema
    De corrupção e lavagem de dinheiro já existente no futebol Brasileiro…

    E ainda tem um monte de palestrinos aqui dando uma de “defensor da ética e dos bons costumes”…deviam ter minimo de discernimento em comentar sobre ‘SUJEIRA”

    pra vcs, o famoso esquema PALMEIRAS / PARMALAT…pela voz vinda de fonte file e digna…kkkkkkkkkk

    Esquema Palmeiras:

    http://www.terra.com.br/istoedinheiro/349/economia/pop_parma.htm

    O Gianni em questão era Gianni Grisendi, que presidiu a Parmalat nos anos 90 e deixou a empresa para se tornar acionista da Tecnosistemi e presidente da própria TIM, antes de se envolver em mais uma confusão com tempero italiano: a da Bombril. Hoje, com seus bens bloqueados, Grisendi está sendo investigado por fraude, lavagem de dinheiro e evasão de divisas num processo que corre na 42ª Vara Cível de São Paulo. Muitos outros personagens do diário, porém, conectavam-se à empresa indiretamente. Eram jogadores de futebol. Stefano, que presidiu a equipe do Parma, listou a venda de dois atletas de um time que foi patrocinado pela Parmalat: o Palmeiras. Eram o atacante colombiano Asprilla e o lateral-esquerdo Júnior. Mencionou também o contrato publicitário de Ronaldinho, que teria ganho R$ 5,5 milhões para atuar na campanha publicitária dos mamíferos, que vestia crianças como animais de pelúcia. E citou ainda a renovação de contrato do meia Alex, hoje no Cruzeiro, que ganhava R$ 390 mil por ano e pedia R$ 2,5 milhões. Tamanho interesse pelo futebol se explica. Os procuradores italianos estão convictos de que as transações com jogadores eram um meio de desviar dinheiro. Como o valor dos passes não correspondia à realidade, suspeita-se que parte retornava às contas dos Tanzi em paraísos fiscais.

    Mais em : http://www.terra.com.br/istoedinheiro/349/economia/349_diario_secreto_parmalat.htm#ancora

  9. A Verdade Says:

    24 de novembro de 1.985 – Campeonato Paulista – Palmeiras 2 x 3 XV de Jaú – Os alviverdes já sabiam do tropeço do Corinthians diante do Comercial, em jogo realizado pela manhã, e precisavam apenas vencer o XV para avançar no Paulistão. De virada, perderam para o então time de Wilson Mano e não foram às semifinais.

    19 de junho de 1.996 – Copa do Brasil – final – Palmeiras 1 x 2 Cruzeiro – Depois de empatar por 1 a 1 no Mineirão, o time de Vanderlei Luxemburgo podia empatar sem gols para levantar o troféu. Saiu na frente com Luizão, mas perdeu com um gol de Marcelo Ramos no final do segundo tempo.

    9 de dezembro de 2.000 – Copa João Havelange – quartas de final – Palmeiras 2 x 2 São Caetano – Foram dois jogos em casa contra o Azulão que não podia atuar no Anacleto Campanella. O time do ABC venceu o primeiro encontro por 4 a 3. No segundo jogo, o Palmeiras abriu 2 a 0, mas permitiu o empate logo depois do intervalo.

    20 de dezembro de 2.000 – Copa Mercosul, final – Palmeiras 3 x 4 Vasco – Com 3 a 0 no placar ao final do primeiro tempo do terceiro jogo da decisão, o Palmeiras foi para o vestiário achando que já tinha garantido o título. No segundo tempo, Romário e Juninho comandaram a inacreditável virada vascaína.

    20 de fevereiro de 2.002 – Copa do Brasil, primeira fase – Palmeiras 2 x 1 ASA – No jogo de ida, os paulistas , comandados por Vanderlei Luxemburgo, perderam em Arapiraca por 1 a 0. Voltaram pra São Paulo crentes que garantiriam a vaga em casa, mas não fizeram a diferença de dois gols e deram adeus à competição.

    23 de abril de 2.003 – Copa do Brasil – oitavas de final – Palmeiras 2 x 7 Vitória – Três dias antes da estréia na segunda divisão, o clube foi humilhado em seus domínios pelos baianos, no jogo de ida. Foram sete gols, COM TRÊS FALHAS GROTESCAS DO GOLEIRO MARCOS, que deram a impressão de que o ano seria mais desastroso que o anterior.

    20 de maio de 2.004 – Copa do Brasil, quartas de final – Palmeiras 4 x 4 Santo André. Os alviverdes venciam por 4 a 2 e, depois dos 3 a 3 no jogo de ida, se garantiam nas semifinais. Sandro Gaúcho diminuiu aos 34 minutos e Tássio decretou a eliminação palmeirense aos 44 minutos e mais um tropeço dentro de casa na Copa do Brasil.

    1º de abril de 2.007 – Campeonato Paulista – Palmeiras 2 x 2 Guaratinguetá – O Palmeiras precisava de uma vitória sobre o time do interior para se garantir na semifinal do Paulistão. Levou 2 a 0 em 30 minutos de jogo e teve forças apenas para buscar o empate. Com o resultado, foi para o último jogo sem depender de si – e acabou eliminado.

    5 de abril de 2.007 – Copa do Brasil – segunda fase – Palmeiras 2 x 0 Ipatinga – Após a derrota em Minas Gerais por 2 a 0, os paulistas fizeram 2 a 0 com 32 minutos de jogo. Mais um gol garantiria o time nas oitavas, mas a partida foi para os pênaltis. Nas cobranças, Edmundo perdeu a sua e o Palmeiras foi eliminado.

    2 de dezembro de 2.007 – Campeonato Brasileiro – Palmeiras 1 x 3 Atlético – MG – Os alviverdes precisavam de apenas uma vitória para se garantirem na Libertadores. Começaram atrás no placar, mas Edmundo empatou ainda no primeiro tempo. Depois do intervalo, os paulistas não mantiveram a reação, levaram dois gols e deram adeus a vaga.

    Fonte – Revista Trivela do mês de janeiro 2008

  10. A Verdade Says:

    Por que Aparecido não “deveria ser escalado”?

    Aparecido era um dos principais árbitros da FPF desde 1990, quando apitou a decisão do Brasileiro entre São Paulo e Corinthians. Mas, em 1993, ele vinha de uma arbitragem muito contestada num jogo “semifinal” entre São Paulo X Corinthians. O resultado, Corinthians 1 X 0 São Paulo ( 30 de maio ), classificou o Corinthians para a dexisão. O gol do Corinthians foi feito por Neto, em empedimento. E, Aparecido e seus auxiliares, anularam um gol legal de Palhinha, quando o jogo estava 0X0.

    Mas por que ele favoreceu o Corínthians, que seria
    PREJUDICADO TEORICAMENTE POR ELE MESMO DIAS DEPOIS CONTRA O PALMEIRAS? O QUE DIABOS, A SEMIFINAL SÃO PAULO X CORINTHIANS, TERIA COM O PALMEIRAS E O ESQUEMA PARMALAT?

    Aí é que está. Palmeiras e São Paulo eram os dois grandes times da época. O São Paulo de Telê. O Palmeiras, cheio de craques da Parmalat. No ano anterior, o São Paulo não deixou que o Palmeiras saísse da FILA, ganhando o título paulista. Meses depois, já bicampeão da Libertadores, seria um adversário muito mais difícil para o Palmeiras, que o Corinthians de Adil e Ezequiel. O fato é que Aparecido teria feito o serviço: tirou o São Paulo da parada ( já interessado no sucesso do Palmeiras ) e completou o trabalho na decisão contra o Corinthians.

    Por que poderia ter sido João Paulo o árbitro da
    FINAL?

    João Paulo Araújo era também uma das estrelas da FPF, ao lado de Aparecido, Dionísio Roberto Domingos e Oscar Roberto Godói. Contra Araújo, uma arbitragem ruim no jogo Santos 2 X 3 Novorizontino, pela fase semifinal, teria o prejudicado. Pois REnato Duplat, á época diretor da arbitragens da FPF, e santista, teria ficado uma fera com ele.

    O que aconteceu com Aparecido após 1993
    Gerente de banco, passou a receber até ameaças de morte. Se afastou por um tempo, mas voltou com tudo anos depois, tornando-se árbitro FIFA. Ele voltaria às manchetes em 1997, acusando (pela Placar ) Ives Mendes (então presidente da Comissão Nacional de Arbitragem) de mandá-lo ajudar a Argentina contra a Colômbia, num jogo pelas Eliminatórias. Depois disso sua carreira declinou.

    Fonte:
    Revista Placar, edição nº 1288, Novembro de 2005, páginas 54 e 55.

  11. Helder Says:

    É malandro, essa história veio a tona, imagina o que não tem por aí guardado…

    Lina: Eu tenho uns recortes guardados Helder. Tem mais coisa sim, não tem provas como documento registrado em cartório como neste caso, mas é de fonte segura, jornais e revistas.

  12. Henrique Soberano Says:

    Caramba ! Fiquei surpreso com este post.
    Puxa vida ! Um clube tão limpo, com um passado tão digno, envolvido em uma coisa destas.
    Deve ser um caso isolado, não pode ser.
    Lina, o UOL Esporte cometeu um erro.
    Vamos protestar ?

    Lina: Vamos.KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  13. Aurio Adriano Says:

    Ainda me lembro da história do gás, como pode um clube ser tão sujo? eu me pergunto!!!!

    Lina: Pois é, e tudo por um paulistinha…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: