Archive for 28 de janeiro de 2012

São Paulo 2×1 São Caetano

28/01/2012
Rubens Chiri - Site Oficial

Rubens Chiri - Site Oficial

Foi um jogo que exigiu diversos sentimentos da torcida são-paulina. A alegria pelo primeiro gol de Luis Fabiano no ano. A dor de perder o camisa 9 por lesão. A raça da equipe em momentos turbulentos da partida. E, é claro, a satisfação por ter um jogador como Lucas no elenco.

O São Caetano se fechou todo lá atrás. A partida apontava um 1 a 1 sem fim no Morumbi. Mas aos 32 minutos, o camisa 7 resolveu o jogo para o São Paulo, que venceu por 2 a 1, na tarde deste sábado, no Morumbi. Foi o segundo gol de Lucas na temporada. Ele é o artilheiro do time no ano.

Com o resultado, o Tricolor Paulista mantém o 100% no início do Campeonato Paulista. Em três jogos, são três vitórias. Além do São Caetano, a equipe bateu o Botafogo-SP e Oeste. Mais do que os três pontos, o São Paulo mostrou um brio que há tempos não se via. Um time guerreiro, que superou qualquer adversidade neste sábado.

GOL E TRISTEZA

O São Paulo entrou em campo com o mesmo ímpeto ofensivo das duas primeiras partidas na temporada. Logo aos oito minutos de jogo, o atacante Luis Fabiano recebeu do paraguaio Piris, girou em cima do zagueiro e acertou a bola na trave.

Mas o primeiro gol do camisa 9 em 2012 sairia minutos depois. Aos 15 minutos, após excelente tabela com Fernandinho, Fabuloso estufou as redes do São Caetano. Foi o 126 gol do atacante com a camisa do Tricolor. O oitavo neste retorno ao clube paulista.

Apesar disso, Luis Fabiano não teve muito tempo para comemorar. Aos 31, após perseguir o zagueiro rival, o atacante sentiu uma fisgada na coxa direita e deixou o jogo imediatamente. Com isso, o técnico Emerson Leão optou pela entrada de Willian, que teve algumas chances na primeira etapa.

GOLAÇO E ALEGRIA

Na volta do intervalo, Emerson Leão fez a segunda mudança. Tirou Denilson e colocou Maicon, que vem recebendo constantes elogios do treinador. Aos dois minutos, Fernandinho teve a primeira grande chance. O camisa 12 recebeu dentro da área e soltou a bomba de esquerda. A bola passou muito perto.

Mesmo sem Fabuloso, o Tricolor seguiu no ataque. Mas encontrou um São Caetano muito bem armado na defesa. Desta forma, a equipe teve dificuldade de invadir a área adversária, tanto pela esquerda quanto pela direita. Aos 19, Casemiro entrou no lugar de Cícero.

Se por um lado a torcida estava apreensiva pela perda de Luis Fabiano, eles sabiam que poderiam contar com outro ídolo do elenco. E o garoto Lucas não costuma decepcionar. Aos 32 minutos, o camisa 7 soltou um petardo de fora da área e recolocou o São Paulo em vantagem no placar. Com o gol, o time são-paulino soube administrar e alcançou mais uma vitória no ano.

REAPRESENTAÇÃO

De folga neste domingo, o elenco tricolor voltará aos treinamentos na próxima segunda-feira, às 9h, no CT da Barra Funda. O São Paulo voltará a campo na quinta-feira diante do Guarani, também no Morumbi.

Via Site Oficial

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 2 X 1 SÃO CAETANO

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 28 de janeiro de 2012, sábado
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Welton Orlando Wohnrath (SP)
Assistentes: Jumar Nunes Santos e Leandro Matos Feitosa (ambos de SP)
Renda: R$ 330.568,00
Público: 12.647 pagantes
Assistentes adicionais: Leandro Bizzio Marinho e Flavio Rodrigues de Souza (ambos de SP)
Cartões amarelos: Anselmo (São Caetano); Fernandinho (São Paulo)
Gols
SÃO PAULO: Luís Fabiano, aos 16 minutos do primeiro tempo; Lucas, aos 32 minutos do segundo tempo.
SÃO CAETANO: Moradei, aos 17 minutos do primeiro tempo.

SÃO PAULO: Denis; Piris, João Filipe, Edson Silva e Cortez; Denilson (Maicon), Wellington, Cícero (Casemiro) e Lucas; Fernandinho e Luis Fabiano (Willian José)
Técnico: Emerson Leão

SÃO CAETANO: Luiz; Daniel (Thiago Silvy), Preto Costa, Eli Sabiá e Diego; Augusto Recife (Kleber), Moradei, Anselmo e Marcelo Costa; Betinho e Geovane
Técnico: Márcio Araújo

Via Gazeta Esportiva

Melhores Momentos

***(*) ******(*)

Próxima Partida: São Paulo x Guarani ( O Original ), Paulistinha 2012, Morumbi, São Paulo, quinta-feira, dia 02.02 às 19h30.

Dinheiro Público no Itaquerão Chega a R$ 581 mi, Mais Que o Custo de Seis Estádios da Copa

28/01/2012

A soma dos incentivos fiscais e gastos públicos relacionados ao estádio que o Corinthians está construindo em Itaquera (Zona Leste de São Paulo) gira em torno de R$ 581 milhões. O valor é superior ao custo total de seis das 12 arenas que estão sendo construídas ou reformadas para a Copa do Mundo de 2014 (veja tabela abaixo).

O cálculo considera os incentivos destinados pela prefeitura de São Paulo ao Corinthians (R$ 420 milhões em créditos tributários), a construção de arquibancadas móveis com 20 mil lugares que serão bancadas pelo Estado de São Paulo (a um custo estimado pela Odebrecht, que constrói o estádio, de R$ 70 milhões) e a renúnicia fiscal do governo federal através do Recopa (Regime Especial de Tributação para Construção, Ampliação, Reforma ou Modernização de Estádios de Futebol), estimada em R$ 91 milhões e obtida pelo Corinthians na sexta-feira.

O valor da renúncia representa 10% do valor total da obra do estádio, excetuando a parte bancada pelo governo estadual. Isso porque a assessoria de imprensa do Corinthians informou que o incentivo fiscal concedido pelo Recopa não implica em redução do custo da obra, uma vez que o orçamento da arena foi calculado considerando que o estádio conseguiria as isenções.

Assim, o valor do estádio sem a parte do governo estadual (R$ 820 milhões), representaria 91% do custo total sem os incentivos federais. Dessa forma, sem a isenção, o preço seria de R$ 911 milhões. Como a economia de impostos pelo Recopa é de cerca de 10%, R$ 91 milhões é a renúncia federal com o estádio corintiano.

Além dos recursos públicos injetados no estádio do Corinthians, há um financiamento de R$ 400 milhões provido pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) que finaliza a composição financeira da obra. Tal montante não foi incluído no cálculo porque trata-se de um empréstimo, que deverá ser pago de volta ao banco estatal. Caso não seja, o fiador é o Banco do Brasil.

Dos 12 estádios da Copa, apenas três são privados: o do Corinthians, a Arena da Baixada (PR) e o Beira-Rio (RS). O restante é feito integralmente com recursos públicos, e permanecerão como patrimônio estatal após sua conclusão. Em alguns casos, o ente público proprietário pretende passar o equipamento para a iniciativa privada após a Copa. É o caso do Maracanã, arena que o Estado do Rio de Janeiro pretende passar para a administração privada após finda sua reforma, orçada até agora em R$ 931 milhões. Fluminense, Flamengo e o empresário Eike Batista já se declararam interessados.

Via UOL Esporte

Relacionado

Em visita ao “Fielzão”, ministro defende dinheiro público em estádio

***(*) ******(*)