O Novo Técnico Tricolor

Salve Soberania !

“Se você fosse presidente do clube, quem você chamaria para ser o comandante Tricolor ?” Escutei esta pergunta de um amigo hoje e não soube responder na lata, até porque se fosse assim tão fácil, o substituto do PCC já teria sido anunciado.

Mas depois fiquei refletindo a respeito e me coloquei, virtualmente, no lugar do JJ.

Eu descartaria como primeiro filtro, os empregados, pra não criar atritos com outros clubes. É ridículo ter que bancar a freira neste grande Falido da Turiassu, mas em tempos de inveja a flor-da-pele por causa de um tri-consecutivo, melhor dançar conforme a música, coisa que aliás nós fazemos desde sempre.

Em segundo-lugar, eu pensaria no elenco do São Paulo. O que temos hoje ? Jogadores jovens e algumas peças mais experientes. Então eu pensaria em quem já trabalhou com jovens nos últimos anos e se deu bem.

Mas não basta se relacionar bem com os jovens, tem que ter pulso firme ( comando ), tem que conhecer futebol e principalmente tem que ter vontade de vencer.

Em terceiro-lugar, o perfil. Não queremos manager. Deixa essa empáfia pra quem tem problemas de auto-afirmação. O técnico para o São Paulo tem que ser trabalhador e não pode perder o foco com vaidades. Quem tem que brilhar é o clube. Nem técnico, nem presidente, nem ídolo antigo, ninguém pode ser maior que o Tricolor.

Não pode ser caro. Eu não pagaria R$ 700 mil/mês por um técnico, mesmo top.

Partindo destas primícias, pipocam na minha memória estes nomes:

Leão, Dunga e Bianchi.

Bianchi.

É o técnico dos sonhos. Sabe muito de Libertadores, ganhou várias com o Boca. Vive problemas particulares, está rico. Não tenho nem idéia de quanto custa pra assinar com ele, mas barato não deve ser. Será que ainda tem gana de vitórias depois de ter vencido tanto ? Se dissesse que sim, eu fecharia. Mas ao ser sondado sobre a possibilidade de treinar o São Paulo, disse não.

Leão.

Linha dura, conhece futebol. Não é de esquemas, não é de falácias. Já montou um time campeão-brasileiro nos anos 2000. Sabe trabalhar com jovens. É técnico de seleção. Pesa contra ele o fato de se envolver em encrencas, é capaz de chegar as vias de fato. Se o Cuca não é chamado por seu lado emocional, o Leão também não seria por seu temperamento explosivo. Este é um nome que eu gostaria de ver, mas depois da sua saída no meio da Libertadores em 2005 – coisa que aliás ele deve estar arrependido até hoje afinal a gente venceu – não será sequer lembrado, até porque a atual diretoria faz parte do grupo aliado ao saudoso MPG, que era presidente na época e que ficou bastante irritado com a saída do técnico.

Dunga.

Manja de futebol. Enquanto foi técnico da seleçãozinha da cbf, nunca perdeu pra Argentina, e ganhou campeonatos em cima deles. É agregador, parceiro, de grupo. Sabe trabalhar com garotos de talento. Pulso firme, temperamento forte. Pesa contra que é teimoso e um tanto quanto retranqueiro. Não deve ser caro e está disponível. Tem planos de ser treinador na europa, mas o mercado europeu anda fechado pra brasileiros, principalmente depois das malfadadas tentavivas do profexô, do Scolari e mais recentemente do Leonardo. Melhor seria pra ele que treinasse um europeu no Brasil: o Tricolor.  De todos acho que é o que tem mais possibilidades.

Eu pensei no Autuori também, mas esse é caro, tem clube, tem contrato e pra trazer vai ter que esperar. Não podemos mais esperar. Temos dois campeonatos ainda pela frente este ano e um deles temos que faturar.

Qualquer um destes nomes faria diferença, deveriam escolher rápido, mas parece que vai demorar e esta, é a pior parte.

Paciência.

Relacionados

Carpegiani não resiste a mais uma derrota e é demitido do São Paulo

Vice do São Paulo diz que definição de novo técnico deve demorar

Veja quem pode assumir o São Paulo

***(*) ******(*)

22 Respostas to “O Novo Técnico Tricolor”

  1. carlos luchetta Says:

    Ê Lina, ficou no muro, hein!?! Hehe.
    Tá dificil mesmo. Não quero o Leão, nem o Cuca.
    Até queria ver o Dorival Junior, mas, sinceramente, não tenho a menor idéia se daria certo.
    Mesmo os técnicos empregados, tem algum realmente bom? Penso que não.
    Na mediocridade geral, torço para que o técnico que vier acerte a mão, sem invencionices, por favor. O técnico pode até inventar, mas só depois que o time estiver totalmente entrosado e com uma base titular sólida.
    Abraço.

    Lina: Fala ai Luchetta ! Não fiquei em cima do muro não brother, eu queria o Leão, mas a diretoria guardou a passagem dele pelo Morumbi. Fez papelão né meu ? Aquela conversa de dívida de amizade foi duro de aturar. Os que eu citei acima são os que eu acho que deveriam ser contratados, destes tem chances o Dunga e o Bianchi apenas. Se o Galo mandar o Dorival embora, ele vem. Nunca se sabe o que se passa na cabeça da diretoria. Mas acho que desta vez eles vão contratar direito. Abraços

  2. Finorio Says:

    Tráz logo o Dunga !

    Lina: Seria uma boa também.

  3. Renato Soares Says:

    Sabendo como é esta diretoria, virá alguma nova invenção.

    Lina: Acho que não desta vez.

  4. Radar Soberano Says:

    Carpegiani deixa o São Paulo bem servido de jovens promissores

    Técnico levou alguns jogadores do CT de Cotia para o elenco profissional do clube paulista, que tem um futuro animador

    “Se não conseguimos conquistar um título, tenho certeza que deixei um legado importante, especialmente com os mais jovens”. Essas foram as palavras de Paulo César Carpegiani depois que sua demissão foi confirmada pela direção do São Paulo, nesta quinta-feira. De fato, o treinador deixa o clube com uma boa perspectiva para o futuro, já que promoveu as subidas de alguns bons atletas do CT da base, em Cotia, para o elenco profissional.
    O principal deles é o meio-campista Lucas, que na verdade foi integrado por Sérgio Baresi, o antecessor de Carpegiani, mas que passou a ser peça fundamental da equipe no esquema do último técnico são-paulino. Tanto que após sua ida para seleção brasileira, que disputa a Copa América na Argentina, o time do Morumbi não conseguiu mais somar pontos dentro do Brasileirão.
    Outros jovens passaram a ter oportunidades com Carpegiani e se transformaram em titulares absolutos, como nos casos dos volantes Wellington e Casemiro. Já o zagueiro Luiz Eduardo, que atuou em seis das oito partidas no torneio nacional, mostra que tem potencial para assumir um lugar definitivo na defesa são-paulina, apesar de ainda ter 18 anos de idade. Ele foi uma aposta clara de Carpegiani no início do Brasileiro.
    O ex-treinador do São Paulo teve o aval da diretoria, principalmente por parte do presidente Juvenal Juvêncio, em poder levar os jogadores das categorias de base para o elenco principal. Até porque o clube não investiu em reforços de fora e ainda perdeu atletas experientes na temporada, como Cléber Santana, Marcelinho Paraíba, Edson Ramos e Junior César.

    O meia Cícero chegou recentemente, mas o legado de promessas que Carpegiani deixou é animador. Estão treinando com o grupo profissional os jovens João Felipe, Henrique Miranda, Rodrigo Caio, Dener, Bruno Cantanhede e Léo Gonçalves. Desses, apenas Rodrigo Caio e Henrique Miranda já atuaram com a camisa principal do clube.

    Se por um lado Carpegiani não agradou nos critérios táticos adotados nas escalações da sua equipe, além, claro, de se envolver em polêmicas que foram cruciais para sua demissão, por outro ele deixa essas importantes apostas para o amanhã do clube. Coisa que os técnicos anteriores, incluindo Muricy Ramalho, não fizeram.

  5. Radar Soberano Says:

    Estagnação é o problema do São Paulo

    São Paulo – Maior líder do atual elenco são-paulino, o goleiro Rogério Ceni não gosta muito de dar declarações após suas falhas individuais, mas, ao menos, serve sempre como para-raio nos tempos de crise. E não foi diferente no desembarque da delegação são-paulina após a derrota para o Flamengo, por 1 a 0. Ainda no saguão do Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul, o camisa 1, aparentemente sem saber da demissão do técnico Paulo César Carpegiani, cobrou que a equipe se mexa antes que seja tarde no Campeonato Brasileiro.

    “Temos de melhorar, temos de vencer o Cruzeiro (amanhã). Já são três jogos sem vencer, criando pouco e sem marcar gols. Isso não é para um time como o São Paulo. Precisamos recuperar o espírito dos primeiros cinco jogos, em que, embora não tivéssemos mostrado um grande futebol, fomos competitivos. Precisamos sair da estagnação em que entramos”, ressaltou Rogério Ceni, visivelmente abatido pela inconstância da equipe nas últimas partidas do Nacional.

    Contudo, o goleiro eximiu o ex-comandante de culpa pela má fase e pôs a culpa em dois desfalques, especialmente: Lucas (na seleção brasileira) e Luis Fabiano (ainda se recuperando de lesão). “Gostaríamos de ter resultados melhores, mas não estamos conseguindo com o elenco que temos, há a ausência de atletas fundamentais. O elenco estaria com mais corpo com o Luis Fabiano e o Lucas. São só dois jogadores, mas importantes. Vamos ter que conseguir a vitória no sábado (amanhã), senão ficaremos longe do pelotão de frente”, sentenciou o capitão, que sofreu oito gols nos últimos três jogos.

  6. Radar Soberano Says:

    Milton Cruz diz que Rivaldo pode ser titular contra o Cruzeiro

    Escolhido para comandar o São Paulo no jogo contra o Cruzeiro, neste sábado, no Morumbi, o interino Milton Cruz abriu a possibilidade de usar o meia Rivaldo, preterido por Carpegiani, entre os titulares.

    “Rivaldo tem lugar (no time), não todos os jogos, temos que saber dosar. Alguns confrontos como titular e alguns no banco. E vamos cuidar para ele ser utilizado no jogo de amanhã. Não está definido não, mas existe uma grande chance dele jogar. Estava vendo o jogo do Cruzeiro para definir a equipe”, disse, em entrevista ao programa Jogo Aberto, da TV Bandeirantes.

    Além disso, Milton Cruz deixou claro que conta com o apoio de todo o elenco tricolor para assumir o comando do time no confronto contra os mineiros. “Quando me colocaram no cargo, o Rivaldo falou comgio, me deu força. Rogério também me deu apoio total, Dagoberto, além da molecada toda. O pessoal daqui fala pra eu assumir e criar coragem. Sou profissional, reconhecido dentro do clube e muito respeitado. A função que eu faço é importante dentro do clube. Mas, a gente está a disposição do clube para esse tipo de imprevisto”.

    E pra finalizar, Milton ainda disse que o tricolor paulista já tem os nomes dos treinadores desejados. “São Paulo já tem o nome dos treinadores que estão analisando. Quem sabe no próximo jogo já teremos um novo treinador. Sabemos que vou ficar interinamente para este jogo”, concluiu.

  7. Radar Soberano Says:

    “Se meu nome surgiu no São Paulo, é pelo trabalho”, diz Jorginho

    Muitos nomes surgem para substituir o técnico Paulo César Carpegiani no São Paulo. Dorival Júnior, Cuca e Jorginho. Mesmo unanimidade nos bastidores do time tricolor, o primeiro está garantido no cargo, conforme informações da diretoria do Atlético-MG, o segundo está à disposição, mas com resistências dentro do elenco, e Jorginho, da Portuguesa, garantiu ao Terra que não foi procurado.

    “Não fui procurado. Não chegou nada, seja por empresários ou pela diretoria da Portuguesa, da qual sou funcionário. Se meu nome surgiu no São Paulo, é pelo bom trabalho que tenho feito, e isso se deve ao grupo de jogadores. Meu pensamento está na Portuguesa, mas é claro que não sabemos o dia de amanhã”, disse.

    Lutando pela liderança da Série B, Jorginho tenta se recuperar a ponta do torneio – hoje ocupada pela Ponte Preta -, nesta sexta-feira, às 21h (de Brasília), contra o Salgueiro, no Estádio do Canindé.

    “Meu contrato com a Portuguesa é de palavra, de caráter. Se algum time quiser algo, devem procurá-los (dirigentes). Claro que fico lisonjeado ao ver meu nome sendo citado por um clube como o São Paulo, mas meu pensamento é subir a Portuguesa para a Série A”, completou.

    Enquanto não encontra um substituto para Carpegiani, a diretoria do São Paulo confirma Milton Cruz como técnico interino para o jogo deste sábado, às 18h30, diante do Cruzeiro, no Morumbi.

  8. Radar Soberano Says:

    São Paulo? Dorival Júnior afirma: ‘Só saio do Atlético-MG demitido’

    Um dos nomes preferidos da diretoria do São Paulo para assumir o comando da equipe, Dorival Júnior negou qualquer contato com o time do Morumbi. Apesar da má fase vivida pelo Atlético-MG, seu atual clube, o treinador garantiu para reportagem do LANCENET! que só deixará o alvinegro mineiro se for demitido.

    – Não chegou nada até mim, nenhum contato do São Paulo. Meu compromisso é com o Atlético-MG. A situação é ruim e incômoda a gente, mas costumo cumprir todos os meus contratos. A não ser que o Atlético me mande embora. Nunca fiz e não sou de fazer isso com ninguém (deixar o clube com contrato). Meus planos estão aqui – explicou Dorival.

    Com três derrotas seguidas por goleada no Atlético-MG, Dorival Júnior anda balançando no cargo. Apesar do interesse do São Paulo, o treinador tem uma multa rescisória com o Galo alta, o que dificultaria uma negociação para chegar ao Morumbi.

    Alexandre Kalil, presidente do clube mineiro, já afirmou em outras oportunidades que não irá demitir o comandante.

    O Atlético-MG volta a campo no próximo domingo, no clássico regional contra o América-MG, na Arena do Jacaré.

    Cuca também nega ter sido procurado

    Outro cogitado para o lugar de Carpegiani é Cuca. Sem clube após treinar o Cruzeiro, o treinador negou ter recebido qualquer contato do Tricolor e disse ter propostas de fora do país.

    – Estou em Curitiba. Tenho algumas situações de fora, dos Emirados Árabes. Estou analisando com a minha família, provavelmente posso ir para lá. Foi só isso. Não teve nada do São Paulo – disse à rádio Estadão ESPN.

    Conforme revelou o LANCENET!, Rogério Ceni não gostaria de voltar a trabalhar com Cuca no São Paulo. O veto seria devido a problemas com o treinador em sua primeira passagem pelo clube em 2004. Na entrevista à rádio, Cuca negou que tenha qualquer problema com o goleiro.

  9. Radar Soberano Says:

    Cuca descarta problema com Rogério Ceni e nega contato do São Paulo

    Cuca negou qualquer tipo de problema com o goleiro Rogério Ceni, como sugeriu o diário Lance!, nesta sexta-feira. Porém, o técnico, que está desempregado, negou ter recebido qualquer contato com a direção do clube do Morumbi.

    “Rogério tem personalidade forte, é bom que assim seja. O Luís Fabiano também tem, é importante para o grupo”, resumiu Cuca, em entrevista à Estadão/ESPN.

    O problema relatado pelo Lance! teria origem em 2004, quando o treinador passou pelo Morumbi e levou o clube às semifinais da Copa Libertadores. Após uma eliminação traumática para o Once Caldas, da Colômbia, a torcida se revoltou, voltar a classificar a equipe como “pipoqueira” e Cuca logo foi demitido.

    Agora, logo após a demissão de Paulo César Carpegiani, Cuca é um dos nomes mais comentados. Segundo a publicação, no entanto, Rogério Ceni já teria deixado claro que desaprova a chegada do desafeto. Adiantou, inclusive, que os dois negariam a briga, como de fato fizeram.

    Cuca, por sua vez, ainda nega qualquer contato com a atual direção. “Eu tenho uma proposta dos Emirados Árabes, estou conversando com a família. Mas não teve nada do São Paulo não. É um clube que qualquer treinador gostaria de dirigir, mas não teve nada”, disse Cuca.

  10. Radar Soberano Says:

    Fernandinho faz críticas a Carpegiani

    O conhecido tom político usado pelos jogadores de futebol para discursar sobre os mais variados temas foi deixado de lado pelo atacante Fernandinho. Ao menos momentaneamente. No desembarque da delegação são-paulina no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul, o camisa 12, que foi substituído por Rivaldo aos 12 minutos do segundo tempo do duelo contra o Flamengo, saiu do gramado do Engenhão com cara de poucos amigos e deixando claro não concordar com a posição do técnico Paulo César Carpegiani ao tirá-lo de campo quando o placar da partida ainda estava 0 a 0.

    “Eu queria continuar para ajudar a equipe, só foi esse o fato. Mas, o comandante é o Carpegiani (Fernandinho ainda não sabia da demissão do treinador)”, disparou o camisa 12, deixando claro a insatisfação com a atitude do ex-técnico do Tricolor, antes de amenizar o tom.

    “Estou tranquilo, mas queria estar em campo para ajudar o grupo, pois é difícil ver nosso time perder. Contudo, estamos focados nos nossos objetivos e estamos ligados no que precisamos fazer para voltar a vencer”, atestou Fernandinho.

    Atacante engrossa lista de desavenças do ex-treinador

    Durante os pouco mais de oito meses em que Paulo César Carpegiani foi o treinador, alguns desentendimentos com os jogadores aconteceram e, assim, o caso de Fernandinho, o último com o ex-comandante, não foi novidade.

    Antes deste entrevero, Carpegiani teve problemas em duas oportunidades com Dagoberto (primeiro discutiram durante uma partida e o técnico o chamou de bobalhão, enquanto a segunda, no nascimento do filho do atleta, cada um deu uma versão e houve desentendimento) e também com o ex-zagueiro são-paulino Alex Silva.

  11. Radar Soberano Says:

    Quem pode assumir o São Paulo? Confira as opções

    LANCENET! levantou alguns técnicos do mercado que podem interessar ao Tricolor

    Com Paulo César Carpegiani demitido nesta última quinta-feira após não resistir três derrotas consecutivas no Brasileirão (Corinthians, Botafogo e Flamengo), a realidade do São Paulo agora passa ser a procura de um novo técnico.

    Enquanto outro treinador não for contratado, Milton Cruz, auxiliar técnico até então, vai comandar o São Paulo, que já tem partida contra o Cruzeiro, neste sábado, no Morumbi.

    Apesar da diretoria não revelar nenhum nome até o momento, o LANCENET! listou algumas opções para o Tricolor.

    Cofira as opções para o Tricolor:

    Dorival Júnior

    Apesar de três derrotas seguidas no Brasileirão comandando o Atlético-MG, Dorival segue no cargo com o respaldo de Alexandre Kalil, presidente do clube. É um nome que tem força entre os diretores são-paulinos, no entanto a alta multa rescisória atrapalha o negócio.

    Cuca

    Está desempregado e tem uma boa relação com Juvenal Juvêncio, presidente são-paulino. O problema é ser desafeto de Rogério Ceni. A influência do capitão no clube pode fazer com que o treinador seja descartado.

    Paulo Autuori

    Sempre cotado em clubes brasileiros, o técnico renovou seu contrato com o Al-Rayyan, do Qatar, há pouco tempo. É bem visto pela cúpula tricolor, no entanto tem multa rescisória em um valor significativo.

    Dunga

    Durante a última temporada teve seu nome cotado no clube. Por problemas particulares, não ouviu a proposta na oportunidade. Tem rejeição de alguns membros da diretoria.

    Adilson Batista

    Quando seu nome estava em alta, mais precisamente quando deixou o Cruzeiro, teve seu nome cogitado no São Paulo. Com fracassos em Corinthians, Santos e Atlético-PR, está desempregado e perdeu um pouco de força no mercado.

    Celso Roth

    Desempregado, é bem visto por alguns dirigentes são-paulinos, mas ainda está longe de ser um nome de consenso. Seria uma negociação tranquila por não ter vínculo com nenhum clube. Toparia assumir a equipe.

    Carlos Bianchi

    Ex-treinador de Velez e Boca Juniors, ambos da Argentina, Bianchi já teve seu nome especulado em outras ocasiões, no entanto não treina nenhum clube há cinco anos e não mostra vontade de voltar para beira do gramado.

    Leia mais no LANCENET! http://www.lancenet.com.br/sao-paulo/assumir-Paulo-Veja-opcoes_0_513548680.html#ixzz1RWcTPbuQ
    © 1997-2011 Todos os direitos reservados a Areté Editorial S.A Diário LANCE!

  12. Radar Soberano Says:

    São Paulo 5 x 3 Carpegiani. Sobrou para o treinador

    Foram cinco vitórias seguidas do São Paulo.

    Foram três derrotas seguidas de Paulo César Carpegiani.

    Essa é a leitura da diretoria do São Paulo, da torcida, da imprensa e de provavelmente alguns jogadores do elenco sãopaulino.

    Por tudo isso o treinador caiu. Houve muito desgaste após a goleada sofrida diante do Corinthians.

    Ele até que aguentou mais um pouquinho contrariando as expectativas.

    Já tinha caído e se salvado após a eliminação da Copa do Brasil contra o Avaí.

    Caiu diante do Botafogo e ontem sucumbiu diante do Flamengo.

    Se tivesse pelo menos empatado ganharia fôlego para o jogo de sábado contra o Cruzeiro, no Morumbi.

    Não estou defendendo a permanência do treinador e nem a sua demissão.

    Esse é um problema do São Paulo.

    Há várias explicações para a demissão.

    O técnico sempre fez questão de frisar que muitos jovens foram escalados mais por opção da diretoria do que propriamente pela sua.

    Rivaldo, que nunca teve sequência no time titular, poderá ganhar mais espaço agora.

    Convidado por Rogério Ceni e contratado pela diretoria, isso parecia incomodar Carpegiani que deixava o consagrado camisa 10 fora dos seus planos.

    O bate-boca envolvendo técnico e o jogador após a eliminação da Copa do Brasil não foi bem digerido no Morumbi.

    Também o desentendimento entre Carpegiani e Dagoberto ficou mal parado.

    São coisas miúdas que vão minando uma relação e um trabalho que poderia ser a longo prazo.

    A diretoria não quis correr o risco de esperar muito e ver o time degringolar no Campeonato.

    Achou melhor tomar uma atitude agora para motivar o elenco e também o torcedor.

    Primeiro nome da lista é de Alexis Stival Beludo, conhecido como Cuca, com uma passagem pelo Morumbi em 2004.

    Saiu logo após a eliminação na semifinal da Libertadores para o Once Caldas, da Colômbia, que acabou campeão naquele ano.

    Há poucos dias foi demitido do Cruzeiro, de Belo Horizonte, também por ter sido eliminado da Libertadores da América e por falta de resultados no Brasileiro.

    O outro nome que agrada o São Paulo é o de Dorival Júnior que está cai não cai no Atlético Mineiro.

    Esse tem menos rodagem que Cuca, mas já fez bons trabalhos no São Caetano, Vasco da Gama e Santos.

    E é nisso que o futebol é muito engraçado. O São Paulo demitiu um técnico que tinha 15 pontos no Brasileiro e pensa em dois nomes que conseguiram bem menos no mesmo Campeonato.

    Esse é o incrível mundo da bola. É onde as mesmas derrotas que valem para uma demissão não são levadas em conta na hora da contratação desde que seja em outra equipe.

    Vamos aguardar quem vem para o lugar de Carpegiani.

  13. Radar Soberano Says:

    Com Cuca descartado, São Paulo espera próxima semana para definir técnico

    Rogério Ceni veta a contratação de Cuca para substituir Paulo César Carpegiani, por causa de problemas de relacionamento em sua passagem pelo clube, em 2004.

    Seja por isso ou simplesmente pela vontade do presidente Juvenal Juvêncio, o fato é que a direção do São Paulo descarta completamente o nome de Cuca.

    Juvenal Juvêncio está aberto a sugestões de Adalberto Batista e João Paulo Jesus Lopes, mas ele tomará a decisão e prefere esperar a semana que vem. No meio do caminho, há uma rodada do Campeonato Brasileiro, que pode, por exemplo, definir a saída de Dorival Júnior do Atlético Mineiro, em caso de tropeço no clássico contra o América.

    “Nós vamos ganhar do América”, diz o presidente do Galo, Alexandre Kalil. “Não vamos mexer no comando técnico, o Dorival Júnior vai permanecer e o Atlético vai fazer barulho ainda neste Campeonato Brasileiro”, disse Kalil, por telefone, ontem à noite.

    A permanência de Dorival Júnior fará o São Paulo pensar em outros nomes. Um dos nomes cotados no Morumbi é Paulo Autuori, mas é muito difícil tirá-lo do Al Rayaan, do Catar.

    Se esses dois nomes não forem viáveis, o São Paulo correrá o risco que viveu no ano passado, numa encruzilhada entre dar mais tempo a um interino — no caso atual, Mílton Cruz — ou contratar alguém que não seja unanimidade no clube.

  14. Radar Soberano Says:

    Rogério Ceni confessa a amigos que não quer Cuca no São Paulo, diz jornal

    retorno de Cuca ao São Paulo como substituto do demitido Paulo César Carpegiani tem um opositor de muito peso dentro do clube. De acordo com o diário Lance!, o goleiro e capitão Rogério Ceni já manifestou a pessoas próximas sua contrariedade com a contratação do técnico por conta de um problema entre ambos na sua primeira passagem pelo clube, em 2004.

    O tema causa desconforto e é tratado com sigilo entre as partes. Vale lembrar que na época o goleiro teve uma ríspida discussão com o auxiliar de Cuca, Osmar Feitosa, em um rachão recreativo antes do duelo contra o Alianza Lima, válido pela Libertadores. Feitosa chegou a dizer “você pode ser o Rogério Ceni, mas eu te tiro do treino”.

    Embora não tenha poder de veto, Rogério Ceni é frequentemente consultado em assuntos ligados ao futebol e sua opinião é sempre levada em consideração por causa da sua liderança no grupo de jogadores e da idolatria nutrida pela torcida.
    MURICY JÁ ACUSOU TREINADOR DE TENTAR ‘ROUBAR’ SEU EMPREGO
    Quando foi demitido do São Paulo em 2009, Muricy Ramalho aproveitou a oportunidade para abrir fogo contra Cuca. De acordo com o agora treinador do Santos, seu colega, à época no Flamengo, ligava frequentemente para Juvenal Juvêncio para cortejar seu lugar. O mais importante é ser correto no futebol. Hoje os técnicos não se respeitam, ligam para os clubes. O Cuca liga para o Juvenal para saber como está. Tudo o que ele faz ele liga para o Juvenal. É demais para mim?, reclamou. Cuca rebateu e disse que sua índole e caráter jamais o permitiriam tomar tal atitude e que seus contatos com Juvenal eram pela amizade que ambos estabeleceram na passagem do treinador pelo clube em 2004.

    Pesa a favor de Cuca o excelente relacionamento com o presidente Juvenal Juvêncio e o fato de ter sido o treinador o responsável pela montagem do elenco que se sagrou campeão da Libertadores e Mundial em 2005.

    A definição do novo técnico são-paulino deve sair em breve. O certo é que Juvenal não quer repetir a tentativa de colocar o treinador das categorias de base Sérgio Baresi à frente da equipe principal. Campeão da Copa São Paulo no ano passado, o jovem treinador foi pinçado para comandar o profissional, mas a curta passagem foi um fiasco e deixou a equipe próxima das últimas colocações do Brasileirão.

    Além de Cuca, Dorival Júnior e Paulo Autuori são outros nomes lembrados pela diretoria, que trata com sigilo das negociações. Enquanto não acerta com ninguém, caberá ao auxiliar Milton Cruz comandar a equipe contra o Cruzeiro, neste sábado, no Morumbi.

  15. Radar Soberano Says:

    Funcionários apontavam comportamento estranho de Carpegiani

    Funcionários do São Paulo apontavam dias antes da saída de Carpegiani a perda do moral do técnico junto ao elenco e ao próprio pessoal do CT. Segundo relatos, o treinador mostrava-se confuso em várias decisões, marcava compromissos e esquecia e mudava decisões sem razão aparente. Nas últimas semanas, o treinador estava cada vez mais isolado.

    vipcomm

  16. Radar Soberano Says:

    Três nomes na pauta do Tricolor

    Depois de muita pressão, o técnico Paulo César Carpegiani foi demitido do São Paulo. Ele não suportou a terceira derrota seguida no Brasileiro e na quinta o clube anunciou sua saída. Para o confronto de sábado, contra o Cruzeiro, o time será comandado pelo auxiliar Milton Cruz, que todas as vezes em que um treinador caiu assumiu a responsabilidade. Hoje ele comanda um treinamento no CT da Barra Funda.

    Milton será interino até a contratação de um novo comandante. Os nomes mais cotados são de Dorival Júnior, que está no Atlético-MG, Cuca, sem clube, e Paulo Autuori, do Al-Rayyan, do Catar. Dorival é o grande sonho do presidente Juvenal Juvêncio, mas dificilmente o São Paulo pagará os R$ 2 milhões de multa rescisória. Quando o treinador deixou a Vila, brigado com Neymar, especulou-se sua ida para o Morumbi, o que não se confirmou.

    Dorival vive momento de instabilidade em Minas. O time tem oito pontos em oito partidas no Brasileirão. Parte da diretoria atleticana, no entanto, ainda confia no seu trabalho. O grande problema é que o elenco parece não estar empolgado com sua permanência. Ele, que já teve problemas com Ricardinho e Zé Luís (ambos foram dispensados), está tendo de lidar com desfalques e exibições ruins da equipe. Todos esses fatores ajudam a aumentar a pressão da torcida por sua saída.

    No caso de Cuca, o treinador sempre falou que não gostou de ter saído precocemente do São Paulo, quando comandou o clube em 2004. Muitos apontam até que foi por causa do seu trabalho que o time chegou ao título da Libertadores e do Mundial de Clubes no ano seguinte. O treinador estava no Cruzeiro, mas foi demitido mês passado. Está desempregado. Paulo Autuori agrada à maioria dos cartolas do Morumbi. Simpatia que esbarra na pesada multa do clube do Oriente Médio, um empecilho para contratá-lo nesse momento.

  17. Radar Soberano Says:

    Saída de Carpegiani deixa Dorival Júnior como a bola da vez na dança das cadeiras do Brasileirão

    Técnico do Galo vem de três derrotas e, até agora, nenhum resistiu à quarta

    Paulo César Carpegiani balançou, balançou, e finalmente caiu nesta quinta-feira (7). Após o São Paulo sofrer três derrotas consecutivas no Campeonato Brasileiro, fato até então inédito para o clube na história dos pontos corridos, a diretoria resolveu dispensar os serviços do gaúcho e engrossou a lista dos desempregados em 2011.

    O São Paulo foi o quinto clube a trocar de treinador em apenas oito rodadas da competição. Antes dele, substituíram seus técnicos o Avaí (Silas), o Atlético-PR (Adilson Batista), o Cruzeiro (Cuca), e o Grêmio (Renato Gaúcho). O próximo na dança das cadeiras, ironicamente, pode ser um que está na mira do Tricolor paulista: Dorival Júnior.

    O técnico acumula cinco partidas sem vencer no comando do Atlético-MG e também vem de três derrotas consecutivas no Brasileirão (4 a 2 para o Flamengo, 4 a 0 para o Inter e 3 a 0 para o Ceará). Até o momento, nenhum treinador resistiu ao quarto insucesso seguido, o que transforma o próximo compromisso do Galo, diante do América-MG, no domingo (10), fundamental para sua permanência em Belo Horizonte.

    – Estou fazendo o melhor, mas não consigo a manutenção de uma equipe nas partidas. Desde que cheguei ao Atlético-MG não consigo repetir uma escalação sequer. É uma resposta que a diretoria tem que dar. Sou o treinador, não abaixo a cabeça. Continuo o meu trabalho até o momento em que o presidente achar conveniente.

    O presidente do Galo, Alexandre Kalil, dá sinais de que pode manter Dorival até mesmo no caso de um novo tropeço no clássico mineiro, mas não por acreditar cegamente no trabalho do treinador, e sim para evitar dar “de bandeja” o cobiçado profissional para um rival em potencial na luta pelo título nacional da temporada.

    – O certo é que o Dorival fica, a comissão fica. Todos me conhecem e sabem que eu não sou a favor da troca de treinador. A comissão técnica não será trocada. Eu não vejo ainda a necessidade disso. Ninguém tem cadeira cativa no Atlético, mas agora é a hora de nós conversarmos. Já me pediram tanto para eu não ser apaixonado, amador. Eu vou ser bastante frio, até 31 de dezembro.

    Resta saber se a frieza de Kalil resistirá caso a equipe caia diante de um rival que venceu apenas uma de suas sete partidas até o momento na competição, e que ostenta a 18ª posição na tabela de classificação, acima apenas de Avaí e Atlético-PR.

  18. Radar Soberano Says:

    São Paulo não consegue emplacar treinador na era pós-Muricy

    Ricardo Gomes, Sergio Baresi e Carpegiani não tiveram o mesmo sucesso do antecessor

    Atualmente no Santos, Muricy Ramalho ficou por mais de três anos no São Paulo, entre 2006 e 2009

    Entre os anos de 2006 e 2008, o São Paulo viveu tempos de glórias com a conquista do tricampeonato Brasileiro, fato inédito entre os clubes do futebol nacional. O técnico na ocasião era Muricy Ramalho, que comandou a equipe por 3 anos e meio – de janeiro de 2006 a junho de 2009. Desde então, o time do Morumbi não conseguiu emplacar um treinador por tanto tempo.
    Apesar das conquistas nacionais, Muricy foi demitido por ter sido eliminado de quatro Libertadores seguidas por equipes brasileiras. Em 2006, perdeu a final diante do Internacional. Em 2007, caiu ante o Grêmio nas oitavas. No ano seguinte, o Fluminense foi o algoz, nas quartas. Já em 2009, o time ficou pelo caminho de novo nas quartas, dessa vez contra o Cruzeiro.
    Após a saída de Muricy, Ricardo Gomes assumiu o comando do São Paulo, onde permaneceu por um ano e dois meses. O treinador teve uma boa performance na temporada 2009, pegando a equipe da 16ª colocação do Brasileirão e levando até a 3ª posição no final, brigando pelo título nas últimas rodadas.
    Em 2010, seu trabalho foi bastante contestado com a eliminação na semifinal do Paulistão e o futebol ruim que a equipe apresentava. Após a derrota para o Palmeiras no torneio regional, o técnico teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e assustou a todos, ficando de fora em alguns jogos da equipe, mas retornando sem maiores problemas. Na véspera das quartas de final da Libertadores, contra o Cruzeiro, chegou a cogitar-se a sua demissão. Mas a equipe passou muito bem pelos mineiros, dando sobrevida ao treinador.

    A Libertadores e o Brasileirão foram interrompidos por conta da Copa do Mundo, e no retorno do torneio nacional o time colecionou resultados ruins e outras atuações abaixo do esperado, pressionando Ricardo Gomes. A gota d’água foi a eliminação diante do Inter, na semifinal da Libertadores. Seu contrato acabou em agosto de 2010 e a diretoria decidiu não renovar o vínculo.

    Depois de Ricardo Gomes, Sérgio Baresi foi promovido de técnico das categorias de base do São Paulo a comandante do time principal. Logo de início, ele não caiu nas graças da torcida e a aventura do novato durou pouco mais de dois meses, de agosto a outubro de 2010. A sequência de resultados ruins fez que com que a diretoria mandasse o treinador de volta para o CT de Cotia, onde permanece até hoje.

    Foi então que chegou Paulo César Carpegiani ao comando são-paulino. E, diferente dos outros treinadores que passaram pelo clube desde Muricy Ramalho, o trabalho de Carpegiani não foi contestado somente na questão técnica. O técnico, apelidado de “Professor Pardal” por inventar na escalação da equipe, se envolveu em algumas confusões e polêmicas.

    Os episódios mais marcantes foram os com Dagoberto e Rivaldo. No Paulistão de 2011, o treinador chegou a chamar o atacante de “bobalhão” durante uma partida e disse que abriria mão do atleta se chegasse alguma proposta de outro clube. Já com o experiente meia, a discussão foi através da imprensa. Rivaldo se sentiu humilhado de não poder jogar contra o Avaí, na eliminação da Copa do Brasil, e Carpegiani questionou o caráter do camisa 10.

    Mais recentemente, depois que o time perdeu para o Botafogo, no Brasileirão, dentro do estádio do Morumbi, o treinador admitiu que o São Paulo estava negociando com o meia argentino Cañete. O fato irritou a diretoria do clube, uma vez que a contratação estava sendo tratada em sigilo absoluto. O revés para o Flamengo na última quarta-feira encerrou de vez a segunda passagem do treinador pelo clube, que durou dez meses.

  19. Radar Soberano Says:

    Interino do São Paulo ganha apoio de Muricy e não descarta ser técnico no futuro

    Milton Cruz já se acostumou a apagar incêndios no São Paulo. Sempre que o time está mal e o técnico é demitido, é ele quem assume as broncas na boca do túnel com a missão de corrigir os erros e dar um novo rumo à equipe. E ele nem se assusta com a responsabilidade. A cada dia adquire mais confiança com o apoio de amigos e não descarta ser técnico no futuro se um dia deixar o clube.
    Esta é a 13ª vez que Milton assumirá o São Paulo de maneira interina. Ele admite que não é sua função preferida, já que tem liberdade para fazer o que gosta em seu trabalho como ‘olheiro’ e auxiliar-técnico.

    Mas se dedica no comando do time e se apoia nas mensagens carinhosas de profissionais renomados no futebol como o técnico Muricy Ramalho e os ex-são paulinos Aloísio e Mineiro.

    “Fico um pouco ansioso até a hora do jogo, mas a gente vai se acostumando. Recebi mensagens de pessoas amigas. Tem muita gente torcendo por mim, a gente se sente tranquilo, confortável com os amigos torcendo. O Muricy conversou comigo, é muito gratificante”, disse.

    Milton inicia seu trabalho no comando do time contra o Cruzeiro, sábado, no Morumbi, e permanece até a diretoria contratar um novo técnico. O auxiliar espera que isso não demore a acontecer. Apesar disso, não descarta um dia adotar a função de técnico como sua profissão.

    “Se um dia eu tiver a chance a chance de ser treinador, o São Paulo é um grande clube, quem não gostaria de estar no meu lugar? É um privilégio ser escolhido, fico grato pela confiança que depositam. Um dia, se sair do São Paulo, pode ser, mas não penso nisso agora”, disse.

    O interino comandou seu primeiro treino já na quinta-feira, no mesmo dia em que foi anunciada a demissão de Carpegiani. Como os titulares fizeram um trabalho de recuperação no Reffis, Milton passou quase todo o dia conversando com os jogadores. Mesmo sem antecipar qualquer informação, garante que já tem em mente a escalação e não pretende fazer muitas mudanças.

  20. Radar Soberano Says:

    São Paulo sonha com técnico argentino

    O São Paulo tem três alternativas para substituir Carpegiani. A mais imediata é trazer Cuca, que já está sem clube. Mas, como o clube anunciou que Milton Cruz comandará a equipe no fim de semana, o mais provável é que esteja esperando pela queda de Dorival Júnior. Mas o sonho do clube é mesmo o argentino Carlos Bianchi, que está há cinco anos parado

  21. Radar Soberano Says:

    esempregado, Cuca é vetado por Rogério Ceni no São Paulo

    Capitão tem rusga com o treinador desde 2004, quando Cuca dirigiu o Tricolor

    Entre os nomes pensados pela diretoria do São Paulo, Cuca é um que sempre acaba cogitado. Nesta quinta-feira, pouco depois da demissão de Paulo César Carpegiani, Rogério Ceni confessou a uma pessoa próxima que não quer o técnico, desempregado após sair do Cruzeiro. O goleiro e capitão sempre é consultado pela diretoria sobre nomes. Sua opinião tem importância para a cúpula, por se tratar do maior líder do grupo.

    Técnico e goleiro tiveram problema na passagem de Cuca pelo Sampa, em 2004. Para contornar a situação, o presidente Juvenal Juvêncio, que tem boa relação com o treinador, e Milton Cruz, coordenador técnico, teriam de conversar com o camisa 1. Por ora, Ceni não aceita o nome e todos no clube estão cientes disso.

    Sem esta opção, o nome de consenso entre a diretoria é o de Dorival Júnior, que está no Atlético-MG. Após três derrotas seguidas, todas por goleada, o comandante já não é mais unanimidade em Minas Gerais. Ano passado, quando Ricardo Gomes deixou o Sampa, foi um dos nomes cogitados. Dorival, inclusive, chegou a ligar para um dirigente para saber se seria contratado. Após receber um não como resposta, fechou contrato com o Galo.

    Enquanto o São Paulo não define o sucessor de Carpegiani, Milton Cruz vai dirigir o time contra o Cruzeiro. Ele é quem comanda o treinamento da tarde desta sexta-feira.

    Juvenal, temeroso após não acertar nas duas últimas escolhas, que deixaram o clube sem título, não quer errar de novo. Por isso, vai observar o mercado para definir quem melhor se encaixa em sua filosofia de trabalho e também tenha espírito vencedor. Certeza é que o treinador contratado vai ter de apostar na base, o que garantiu Carpegiani por algum tempo.

  22. Felipe 6-3-3 Says:

    Eu acho que a diretoria pensa em 3 nomes.

    Bianchi, Dorival e Autuori.

    Menos que isso é errar de novo.

    Lina: Concordo, dois consagrados e um que quer provar algo mais. Bons nomes.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: