Não é Mérito Meu, Nasci Sãopaulino Por Sorte…

Não me dê os parabéns, nasci sãopaulino por sorte…

O  destino me presenteou com o privilégio de poder vestir uma camisa bela e ímpar, cujo escudo se impõe frontalmente entre duas listras gloriosas e não sem motivos.

Um símbolo que já nasceu vitorioso por se destacar no peito sustentado transversal e unicamente… por suas cores. Representação incontestável de sua Dignidade nata.

Eis um emblema, na acepção do termo…

Um claro sinal a quem quiser ostentá-lo de que o preço da conquista limpa é o ônus da independência, pois isso está gravado em sua história desde o nascimento e para sempre.

E que naturalmente provoca incômodo nos fracos, nos maliciosos e nos oportunistas, por lembrá-los eternamente do que desejariam sufocar:

Que conquistas de fato – aquelas obtidas sem ajuda indevida – podem ser muito mais árduas, mas têm um sabor inigualável, pois que sem mácula.

E só assim podem ser chamadas verdadeiramente de Vitórias.

Assim, incomparável, é o orgulho e o sentimento de poder carregar um símbolo que reluz e vibra no lugar justo: no centro do peito.

Pois é ali que bate o coração de verdade. E não de lado…

Não me dê os parabéns, nasci sãopaulino por muita sorte…

Generoso,  o destino colocou em meu destino uma tradição famíliar com amor às coisas certas e às conquistas com mérito.

Nasci no seio de uma família que, no passado, abraçou na primeira hora a causa de erguer uma agremiação à altura da grandeza do nome de sua cidade.

E principalmente de seu lema: “Non ducor. Duco“. Não sou conduzido. Conduzo.

Por isso, não me dê os parabéns, os méritos não são meus: nasci sãopaulino por sorte.

Apenas segui o amor incondicional despertado nos anos 30 em meu avô, abraçado por meu pai, levado adiante por meus irmãos mais velhos.

Não pense que foi fácil, no início, para aquele garoto do Jardim Paulistano, anos 60, sustentar essa paixão como aquelas listras sustentam um escudo que, hoje, é reconhecido internacionalmente.

Aquele menino amargou por mais de uma década interminável a tristeza de ver sua equipe fragilizada diante de poderosos adversários, que cantavam vitórias – e por goleadas.

Pois o clube-caçula trabalhava abnegada e silenciosamente para construir um Patrimônio.

E assim como na fábula da Cigarra e da Formiga, decidira o São Paulo Futebol Clube abrir mão da festa e da cantoria dos títulos, para construir, unicamente com seu esforço, a tão sonhada Casa Própria: o Estádio Cícero Pompeu de Toledo.

E o preço era alto: ficar sem recursos, por quase duas décadas, para montar também times à altura de seus mais tradicionais adversários.

Eu vi isso. Presenciei e sofri com isso, nas gozações de colegas de escola.

Foram anos minguados em títulos e conquistas, que testemunhei.

Embates injustos, que pareciam ainda mais deprimentes naquele cenário confuso aos olhos de um menino: em arquibancadas em obras num Morumbi construído lentamente por décadas, ver seu time apanhar seguidamente, com jogadores inexpressivos.

Mas, engraçado… Mesmo que os jogos aos domingos fossem de trágicos presságios, eu, de calças curtas, jogando bola na rua, ainda assim ostentava orgulhosamente a Camisa 7 do humilde ponta Faustino – pois, pequenino, queria ser como ele.

Comprada a duríssimas penas por papai, ela era o meu manto sagrado: com a camisa branca com as listras vermelha e preta no peito eu, o baixinho, me sentia um gigante.

Era o escudo no peito…

Mesmo que, na pureza de meus nove anos, ao comprar pães no final da tarde de domingo na Padaria Europa, ouvisse repetidamente a brincadeira do Sr.  Manoel atrás do balcão:

“Ó baixinho, Faustino… De novo teu time tomou uma sapecada! É todo domingo… Não ganha um titulozinho que seja. .. Não queres mudar pra Lusinha?!”

Meu pai ria da história e vaticinava: “Tudo na vida tem um preço. Hoje você sofre, mas um dia o teu orgulho de ser sãopaulino ainda vai ser do tamanho do Morumbi”.

Eu eu vi, um dia, enfim, o meu time terminar de construir o Morumbi. E nele ser campeão.

E ser campeão, campeão e campeão…

Ano após ano, campeão de tudo. Nacional. Da Libertadores. Do Mundial…

Mas, não me dê os parabéns. Nasci sãopaulino por sorte.

Muita sorte.

Marcio M. Castanho

http://www.redatorbipolar.com.br

@RedatorBipolar

***(*) ******(*)

Anúncios

12 Respostas to “Não é Mérito Meu, Nasci Sãopaulino Por Sorte…”

  1. Radar Soberano Says:

    São Paulo x Corinthians – Não deixe de ler.

    postado por Julius_Oficial

    Boa tarde amigos.

    Já faz tempo que um jogo São Paulo e Corinthians deixou de ser apenas uma partida de futebol. É muito mais do que isso, é politica. Acima de tudo é a batalha da honestidade contra a corrupção, do bem contra o mal.

    Esse time chamado Corinthians faz parte do que podemos chamar de “a maior máfia do Brasil”, que tambem é integrada pela Rede Globo (a grande manipuladora), CBF, e todos outros politicos coniventes com as frequentes palhaçadas (e podemos incluir aí até o nosso ex-presidente).

    Num país que a saúde é deficitária, as escolas públicas são de péssima qualidade, o transporte publico ridiculo e a segurança um caos, vemos o governo “dar” um estádio para o Corinthians. Dinheiro esse que deveria ser aplicado em melhorias para a população, mas infelizmente não é isso que veremos.

    Toda e qualquer melhoria realizada na cidade nos próximos anos não visa melhorá-la para a população, e sim para os “gringos” que aqui vierem. E eu gostaria que isso ficasse bem claro, pois essa é a nossa realidade.

    A realidade de um país que não é feito para o povo, e sim para uma minoria detentora das fortunas. E é justamente por isso que o Brasil dificilmente deixará de ser uma “promessa”, pelo menos enquanto não olhar para a massa que na verdade empurra esse país.

    Criei esse tópico apenas para lembrar que amanhã, quarta-feira (21/09/11), quando o São Paulo sair vitorioso de campo não será apenas a vitória do maior, e sim a derrota dos corruptos.

    Saudações Tricolores.

    • Sidney Says:

      O maior problema é que o São Paulo entra nos jogos contra o Corinthians normalmente, mas o outro time entra como se fosse uma final e sempre tem ajuda externas o que complica, caso o juiz de hoje não interferir no jogo segurando o São Paulo no meio de campo, teremos um grande jogo, espero.

      Lina: Não faz mal, ganhar com eles roubando é mais saboroso. Vamos vencer hoje, 3×1.

  2. Radar Soberano Says:

    Aqui é São Paulo
    Compartilhe | Amigos do blog, a semana começa com o tricolor em segundo lugar no campeonato e com um jogo decisivo para nossa arrancada rumo a mais um título brasileiro.

    Ainda sem Luis Fabiano, que só deve mesmo voltar no dia 2 de outubro contra o Flamengo, o time tem que estar concentrado para despachar de vez o time da marginal sem número.

    Toda atenção é pouca, afinal em dois dos últimos três clássico tivemos um jogador expulso (Carlinhos Paraíba), o que acabou sendo decisivo para os resultados das partidas.

    Além disso, os jogadores devem ter a consciência que a derrota do primeiro turno continua engasgada na garganta da torcida tricolor, que não aceita outro resultado que não a vitória no jogo de quarta-feira no Morumbi.

    A partida envolve muito mais do que a disputa pelo título do Campeonato Brasileiro, representa a luta do tricolor contra as forças ‘ocultas’ do futebol tupiniquim, as forças que tiraram o Morumbi da Copa do Mundo e unidas levaram os recursos para um buraco sem fundo que será a construção de um novo estádio.

    Não será fácil, afinal sabemos como funciona o futebol brasileiro sob o comando de Ricardo Teixeira.

    Quanto a torcida, espero que ela faça a sua parte e lote o Morumbi, com o espírito de final de Libertadores, empurrando o time para cima do adversário, do primeiro ao último minuto.

    Unidos podemos superar todos os obstáculos: o time da marginal sem número, a CBF e a sempre tendenciosa arbitragem do Campeonato Brasileiro.

    Torcida tricolor: Quarta-feira é dia de Morumbi e não de sofá.

  3. Radar Soberano Says:

    Nós contra todos eles
    Compartilhe | Amigos do blog, volto a afirmar que amanhã não é dia de sofá e sim de Morumbi. Dos 62 mil ingressos colocados à venda, 28 mil já foram adquiridos pela torcida tricolor.

    Diante disso, teremos seguramente mais de 40 mil tricolores no estádio empurrando o time prá cima do rival menor que passa por mais uma das suas constantes crises de identidade.

    Seremos nós contra os mandatários do futebol brasileiro, contra o grupo que comanda a CBF e os destinos da Copa do Mundo no Brasil.

    Não será um jogo qualquer, disso tenho convicção.

    A torcida tricolor está engasgada com toda essa história que envolve o veto ao Morumbi, com as constantes provocações dos dirigentes do time da marginal sem número que não passam um dia sequer sem falar da gente.

    Queremos apenas que a partida seja decidida no campo de jogo, sem expulsões estranhas, sem gols impedidos, sem penaltis com a marca da CBF.

    Nosso time está longe de apresentar um grande futebol.

    Ainda tem deficiências sérias na marcação, cercando muito e tomando pouco a bola.

    Também não temos um centroavante de ofício, que prenda os zagueiros adversários na defesa e preocupem os volantes.

    De qualquer forma, meu único desejo é que os jogadores entendam a importância desse jogo para o torcedor tricolor, que se empenhem, que busquem o resultado o tempo todo, demonstrando quem manda no futebol brasileiro dentro de campo.

    Nesse jogo não importa quem serão os onze titulares.

    Quem for escalado deve entender o que representa jogar no São Paulo Futebol Clube, o que representa vestir a camisa de três cores.

  4. Guedes Says:

    Nesta guerra, nós somos o lado do bem.
    E isso, também incomoda, porque eles sabem.

    Lina: Os bandidos são eles, a pecha cai bem no time do Carandiru.

  5. Barman Says:

    Nasci sãopaulino por sorte.
    GRAÇAS A DEUS !

    Lina: Graças a Deus.

  6. Marcos Tri Says:

    Lina, põe esse vídeo neste post, tem tudo a ver

    Lina: Tá lá irmão. Eu gosto muito desse vídeo tbm. _X_

    • kleber Says:

      E ai Lina blz, cara moro em Umuarama no pr tô sempre lendo teu blog, mas nunca tinha comentado, mais esse video me inspirou a escrever, é demaisssss veio, que orgulho de ser São Paulino!!!!!!!

      Lina: Fala ai Kleber ! Escreve brother, cola com a gente pow ! Vamos trocar idéias a respeito do São Paulo. O Tricolor é realmente motivo de orgulho, sempre ! Grande abraço pra vc. _X_

  7. Alemão Says:

    Sobre o Faustino, no Que Fim Levou do Milton Neves.

    http://terceirotempo.ig.com.br/quefimlevou_interna.php?id=232&sessao=f

    Lina: Valew !

  8. Marcelo Abdul Says:

    Simplesmente FODA esse texto. Exemplifica bem o que é ser são paulino. Imagino como os tricolores da velha guarda sofriam naquela época. A gente só pegou o filé mingnon. Eles roeram o osso e hoje devem ter muito mais orgulho do time do que nós são paulinos mais “mimados” pelas seguidas vitórias.

    Agora a pergunta que fica é a seguinte: onde está o time do seu Manoel agora hein? rssss.

    Lina: A Lusinha ora pois, está com o Lucas Gaúcho no estaleiro…

  9. Franklin Says:

    Maravilha de post.
    É isso mesmo que nós somos VITORIOSOS sem máculas.

    Lina: É isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: